29 novembro 2008

Para um fim de semana prolongado



Nem uma palavra a mais, alem do texto que mail Amigo me mandou.

Um jovem recém casado estava sentado num sofá num dia quente e húmido, beberricando chá gelado durante uma visita ao seu pai. Ao conversarem sobre a vida, o casamento, as responsabilidades da vida, as obrigações da pessoa adulta, o pai remexia pensativamente os cubos de gelo no seu copo e lançou um olhar claro e sóbrio para o filho.

- Nunca te esqueças dos teus amigos, aconselhou! Serão mais importantes na medida em que envelheceres. Independentemente, do quanto ames a tua família, os filhos que porventura venham a ter, sempre precisarás de amigos. Lembra-te de ocasionalmente ir a lugares com eles; faz coisas com eles; telefona para eles ...

- Que estranho conselho! Pensou o jovem. Acabo de ingressar no mundo dos casados. Sou adulto. Com certeza que minha esposa e a família que iniciaremos serão tudo o que necessito para dar sentido à minha vida!

Contudo, ele obedeceu ao pai. Manteve contacto com os seus amigos e anualmente aumentava o número deles. Na medida em que os anos se passavam, ele foi compreendendo que o seu pai sabia do que falava. Conforme o tempo e a natureza realizam as suas mudanças e mistérios sobre um homem, amigos são baluartes da sua vida. Passados mais de 40 anos, eis o que ele aprendeu:

O Tempo passa. A vida acontece. A distância separa. As crianças crescem. Os empregos vão e vêem. O amor fica mais frouxo. As pessoas não fazem o que deveriam fazer. O coração rompe-se. Os pais morrem. Os colegas esquecem os favores. As carreiras terminam. MAS... os verdadeiros amigos estão lá, não importa quanto tempo e quantos quilómetros estão entre nós. Um amigo nunca está mais distante do que o alcance de uma necessidade, torcendo por nós, intervindo em nosso favor e esperando de braços abertos, abençoando a nossa vida! Quando iniciamos esta aventura chamada vida, não sabíamos das incríveis alegrias ou tristezas que estavam adiante.

Nem sabíamos o quanto precisaríamos uns dos outros.
UM ABRAÇO.

JPSetúbal

28 novembro 2008

Ser professor

A profissão de professor anda na ribalta nos últimos tempos. Por boas e más razões. Ele é a desconsideração progressiva do papel e da importância do professor, ele é o confronto sobre a avaliação dos professores, razões de uns e de outros, ora se reconhece a importância dos professores, ora se acusa os professores de não cumprirem devidamente com o seu múnus, em generalizações de sinal contrário que, por serem generalizações, são inevitavelmente erradas, já que,como em todas as profissões, há professores excelentes, bons, medianos, fracos e péssimos.

A história de hoje que,como habitualmente, recebi por correio eletrónico, cuja autoria desconheço e que editei ao meu jeito,procura mostrar como deve ser um bom professor.Não o que nunca erra.mas o que é interessado e dedicado e procura fazer o melhor possível. Quantas vezes,fazendo a diferença!

Aquela professora, apesar de sempre ter proclamado que gostava de todos os alunos por igual, olhava para Ricardo com não muito bons olhos. Notava que ele não rendia, não se dava bem com os colegas de turma e muitas vezes as suas roupas estavam sujas e cheiravam mal. Houve até momentos em que ela sentia um certo prazer em dar-lhe notas baixas, ao corrigir as suas provas e trabalhos.

No início do ano letivo, a cada professor era solicitado que lesse com atenção a ficha escolar dos alunos, para tomar conhecimento das anotações. Ela tinha deixado a ficha do Ricardo para o fim. Mas, quando finalmente a leu foi grande a sua surpresa...

Ficha do 1º ano:

“Ricardo é um menino brilhante e simpático. Os seus trabalhos estão sempre em ordem e são muito nítidos. Tem bons modos e é muito agradável estar perto dele.”

Ficha do 2º ano:

“Ricardo é um aluno excelente e muito querido dos seus colegas, mas tem estado preocupado com a mãe, que está com uma doença grave e desenganada pelos médicos. A vida no seu lar deve estar a ser muito difícil.”

Ficha do 3º ano:

“A morte da sua mãe foi um golpe muito duro para o Ricardo. Ele procura fazer o melhor, mas o seu pai não tem nenhum interesse e depressa a sua vida será prejudicada, se ninguém tomar providências para o ajudar.”

Ficha do 4º ano:

“O Ricardo anda muito distraído e não mostra interesse nenhum pelos estudos. Tem poucos amigos e muitas vezes adormece na sala de aula.”

A professora deu-se conta do problema e ficou terrivelmente envergonhada... E lembrou-se dos lindos presentes de Natal que recebera dos alunos, com papéis coloridos, excepto o do Ricardo, que estava enrolado num papel pardo. Lembrou-se que abriu o pacote com tristeza, enquanto as outras crianças se riam ao ver que era uma pulseira à qual faltavam algumas pedras e um frasco de perfume apenas meio cheio. Apesar das piadas, ela tinha tido a presença de espírito para dizer que o presente era precioso e pôs a pulseira no braço e um pouco de perfume sobre a mão. No fim do dia, Ricardo ficou um pouco mais de tempo na sala de aula do que o costume. E, já depois de todos os seus colegas terem saído, quando ele próprio se dirigia para a porta, dissera-lhe, timidamente:

- A senhora está perfumada como a minha mãe!

Passou a dar mais atenção aos seus alunos, especialmente ao Ricardo. Com o passar do tempo, notou que o rapaz melhorava. E quanto mais ela lhe dava carinho e atenção, mais ele se animava. No fim do ano letivo, o Ricardo foi o melhor da turma.

Seis anos depois, recebeu uma carta do Ricardo contando que havia concluído o secundário e que ela continuava a ser a melhor professora que tivera.

As notícias repetiram-se até que um dia ela recebeu uma carta assinada pelo Dr. Ricardo, o seu antigo aluno.

Mas a história não termina aqui...

Tempos depois, recebeu convite para o casamento de Ricardo. Aceitou o convite e, no dia do casamento, usou a pulseira que recebera do Ricardo anos antes - e também o perfume.

Quando os dois se encontraram, abraçaram-se longamente e Ricardo disse-lhe ao ouvido:

- Obrigado por ter acreditado em mim e me fazer sentir importante, demonstrando-me que posso fazer a diferença.

Ser professor não é só debitar matéria, avaliar e ser (ou não...) avaliado. Ser (bom) professor é fazer realmente a diferença, quando é preciso que ela seja feita.

Bom fim de semana e bom feriado!

Rui Bandeira

27 novembro 2008

A Maçonaria e a Revolução Farroupilha

A Maçonaria Regular não tem intervenção política e funciona dentro da legalidade vigente. Estes são dois princípios básicos e essenciais do comportamento da Maçonaria Regular em Democracia.

Mas, historicamente, nem sempre a Maçonaria assumiu esse comportamento. Umas vezes por opção própria, nomeadamente na variante dita Irregular ou Liberal, sempre mais interventiva politicamente. Outras vezes, porque a Democracia não estava presente, a tirania campeava e ser maçon, prosseguir o ideário de Liberdade que é apanágio da Maçonaria, implicou lutar pela Liberdade em falta, intervir mesmo em Revoluções.

A Itália fez-se enquanto país unificado muito graças à atuação de Garibaldi e outros maçons. A América Latina ganhou a sua liberdade e a independência de vários dos seus países graças aos esforços de Simón Bolívar e seus companheiros, muitos deles também maçons. Maçons também deram os seus esforços para a instauração da República em Portugal.

Alguns dos episódios que ajudaram a forjar a identidade brasileira também têm a intervenção decisiva de maçons. É o caso da Revolução Farroupilha, que foi desencadeada pelos membros da loja maçónica Philantropia e Liberdade, sob a direção do seu Venerável Mestre Bento Gonçalves da Silva.

Pelo seu interesse histórico, eis um extrato da sua Prancha (ou Balaústre) n.º 67, relativa aos trabalhos da sessão da Loja de 18 de setembro de 1835, que transcrevo sem qualquer edição, tal qual a descobri num artigo do Coronel de Engenharia Hiram Reis e Silva, professor do Colégio Militar de Porto Alegre, publicado em 7 de novembro de 2008, no jornal eletrónico Última Hora News:

Aos 18 dias do mês de setembro do ano de 1835 da E:.V:. e 5835 da V:.L:. reunidos em sua sede, sito a Rua da Igreja, Nº 67, em um lugar Claríssimo, Forte e Terrível aos tiranos, situado debaixo da abóbada Celeste do Zenith aos 30º e 5´ de Latitude da América Brasileira, ao Vale de Porto Alegre, Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, nas dependências do Gabinete de Leitura onde funciona a Loj:. Maç:. Philantropia e Liberdade, com o fim de especificadamente traçarem as metas finais para o início do movimento revolucionário com que seus integrantes pretendem resgatar os brios, os direitos e a dignidade do povo Riograndense.

A sessão foi aberta pelo Ven:. Mestre Ir:. Bento Gonçalves da Silva. Registre-se a bem da verdade, ainda as presenças dos IIr:. José Mariano de Mattos, Ex Ven:. José Gomes de Vasconcelos Jardim, Pedro Boticário, Vicente da Fontoura, Paulino da Fontoura, Antonio de Souza Neto e Domingos José de Almeida, o qual serviu como Secretário e lavrou a presente ata. Logo de início o Ven:. Mestre depois de tecer breves considerações sobre os motivos da presente reunião de caráter extraordinário, informou a seus pares que o movimento estava prestes a ser desencadeado. A data escolhida é o dia 20 do corrente, isto é, depois de amanhã. Nesta data, todos nós, em nome do Rio Grande do Sul, nos levantaremos em luta contra o imperialismo que reina no País.

Na ocasião, ficou acertada a tomada da Capital da Província pelas tropas dos IIr:. Vasconcellos Jardim e Onofre Pires, que deverão permanecer com seus homens nas imediações da Ponte da Azenha, aguardando o contingente que deverá se deslocar desde a localidade de Pedras Brancas, quando avisados. Tanto Vasconcellos Jardim como Onofre, ao serem informados responderam que estavam a postos aguardando o momento para agirem. Também fez ouvir o nobre Vicente da Fontoura que sugeriu o máximo de cuidado, pois certamente, o Presidente Braga seria avisado do movimento.

O tronco de Beneficência fez a sua circulação e rendeu a moeda cunhada de 421$000 contados pelo Ir:. Tes:. Pedro Boticário.

Por proposição do Ir:. José Mariano de Mattos, o tronco de Beneficência foi destinado à compra de uma Carta de Alforria, de um escravo de meia idade, no valor de 350$000, proposta aceita por unanimidade.

Foi realizada uma poderosa Cadeia de União, que pela justiça e grandeza da causa, pois em nome do povo Riograndense lutariam pela Liberdade, Igualdade e Humanidade, pediam a força e a proteção do G:.A:.D:.U:. para todos os Ir:. e seus companheiros que iriam participar das contendas.

Já eram altas horas da madrugada quando os trabalhos foram encerrados, afirmando o Ven:. Mestre que todos deveriam confiar nas LL:.do G:.A:.D:.U:. e como ninguém mais quisesse fazer uso da palavra, foram encerrados os trabalhos, do que, eu Domingos José de Almeida, Secretário, tracei o presente Balaústre, a fim de que, a história através dos tempos, possa registrar que um grupo de Maçons Homens Livres e de Bons Costumes, empenhou-se com o risco da própria vida, em restabelecer o reconhecimento dos direitos desta abençoada terra, berço de grandes homens, localizada no extremo sul de nossa querida Pátria.

Oriente de Porto Alegre, aos dezoito dias do mês de setembro de 1835 (E:.V:.)

18º dia do sexto mês Tirsi da V:.L:. ano de 5835.

Assinado: Ir:. Domingos José de Almeida - Secretário

Uma última nota é de fazer ressaltar: mesmo preparando uma revolução, com todas as incertezas e riscos inerentes, aquela Loja não deixou de destinar uma muito grande parte do produto do Tronco de Beneficência talvez ao mais meritório dos destinos que, na época e no lugar, podia ser destinado: à libertação de um escravo! Não há grande nem pequena liberdade. Há simplesmente Liberdade. Aqueles maçons decidiram lutar contra a tirania e em prol da Liberdade. Mas não olvidaram o dever de zelar pela libertação de quem era ainda menos dotado de liberdade do que eles: um escravo. Enquanto não era possível acabar com a escravatura, os maçons daquela Loja faziam o que era possível: acabar com ela... um a a um. O que nos deixa uma lição: por muito impossível que pareça uma empresa, por muito difícil que seja afrontar o que parece não se conseguir derrotar, é sempre possível algo fazer. Muitos poucos acabam por fazer muito!

Rui Bandeira

26 novembro 2008

O porquê do Acordo Ortográfico no blogue

Termino com este texto, ao menos por ora, uma longa série de textos dedicados ao Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990. Faço-o em jeito de balanço e de justificação. Sei - nunca disso duvidei! - que alguns (muitos? todos?) dos habituais visitantes deste blogue algumas das vezes, se não em todas, em que depararam com textos sobre o dito Acordo Ortográfico tiveram alguns pensamentos de impaciência: este blogue é essencialmente dedicado a desenvolver o tema da maçonaria, que cabimento tem estar aqui a divulgar e comentar esta coisa do Acordo Ortográfico? Pelo menos um obreiro da Loja Mestre Affonso Domingues manifestou-me essa impaciência, esse desencanto, a sua discordância.

Bem ciente estava do risco que corria. Além do mais, o tema é árido. E dedicar mais de duas dezenas de textos a esse árido tema foi, talvez, abusar da paciência de quem se habituou a visitar este blogue. Foram três meses, de setembro a novembro, em que, em todas as semanas, havia um texto sobre esta "seca", algumas semanas dois. Garanto-vos: também para mim o tema Acordo Ortográfico não é nada apelativo... Se vos serve de consolo, foi tão secante preparar e publicar os textos como lê-los (ou passar por cima deles sem os ler...).

Mas quem pensou que divulgar, comentar, publicar, o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 não tem nada a ver com Maçonaria, pense outra vez e pense melhor!

Maçonaria não é só tratar de coisas espirituais. Maçonaria não é só lidar obscuramente com uma linguagem simbólica como meio de extrair, absorver, princípios éticos, desenvolvimentos morais, lustre espiritual. Maçonaria é, antes de tudo, acima de tudo, contra tudo, o APERFEIÇOAMENTO DO HOMEM. Em todas as suas vertentes. O Homem inteiro não é só espírito, como não é só matéria. É ambos. A Maçonaria não se destina a anular, destruir, a parte material, animal, comezinha, do Homem. Esta é tão inerente a nós como as mais nobres caraterísticas do nosso espírito. A maçonaria ajuda o Homem a dominar as suas paixões. Não a destruí-las, não a anulá-las. Isso não seria humano, não seria natural. E as regras da Natureza são as que são, assim foram instituídas pelo Criador, grossa prosápia seria presumir que se pode alterá-las!

A Maçonaria, na sua forma e prática atuais, conformou-se no século XVIII, a partir dos princípios do Iluminismo. Não postula que o maçon se esgote em esotéricos pensamentos sobre os mais recônditos resquícios do seu espírito e os mais etéreos níveis a que desejará elevá-los. Isso também - com conta, peso e medida - tem lugar, mas a Maçonaria é essencialmente um método de aperfeiçoamento do Homem Inteiro. E uma das formas por que se manifesta esse propósito é pela aquisição e aprofundamento de conhecimentos. A ideia não é fazer de brutos incultos e ignorantes especialistas em espiritualidades etéreas. A ideia é precisamente mostrar, praticar, que a Ciência e a Espiritualidade não são opostas, mas complementares. O maçon deve trabalhar no seu aperfeiçoamento moral e espiritual, mas simultaneamente deve também melhorar, elevar-se, aprender, na vertente do conhecimento das Artes e das Ciências.

Também para o maçon - diria que principalmente para o maçon! - o saber não ocupa lugar. Mais: é pelo hábito de saber, de estudar, de aprender, que o maçon também se aperfeiçoa, cresce, é mais homem e, sendo-o, se aproxima do ideal digno da sua natureza.

Uma das tarefas que se pede aos maçons é que produzam trabalhos e os apresentem aos seus irmãos. Para que aprendam e ensinem. E, todos juntos, um pouco todos melhorem. Esses trabalhos não devem ser apenas sobre simbologia, espiritualidade, etéreos temas. Devem ser também sobre conhecimento, puro e simples, puro e duro. Cultura geral. Divulgação. Estudo. Saber. Porque o maçon cultiva-se, também como forma de se aperfeiçoar. De resto, um período específico da formação do maçon é dedicado ao estudo de si próprio, das Artes e das Ciências.

Imaginemos um homem que se dedicava a exercitar, a muscular, a desenvolver, apenas o braço direito. Possivelmente lograria vir a ter um desenvolvidíssimo bíceps direito, um forte antebraço direito, uma mãozorra direita, tudo amplamente desenvolvido. Mas continuaria a ser um lingrinhas atrofiado no braço esquerdo e no resto do seu corpo... Melhoraria? Estaria mais perfeito? Não! Pelo contrário, estaria desequilibrado e com um aspeto antinatural. Seria pior a emenda que o soneto. Porque não se teria cuidado do desenvolvimento, do exercício, da melhoria HARMONIOSA de todo o corpo e ter-se-ia, ao contrário, criado uma aberração, um lingrinhas sobremusculado num, e só num, braço...

A mesma coisa sucederia se o maçon apenas cuidasse do seu espírito, dos seus princípios morais, das suas crenças religiosas, descurando a manutenção e aperfeiçoamento dos conhecimentos científicos e sociais. Seria melhor? Estaria mais perfeito? Não! Seria apenas um bruto ignorante armado em beato...

A Sociedade moderna, pelas suas exigências, pela sua competitividade, dá muita atenção à aquisição de conhecimentos técnicos e científicos. Daí que seja natural que os maçons alertem para a necessidade de contrabalançar com o cuidado com os valores morais e espirituais, para que o desenvolvimento do homem seja harmonioso, total, equilibrado. Mas, quando o maçon depara com tema ou assunto que desconhece, ou conhece mal, pode e deve buscar melhorar o seu conhecimento sobre ele e partilhá-lo com seus irmãos.

Não se pede que os maçons sejam especialistas de tudo. Aliás, a ideia não é que um maçon, quando elabora e apresenta trabalhos em Loja, debite amplos, extensos, profundos conhecimentos especializados. A loja maçónica não é propriamente o local adequado para se debater as dificuldades técnicas da escolha, combinação e aproveitamento dos combustíveis adequados à propulsão de nave interplanetária, tendo em conta as necessidades de aprovisionamento, velocidade pura prolongada e manobrabilidade da nave propulsada... A ideia é o maçon dedicar-se a estudar algo que não saiba, ou não saiba convenientemente, e com isso aprenda algo e partilhe o que aprendeu com os demais. Também!

E não se estudam só temas agradáveis. Os áridos também estão diante de nós para que também sobe eles aprendamos um pouco.

Por isso entendi que era útil estudar o que era o Acordo Ortográfico, as mudanças que trazia, como se devia passar a escrever. E decidi partilhá-lo com todos os que por este blogue passam. Em conjunto e em simultâneo com as minhas habituais considerações sobre temas mais estritamente (tradicionalmente?) maçónicos. No fundo, como diz o Povo, nem sempre sardinha, nem sempre galinha...

Ou seja, quero eu dizer cá no meu estilo arrevesado que aprender e divulgar como se deve corretamente escrever é tão maçónico, tão útil, tão indispensável, para a prossecução do objetivo de aperfeiçoamento buscado pelo maçon como perorar, especular, sobre o mais profundo tema esotérico. Por isso decidi assumir o risco de vos enfastiar com a publicação de 21 Bases mediocremente comentadas e mais uma resenha das principais alterações resultantes do Acordo Ortográfico.

O que não quer dizer que não seja com algum alívio que ponha ponto final no assunto...

Rui Bandeira

25 novembro 2008

"Novas do interior da terra"

Saindo do meu buraco, onde de facto ando escondido não por medo do que quer que seja mas por necessidade de isolamento para prosseguir com o meu novo projecto profissional, venho aqui falar de duas ou tres coisas que vos deixarão de agua na boca.

Pois eu sou assim !!

Em 12 de agosto ( com letra minuscula depois de ler os artigos do acordo ortográfico) deste ano anunciei a versão beta do http://www.rlmad.net/ hoje venho cá dar novas dele, mas sobretudo do que nele existe e que só está ao alcance de um punhado de pessoas.

Desde agosto até hoje o site foi sendo desenvolvido pelo A.Jorge de forma fantástica. A Loja como entidade responsável tratou de aprovar uma politica editorial para o mesmo, criando para tal um regulamento de utilização do site e nele definindo a politica de acessos.

Como não sou muito mau, quero chamar a vossa atenção para um documento notável publicado recentemente no http://www.rlmad.net pelo Irmão Alexis Botkine ( e escrevo o seu nome completo porque ele deu autorização para tal afirmando " estou orgulhoso de ser Maçon"). Este documento lido em Loja em 1999 ( fará 10 anos em janeiro) é uma resenha do que foi o trabalho da Maçonaria Internacional para trazer a Regularidade para Portugal e o empenho do Alexis neste movimento.

Digo eu - é com orgulho que afirmo que sou da mesma loja do Alexis. Aprendi com ele, nao por ensinamento directo mas por ouvir ( e manter-me em silencio mesmo depois de ser Mestre, mesmo depois de ter sido Veneravel, mesmo depois de ter sido inumeras vezes Grande Oficial) o mester de Organista.

Ouvi-o durante mais de 10 anos, com atenção.

Por isso quando a Loja decidiu em Setembro deste ano prestar-lhe justa homenagem foi com grande alegria que suportei essa inciativa e que consistiu em torna-lo Antigo Veneravel Mestre de Honra da Loja Mestre Affonso Domingues. Cerimónia feita a dois tempos e à qual o MR Grão-Mestre Mario Martin Guia fez questão de se associar agraciando o Alexis com mais uma distinção honorifica concedida pela Grande Loja e sendo ele Grão Mestre a conduzir os trabalhos para dessa forma prestar ainda maior homenagem a quem de pleno direito a mereceu.

Passando à parte da inveja, a que vos vou causar.

Na zona restrita do site, estão a ser paulatinamente colocadas pranchas apresentadas em Loja ao longo destes 18 anos, sendo recuperadas dos nossos arquivos e disponibilizadas para leitura. Felizes nós os que temos acesso a preciosidades. Textos de qualidade inegável que voltam a ver a luz do dia e a terem o que merecem, serem lidos.

Tenho consciencia que o trabalho é duro e que ainda nao vai sequer a meio, mas o resultado é fantástico e permite (-me) ter o gozo de ler o que havia ouvido, ou mesmo ler pela primeira vez o que nao havia ouvido.

Quando vamos vivendo a Loja, não temos ( eu pelo menos) a noção do acervo que vai sendo criado, da qualidade de trabalho produzido. Com esta publicação é quase surpreendente.

Ler pranchas de aprendiz escritas por Irmãos que hoje já são antigos Veneraveis permite ver que o percurso que seguiram era mesmo esse e não outro e que quando no passado foram aposta para um dia vir a dirigir a Loja, era porque de facto era esse o designio.

Fiquem com a inveja de não poderem partilhar estas pérolas, mas leiam as pranchas publicas que aí encontrarão já muita qualidade. E quem sabe se um dia estes Irmãos que hoje pretendem ficar na reserva de identidade passam a poder /querer aparecer publicamente e aí os seus trabalhos também possam ser do dominio publico.


José Ruah

24 novembro 2008

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 - Resumo das alterações

Estando publicadas no blogue as 21 Bases do Acordo Ortográfico, comentadas, julgo útil deixar agora um resumo das principais alterações resultantes do mesmo, em relação às normas de escrita antecedentes.

Alterações em todos os países

- Supressão do acento em palavras paroxítonas (graves) com o ditongo "oi" : boia, joia, heroico, asteroide.

- Supressão do acento anteriormente existente para distinção de outras palavras: "para lá com isso", "o pelo do cão", "o polo norte", "comer uma pera".

- Supressão do acento na terceira pessoa do plural em diversos tempos dos verbos "dar", ver e "ler": "deem", "veem", "leem"

-Eliminação de hífen em várias palavras compostas, em que o segundo elemento começa por "r" ou "s" (dobrando a consoante) ou por vogal diferente de vogal final do primeiro elemento: "minissaia", "contrarregra", "antissemita", "antirreligioso", "extraescolar".

- Eliminação de hífen nas formas monossilábicas do verbo "haver" seguidas de "de": "hei de", "hás de", há de", hão de".

- Utilização de hífen nas palavras compostas em que o primeiro elemento termina na mesma vogal com que se inicia o segundo: "arqui-inimigo", micro-ondas".

Alterações no Brasil, unificando com a norma já usada em Portugal e restantes países lusófonos

- Supressão do trema (¨): "linguiça", "sequência", "frequência", "pinguim", "cinquenta".

- Eliminação dos acentos nas palavras terminadas em "eia" e "oo": "assembleia", "ideia", "europeia", "voo", "abençoo", "enjoo".

Alterações em Portugal e restantes países lusófonos, unificando com a norma já usada no Brasil

-
Eliminação das consoantes mudas: "ação", "acionar", "abstração", abstrato", "ato", "atual", "ativar", "adjetivo", "adotar", "afetivo", antártico", "Antártida", "Ártico", "arquiteto", "atração", "atrativo", "bissetriz", "coleção", "contração", "correção", "correto", "dejeção", "descontração", "dialeto", "didático", "direção", "direcionar", "direto", "diretor", "efetivo", "efetuar", "Egito", "elétrico", eletrónico", "espetáculo", "estupefação", "exato", "exceção", "exceto", "extrato", "fatura", "fração", "fratura", "injeção", "inspetor", "letivo", "objeção", "objeto", "ótico", "ótimo", "profilático", "projeto", reação", "redação", "respetivo", "seleção", "subtração", "subjetivo", "teto", "tração", "trajeto".

- Utilização de letra inicial minúscula nos nomes dos meses, estações do ano e pontos cardeais: "janeiro", "fevereiro", "março", i"abril", "maio", "junho", "julho", "agosto", "setembro", "outubro", "novembro", "dezembro", "primavera", "verão", "outono", "inverno", "norte", "sul", "este", "nascente", "oeste", "poente".

Dupla grafia de palavras diferentemente pronunciadas em Portugal e nos restantes países lusófonos e no Brasil

- Palavras em que determinada consoante ou é muda ou é pronunciada: "facto" / "fato", "abjeto" / "abjecto", "adoção" / "adopção", "afeção" / "afecção", "afetar" / "afectar", "afeto" / "afecto", "amígdala" / "amídala", "amnistia" / "anistia", "anticoncecional" / "anticoncepcional", "cato" / "cacto", "conceção" / "concepção", "contraceção" / "contracepção", "receção" / "recepção", "súbdito" / "súdito".

- Variações ao nível da acentuação de "e" e "o": "académico" / "acadêmico", "afónico" / "afônico", "Amazónia" / "Amazônia", "anatómico" / "anatômico", "anónimo" /anônimo", "antimónio" / "antimônio", "antónimo" / "antônimo", "António" / "Antônio", "antropónimo" / "antropônimo", "Arménia" / "Armênia", "arménio" /"armênio", "astrónomo" / "astrônomo", "atómico" / "atômico", "atónito" / "atônoto", "autómato" / "autômato", "autónomo" / "autônomo", "bebé" / "bebê", "binómio" / "binômio", "blasfémia" / "blasfêmia", "Boémia" / "Boêmia", "maçónico" / "maçônico".

Portanto, para tirar alguma dúvida, basta consultar este resumo. Se necessário, a noção mais completa adquire-se através da consulta da Base respetiva do Acordo Ortográfico.

Rui Bandeira

22 novembro 2008

PFFFFffffffffffmmmmmm, apagou-se !

Meus Queridos Irmãos, Amigos, conhecidos e os outros, mais assim ou menos assim... um agradecimento infinito pelos telefonemas, pelas mensagens, por tudo o que significou lembrarem-se de mim.
Quando um Amigo se põe a escrever sobre outro há uma tendência natural para o empolamento, e o Rui não evitou o descuido.
Pior do que isso, foi de propósito !

Outra questão tem a ver com a fotografia do bolo. Não entendo onde ele foi buscar aquilo.
Nota-se claramente que aquele bolo não foi o meu, e mesmo que não goste de chocolate não é razão para inventar coisas destas.


Mas passando estas questões de somenos ao Oriente Eterno vamos às importantes, e essas são as muitas mensagens fraternas, amigas, que recebi.

Sempre ouvi dizer que não é possível enganar toda a gente durante todo o tempo. Começo a preocupar-me com as minhas capacidades porque me parece que o GADU me deixou um dote especial para convencer "o próximo" de que sou um gajo pachola.
São capacidades... e Vocês, se só conseguem ser honestos, desistam ! Não vão longe.
Se não conseguem enganar ninguém, então o que é andam para aí a fazer ?
Montem um banco... Façam-se presidentes de um clube de futebol... Concorram à Câmara de Felgueiras... ... ... Fiquem espertos...

Vejam o meu exemplo, ainda não cheguei a nada disso e mesmo assim "é só abraços e beijinhos..." Ainda estou "teso que nem um carapau" e já consegui enganar uma data deles ! Quando fôr rico... áh, áh, vai ser o bom e o bonito. Hei-de enganar muitos mais, e não é gente assim pobretana, ranhosa, como Vocês, há-de ser gente da grande, da boa, Presidente da Junta para cima !
Ainda vão ouvir falar de mim! Ponto final nesta brincadeira.

Agora tenho que pôr o meu ar sério para aproveitar uma dica sobre o tema de um texto de há dias atrás, (Mau-gosto) que o Rui "postou", de alguma forma com o sentido de acertar a hora a algum espírito atrasado que anda por aí.

Tal como o Rui também não conheço Paulo Teixeira Pinto pessoalmente. Por várias vezes estivemos muito próximo, nunca falamos porque nunca foi necessário nem se proporcionou a ocasião, mas sempre fiquei com a imagem de uma pessoa muito afável, de porte extremamente educado e cordial.
O facto de saber que pertencia à "Opus Dei" nunca me causou confusão na apreciação que humanamente fazia dele. Digamos que era daqueles casos que às vzes me leva a pensar... "olha que pena... andar metido naquilo", mas isso francamente não pode e não tem na realidade qualquer significado porque hoje há de certeza vários que pensarão exatamente o mesmo de mim e eu cá estou bem, obrigado. A razão é outra, mas a conclusão idêntica.

Acontece que ainda há bem pouco tempo estive junto de PTP. Fui convidado para assistir no passado dia 11 ao lançamento de um livro (Jacarandá e Mulemba) da autoria de António Costa Silva e de Nicolau Santos (o do Expresso) e lá encontrei PTP, atualmente responsável pela Editora da obra. Independentemente da apreciação política, religiosa, comportamental que se possa fazer a alguém, a dimensão humana tem que estar acima de todas as outras apreciações, justas ou não.
E o que me aparece agora, em PTP, é alguém com uma dimensão humana muito acima da média que anda por aí.

A frase que feriu a sensibilidade do Rui, é perfeita. Define claramente o autor, confessadamente "companheirão" de Jardim Gonçalves que como é conhecido publicamente, é "santinho" capaz de milagres. Pelo menos o de multiplicar o dinheiro para o filho estoirar. E como tenho mau feitio apetece-me comentar: - Ainda bem que está na Opus Dei. É o sítio certo. Deixe-se ficar que está bem. E para amigo... ... ... bom tenho a certeza que este não foi um dos que me telefonou !!!

JPSetúbal



21 novembro 2008

Hoje a história é...

Hoje a história é outra!

Ele é o reformado mais ocupado que conheço.

Também é uma das pessoas mais bem-dispostas com que lido. E das mais sensatas. E das mais prestáveis.

Conheci-o na Loja, quando um dia se apresentou para ser iniciado. Tenho o gosto e a honra de hoje o pode considerar um bom Amigo.

Foi um dos fundadores do A Partir Pedra. Aliás, se não fosse ele, porventura hoje não existiria A Partir Pedra... Porque ele foi quem passou da conversa ao ato e registou o blogue e introduziu o primeiro texto e... depois foi só prosseguir!

Ele é o JPSetúbal e completa hoje 68 anos.

Não parece. Parece mais novo. E tem um espírito jovem, de fazer inveja a muitos com muito menos anos no bilhete de identidade. Dono de uma curiosidade inteletual apreciável, contagia quem com ele priva.

Hoje a história é de regozijo e de parabéns ao JPSetúbal. Feliz aniversário!

Rui Bandeira

20 novembro 2008

Cooperação Maçonaria - Igreja Católica: um bom exemplo

Li, já há alguns dias, no jornal on line Página 20, de Rio Branco, Brasil, uma notícia que entendo merecer comentário. Não interessa particularmente a sua atualidade - por isso a guardei e reservei para oportuna referência mais tarde -, mas sim o significado do que nela se relata.

Em síntese, refere a notícia em causa que a loja maçónica Fraternidade e Trabalho, de Sena Madureira, Estado do Acre, Brasil, efetuou um donativo destinado à construção de uma área de lazer para os internados na Fazenda Esperança, uma instituição de recuperação de toxicodependentes da mesma cidade.

Assim resumida, esta notícia não tem nada de especial: a disponibilização de meios para entidades de apoio social é uma maneira corrente e habitual de os maçons exercerem o seu dever de solidariedade. O que me chamou a atenção foram dois aspetos constantes no desenvolvimento da notícia.

O primeiro é que a Fazenda Esperança é uma instituição de recuperação de toxicodependentes administrada pela Igreja Católica de Sena Madureira e a cerimónia de assinatura do protocolo celebrado entre as duas instituições, para a construção da dita área de lazer, contou com a presença do pároco local.

Quando ainda se tem presente o pretenso conflito entre Maçonaria e Igreja Católica, com decisões papais e da Congregação para a Doutrina da Fé, é reconfortante saber-se que, a nível local, elementos das duas instituições sabem cooperar na ajuda a quem necessita. O que vem relatado nesta notícia é um bom exemplo de como Maçonaria e e Religião Católica (ou qualquer outra) não são incompatíveis, nem as instituições respetivas se devem comportar como adversárias ou oponentes. Cada uma das instituições tem o seu múnus, não deve interferir negativamente com a outra e, pelo contrário, a sua cooperação em benefício de quem necessita dos esforços de ação social de uma e outra só dignificam ambas.

O segundo aspeto que me chamou a atenção foi a destacada referência que é feita na notícia à importância na celebração da parceria que teve a intervenção do juiz da comarca, maçon e coordenador local da comissão de finanças para as obras sociais da maçonaria.

Magistratura, Igreja, Maçonaria, todos cooperando em favor de quem necessita! Que o bom exemplo frutifique!

Rui Bandeira

19 novembro 2008

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 - Base XXI


BASE XXI

DAS ASSINATURAS E FIRMAS

Para ressalva de direitos, cada qual poderá manter a escrita que, por costume ou registo legal, adote na assinatura do seu nome.

Com o mesmo fim, pode manter-se a grafia original de quaisquer firmas comerciais, nomes de sociedades, marcas e títulos que estejam inscritos em registo público.

Esta é a última base do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990. Define o princípio da aceitação da imutabilidade de nomes próprios, de pessoas singulares e coletivas, marcas e títulos.

Mas note-se que não obriga à manutenção. O interessado pode continuar a escrever o seu nome, ou o da sua empresa ou marca como sempre escreveu. Mas também pode, se assim o entender, passar a escrevê-los segundo as regras agora em vigor. Ou seja, nos nomes próprios e apelidos e nas designações de empresas, marcas e títulos tem-se direito à manutenção. E tem-se o direito de usar esse direito ou dele abdicar...

Rui Bandeira

18 novembro 2008

Mau-gosto

O texto de hoje não tem nada a ver com Maçonaria. Ou, se calhar, bem vistas as coisas, até tem. Pelo menos com a forma como os princípios maçónicos nos levam a ver e ajuizar as situações.

Li ontem na revista Visão (sai à quinta-feira, mas com esta coisa de trabalhar, escrever no blogue e não ser um completo estranho para a família só consigo ler aos bocadinhos e cada exemplar dá-me para uma semana...) um artigo sobre os reveses e infortúnios que recentemente Paulo Teixeira Pinto tem tido na sua vida privada. Já de si, não é um assunto que me pareça que deva ser objeto do interesse de um órgão de informação de referência. Que os tablóides metam o nariz na vida privada das figuras públicas, já estamos infelizmente habituados. Que a imprensa considerada séria vá pelos mesmos caminhos é um acrescido motivo de desagrado. Mas, enfim, ser figura pública tem destes inconvenientes. E Paulo Teixeira Pinto é, incontestavelmente, uma figura pública em Portugal. Foi Secretário de Estado, foi Presidente da Comissão Executiva do maior banco privado português, esteve envolvido na luta pelo controlo da gestão desse banco, enfim, colocou-se sob as luzes dos projetores da opinião pública (ou da publicada, o que não é bem a mesma coisa...). Por outro lado, ele próprio deu informações sobre opções da sua vida, que, de algum modo, contribuíram para moldar a imagem que dele o público tem.

Entre essas informações que ele próprio deu ou permitiu que fossem tornadas públicas e confirmou, estão os factos de, durante um apreciável número de anos, ter sido um membro supranumerário da Opus Dei e de ter, recentemente, cessado essa ligação.

O artigo da Visão aponta uma sucessão de factos ocorrida depois da saída de Paulo Teixeira Pinto da Opus Dei que parece justificar o título do artigo, O homem a quem tudo acontece: saiu da presidência do maior banco privado português, sofre de uma doença neurológica degenerativa que obviamente lhe é penosa, divorciou-se há pouco tempo, terminando um casamento de 25 anos e, para cúmulo, muito recentemente morreu subitamente o seu filho primogénito, jovem de 22 anos. Realmente uma sucessão de eventos e infortúnios que não podem deixar de fazer mossa ao mais pintado...

Ao desagradável de sofrer essa sucessão de infortúnios, soma-se a exposição dos mesmos (à exceção da sua saída do banco, tudo situações estritamente da sua vida privada) ao comentário público. Já de si é mau.

Agora o que francamente me chocou, me indignou, foi uma específica passagem do artigo em que a jornalista dá conta de uma frase sobre ele proferida por um alegado seu amigo, segundo o juízo da jornalista sem encerrar qualquer ironia: "O ano de 2008 é o seu annus horribilis. Não sei se o Altíssimo quer castigá-lo por ter saído da Opus Dei."

Francamente! Que mau-gosto! Com amigos destes, Paulo Teixeira Pinto não precisa de inimigos! Bem sei que o disparate não paga imposto, mas disparates com a insensibilidade deste, sobretudo, fazem-me desejar que passe a pagar!

Paulo Teixeira Pinto (que não conheço, note-se) é, manifestamente, um crente, um homem para quem a sua religião é importante. Só assim se compreende a sua ligação à Opus Dei. E, aliás, a sua saída dessa organização não é por ele justificada com perda de fé, pelo contrário, apenas por ter chegado á conclusão de que não deveria viver essa sua fé com os constrangimentos e regras impostos por essa organização. Um suposto amigo dizer a uma jornalista que admite que Deus esteja a castigá-lo pela sua decisão de abandonar a Opus Dei é de uma insensibilidade completa, indigna da pretensa amizade!

E claro que é um disparate do tamanho de um comboio! Não apenas por presumir que o Criador não tem mais do que fazer do que criar infortúnios na vida de um homem que decidiu abandonar uma organização humana. Mas também pela conceção do Criador que espelha, que é tudo menos lisongeira, variando entre o dono de escravos que decide infernizar a vida do servo que abandonou o lado da fazenda que devia amanhar, o titereiro que move as marionetas a seu bel-prazer, o ente vingativo que pune com mil penas quem lhe caiu em desgraça...

Disparate, disparate, disparate! Esta conceção do Altíssimo como Divindade a temer já era!

Ou talvez se tratasse da passagem de uma subliminar mensagem: quem deixar a Obra verá a sua vida a andar para trás. Ou talvez fosse a subliminar identificação da Obra com Deus. Ou talvez não fosse apenas uma frase infeliz e mal pensada e, pelo contrário, tenha sido pensada e querida, para ter efeitos exemplares... Se assim foi, passa da categoria do mau-gosto para a do nojo, puro e simples.

Paulo Teixeira Pinto tem de beber o cálice amargo dos infortúnios que a roda da vida lhe reservou para esta fase da sua vida. E que hão de passar, quando a roda rodar. Não precisa ainda por cima de ser objeto de pseudo-boutades, meros soundbites, deste género. Que só revelam intolerância.

Não me interpretem mal. Não estou a criticar a Opus Dei. Aliás, eu não alinho na pretensa rivalidade entre esta organização e a Maçonaria, que acho que não tem qualquer razão de ser. Cada instituição no seu campo e não me incomodes a mim, que eu não te incomodo a ti. Apenas entendo que cada um é livre de procurar o seu caminho onde se sentir melhor. E de sair de onde entrou, se assim o entender. Não é proibido. Não é... pecado! E não merece que um qualquer, ainda por cima dizendo-se amigo, profira enormidades deste jaez.

Procuro cultivar a tolerância. Mas confesso que o meu nível de tolerância para o disparate grosseiro e o mau-gosto é muito baixo. Porque distingo muito bem entre a tolerância, que deve ser praticada, e a indiferença, que é a antecâmara da insensibilidade.

Pronto! Já desabafei!

Rui Bandeira

17 novembro 2008

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 - Base XX


BASE XX

DA DIVISÃO SILÁBICA

A divisão silábica, que em regra se faz pela soletração (a-ba-de, bru-ma, ca-cho, lha-no, ma-lha, ma-nha, má-xi-mo, ó-xi-do, ro-xo, te-me-se), e na qual, por isso, se não tem de atender aos elementos constitutivos dos vocábulos segundo a etimologia (a-ba-li-e-nar, bi-sa- vó, de-sa-pa-re-cer, di-sú-ri-co, e-xâ-ni-me, hi-pe-ra-cús-ti-co, i-ná-bil, o-ho-vai, su-bo-cu-lar, su-pe-rá-ci-do), obedece a vários preceitos particulares, que rigorosamente cumpre seguir, quando se tem de fazer em fim de linha, mediante o emprego do hífen, a partição de uma palavra:

1º) São indivisíveis no interior de palavra, tal como inicialmente, e formam, portanto, sílaba para a frente as sucessões de duas consoantes que constituem perfeitos grupos, ou sejam (com exceção apenas de vários compostos cujos prefixos terminam em b, ou d: ab- legação, ad- ligar, sub- lunar, etc., em vez de a-blegação, a-dligar, su-blunar, etc.) aquelas sucessões em que a primeira consoante é uma labial, uma velar, uma dental ou uma labiodental e a segunda um l ou um r: a-blução, cele-brar, du-plicação, re-primir; a-clamar, de-creto, de-glutição, re-grado; a-tlético, cáte-dra, períme-tro; a-fluir, a-fricano, ne-vrose.

2º) São divisíveis no interior da palavra as sucessões de duas consoantes que não constituem propriamente grupos e igualmente as sucessões de m ou n, com valor de anasalidade, e uma consoante: ab-dicar, Ed-gordo, op-tar, sub-por, ab-soluto, ad-jetivo, af-ta, bet-samita, íp-silon, ob-viar; des-cer, dis-ciplina, flores-cer, nas-cer, res-cisão; ac-ne, ad-mirável, Daf-ne, diafrag-ma, drac-ma, ét-nico, rit-mo, sub-meter, am-nésico, interam-nense; bir-reme, cor-roer, pror-rogar; as-segurar, bis-secular, sos- segar; bissex-to, contex-to, ex-citar, atroz-mente, capaz-mente, infeliz-mente; am-bição, desen-ganar, en-xame, man-chu, Mân-lio, etc.

3º) As sucessões de mais de duas consoantes ou de m ou n, com o valor de nasalidade, e duas ou mais consoantes são divisíveis por um de dois meios: se nelas entra um dos grupos que são indivisíveis (de acordo com o preceito 1º), esse grupo forma sílaba para diante, ficando a consoante ou consoantes que o precedem ligadas à sílaba anterior; se nelas não entra nenhum desses grupos, a divisão dá-se sempre antes da última consoante. Exemplos dos dois casos: cam-braia, ec-tlipse, em-blema, ex-plicar, in-cluir, ins-crição, subs-crever, trans-gredir; abs-tenção, disp-neia, inters-telar, lamb-dacismo, sols-ticial, Terp-sícore, tungs-tênio.

4º) As vogais consecutivas que não pertencem a ditongos decrescentes (as que pertencem a ditongos deste tipo nunca se separam: ai-roso, cadei-ra, insti-tui, ora-ção, sacris-tães, traves-sões) podem, se a primeira delas não é u precedido de g ou q, e mesmo que sejam iguais, separar-se na escrita: ala-úde, áre-as, co-apeba, co-ordenar, do-er, flu-idez, perdo-as, vo-os. O mesmo se aplica aos casos de contiguidade de ditongos, iguais ou diferentes, ou de ditongos e vogais: cai-ais, cai-eis, ensai-os, flu-iu.

5º) Os digramas gu e qu, em que o u se não pronuncia, nunca se separam da vogal ou ditongo imediato (ne-gue, ne-guei; pe-que, pe-quei, do mesmo modo que as combinações gu e qu em que o u se pronuncia: á-gua, ambí-guo, averi-gueis; longín-quos, lo-quaz, quais-quer.

6º) Na translineação de uma palavra composta ou de uma combinação de palavras em que há um hífen, ou mais, se a partição coincide com o final de um dos elementos ou membros, deve, por clareza gráfica, repetir-se o hífen no início da linha imediata: ex- -alferes, serená- -los-emos ou serená-los- -emos, vice- -almirante.


Nada é alterado em relação ao anteriormente praticado. Note-se que a regra geral é fácil: a translineação faz-se segundo as sílabas, Tudo o resto na Base são exceções, no seu conjunto de difícil memorização. Por regra, todas as pessoas se recordam que as duplas consoantes se translineiam colocando uma em cada linha (er-rar; pas-sar) e pouco mais. E, hoje em dia, os processadores de texto, com a sua alergia à translineação e a função "justificar", através da qual subtilmente o processador de texto gere os espaços entre as palavras, de forma a que o texto fique direitinho e cada linha terminando no fim de uma palavra, sem translineações, facilitam-nos muito a vida, neste aspeto. Mas é sempre bom saber... E, na dúvida, poder verificar-se a regra. Quando necessário, basta vir aqui ao A Partir Pedra, marcador Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990...

Rui Bandeira

14 novembro 2008

O segredo da felicidade

Mais uma historieta que me foi enviada e que aqui deixo para reflexão de fim-de-semana. Como habitualmente, desconheço o autor do texto, que editei para publicação aqui.

Dona Maria era uma senhora de 92 anos, elegante, bem vestida e penteada.
Estava de mudança para uma casa de repouso pois o marido, com quem vivera 70 anos, havia morrido e ela ficara só...

Depois de esperar pacientemente durante duas horas na sala de entrada do lar, ela deu um lindo sorriso para a empregada que lhe veio dizer que o seu quarto estava pronto.

A caminho da sua nova morada, a empregada ia descrevendo o minúsculo quartinho, inclusive as cortinas de chita floridas que enfeitavam a janela.

- Ah, eu adoro essas cortinas - disse ela com o entusiasmo de uma garotinha que acabou de receber um cachorrinho.


- Mas a senhora ainda nem viu o seu quarto...


- Nem preciso ver - respondeu ela. - Felicidade é algo que se decide por princípio. E eu já decidi que vou adorar! É uma decisão que tomo todos os dias quando acordo. Sabe, eu tenho duas escolhas: posso passar o dia inteiro na cama, contando as dificuldades que tenho em certas partes do meu corpo que não funcionam bem; ou posso levantar-me da cama, agradecendo pelas outras partes que ainda me obedecem. Cada dia é um presente. E enquanto os meus olhos abrirem, vou focalizá-los no novo dia e também nas boas lembranças que eu guardei para esta época da vida. Portanto, aconselho sempre todos a depositar um monte de alegria e felicidade na sua Conta de Lembranças. A velhice é como uma conta bancária: só se retira aquilo que se guardou. E como vê, eu ainda continuo a depositar...

É mais uma variante da imagem do copo meio cheio ou meio vazio...

Mas a postura ilustrada por esta historieta ajuda, efetivamente, a retirar da vida o melhor que dela pode e deve, em cada momento, ser retirado. Claro que a todos surgem problemas. Diariamente, todos nós temos problemas a resolver, uns maiores, outros de menor dimensão, uns inesperados, outros corriqueiros, uns de resolução rápida, outros exigindo maiores esforços. Não é boa ideia resignarmo-nos perante os problemas que nos surgem, refugiarmo-nos em pretensa incapacidade de com eles lidar, enfiar a cabeça na areia, na vã esperança de que os problemas e dificuldades desapareçam, como que por magia ou graças a feliz acaso. Aliás, se pensarmos bem, a vida sem problemas, seria porventura serena - mas rapidamente se tornaria numa insuportável monotonia...

São os nossos esforços para nos superarmos e superarmos os problemas que surgem diante de nós que nos fazem crescer e evoluir e ser melhores e mais capazes e mais fortes. Tenhamos isso sempre presente, particularmente em tempos que se dizem de crise - e bem basta a crise que objetivamente parece que existe, sem necessidade que a ampliemos dentro das nossas próprias cabeças. Os tempos vão duros? A solução não é carpir mágoas pela dureza, é trabalhar, lutar e ir avante, para se chegar a águas mais bonançosas. Se decidirmos gostar do nosso quartinho com rendas de chita, não perderemos tempo a lamentar-nos e poderemos esforçar-nos por vir a conseguir um quarto maior e com cortinados de veludo.

Meus caros: este escriba tem tantas dificuldades quantos os demais. Também por estas bandas a crise bate à porta, as receitas escasseiam, os encargos aumentam e os esforços para conseguir cumprir os compromissos têm de ser maiores e mais cuidados. Mas nenhuma solução eu obteria com o lamento, a desistência, a impotência. O meu testemunho é que os maus momentos são para serem vividos, de forma a mais bem apreciarmos os bons; são para serem ultrapassados, de forma a que mereçamos gozar os bons; são para serem recordados, não como infortúnios, mas como vitórias, vitórias que sobre eles conseguimos, sobretudo vitórias sobre nós próprios. E assim aumentamos o nosso saldo na nossa Conta de Lembranças...

Vivamos os maus momentos como simples meios e passagens para os bons momentos; desfrutemos destes merecidamente, não por nos terem caído no colo por acaso ou fortuna.

Rui Bandeira

13 novembro 2008

Grão-Mestre da GLLP/GLRP nas XI Jornadas Históricas de Seia


O Arquivo Municipal de Seia leva a cabo, amanhã, 14 e sábado, 15 de Novembro, no Auditório do Centro de Interpretação da Serra da Estrela as XI Jornadas Históricas de Seia, dedicadas ao tema Maçonaria, Sociedade e Política: uma visão histórica.

Amanhã, 14, o Muito respeitável Grão-Mestre da GLLP/GLRP, Irmão Mário Martin Guia, participará numa mesa-redonda, que encerrará os trabalhos do dia, tratando o tema Maçonaria Regular. Na mesma mesa-redonda, participarão também António Reis, Grão-Mestre do GOL, que dissertará sobre Maçonaria do Grande Oriente Lusitano e Feliciana Ferreira, Grã-Mestra da Grande Loja Feminina de Portugal, que abordará a Maçonaria Feminina.

Será certamente uma mesa-redonda muito interessante!

A participação nas Jornadas Históricas tem um custo de dez euros, podendo as inscrições ser realizadas por telefone – 238 081392 – ou através do e-mail arquivomunicipal@cm-seia.pt.

Rui Bandeira

12 novembro 2008


Barack Obama é mais um dos presidentes norte-americanos com ligações à Maçonaria. O novo presidente dos Estados Unidos da América pertence a uma obediência que se caracteriza por seus membros serem afro-americanos. Conforme relata o jornalista Augusto Freitas de Sousa, pelo menos 15 dos presidentes dos EUA pertenceram ou foram iniciados em lojas maçónicas, inclusive o primeiro presidente, George Washington. Como Obama ainda não se assumiu publicamente, a ligação não foi ainda confirmada pela própria maçonaria.
Caríssimos Manos, leitores, visitantes ou ocasionais...
Vendo esta novidade pelo preço de compra.
Acabei de a apanhar na NET, no sítio do Rádio Clube.
Cá para nós que ninguém nos ouve... espero bem que o W não seja nenhum dos 15 ... !!!
Isto é o meu mau feitio a escrever !
Dia bom para todos.
JPSetúbal

11 novembro 2008

Prémio dardos


Este blogue recebeu o "Prémio dardos". Não é nada de especial. Nem sequer, a bem dizer, se pode considerar prémio. É mais uma brincadeira. Tipo corrente de homenagens.

A coisa funciona assim: um maduro inventa um "prémio", dá-lhe um nome que considera apelativo e cria ou escolhe uma imagem ilustrativa. Depois, inventa as regras e lança a corrente. Segundo me apercebi, o maduro que inventou o "Prémio dardos" decidiu que fossem escolhidos 15 blogues. Mandou-lhes mensagens a dizer que tinham recebido, por decisão do seu júri de um o tal prémio. Ficavam com duas obrigações: uma, a de publicar a imagem do prémio no seu blogue. A outra, escolher os seus 15 blogues preferidos, colocar a sua identificação no blogue e intimá-los a prosseguir com a corrente nos mesmos moldes. Claro que muitos não seguem a brincadeira. Mas sempre há uns quantos que, qual Ola de estádio de futebol, pela piada da coisa lá vão passando a corrente.

Embora, com uma progressão geométrica potencial de base 15 a única admiração seja ter-se um blogue não nomeado, a verdade é que - todos somos humanos! - receber a indicação que se foi nomeado, mesmo para uma brincadeira sem especiais consequências, sempre dá uma massagenzita ao ego...

Portanto, mesmo não sendo nada de especial, aqui registo: um amigo nosso, generoso e com o coração do tamanho do mundo, lembrou-se de nos nomear como um dos seus "Prémios dardo": foi o José Carlos Soares, que mantém o blogue café da esquina. A massagem ao ego sabe ainda melhor por vir de um competente jornalista...

Claro que nós aqui no A partir pedra não alimentamos correntes. Mas, como ficámos com o ego aconchegadinho, sempre ponho lá em cima a imagem inventada para o "prémio".

E não vou dar "prémios" a ninguém. Mas não faz mal nenhum indicar os blogues que acompanho com frequência. Claro que a maioria são de temática maçónica! Não lhes vou mandar mensagem nenhuma, nem transmitir suposto "prémio", mas aqui fica a relação dos meus preferidos:

Blogues de temática maçónica

EM PORTUGUÊS

Blog do maçom

União e prosperidade

Kabbalah e Maçonaria

Dei tagliatori

Grémio Estrela d'Alva

EM FRANCÊS

Blog Maçonnique

Entre les colonnes

EM INGLÊS

Luz do Oriente (Macau) (In installation)

Audi, Vide, Tace

Binyan Habayis

Blogues não maçónicos

Café da esquina

O Profano

Amigos de Aristides e Angelina Sousa Mendes

Lagash

Aqui e agora

E não é que indiquei quinze? Ele há coincidências...

Rui Bandeira

10 novembro 2008

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 - Base XIX

BASE XIX
DAS MINÚSCULAS E MAIÚSCULAS

1 A letra minúscula inicial é usada:

a) Ordinariamente, em todos os vocábulos da língua nos usos correntes.

b) Nos nomes dos dias, meses, estações do ano: segunda-feira; outubro; primavera.

c) Nos bibliónimos/bibliônimos (após o primeiro elemento, que é com maiúscula, os demais vocábulos, podem ser escritos com minúscula, salvo nos nomes próprios nele contidos, tudo em grifo): O Senhor do paço de Ninães, O Senhor do paço de Ninães, Menino de engenho, Árvore e Tambor ou Árvore e tambor.

d) Nos usos de fulano, sicrano, beltrano.

e) Nos pontos cardeais (mas não nas suas abreviaturas): norte, sul (mas: SW sudoeste).

f) Nos axiónimos/axiônimos e hagiónimos/hagiônimos (opcionalmente, neste caso, também com maiúscula): senhor doutor Joaquim da Silva, bacharel Mário Abrantes, o cardeal Bembo; santa Filomena (ou Santa Filomena).

g) Nos nomes que designam domínios do saber, cursos e disciplinas (opcionalmente, também com maiúscula): português (ou Português), matemática (ou Matemática); línguas e literaturas modernas (ou Línguas e Literaturas Modernas).

2 A letra maiúscula inicial é usada:

a) Nos antropónimos/antropônimos, reais ou fictícios: Pedro Marques; Branca de Neve, D. Quixote.

b) Nos topónimos/topônimos, reais ou fictícios: Lisboa, Luanda, Maputo, Rio de Janeiro, Atlântida, Hespéria.

c) Nos nomes de seres antropomorfizados ou mitológicos: Adamastor; Neptuno/ Netuno.

d) Nos nomes que designam instituições: Instituto de Pensões e Aposentadorias da Previdência Social.

e) Nos nomes de festas e festividades: Natal, Páscoa, Ramadão, Todos os Santos.

f) Nos títulos de periódicos, que retêm o itálico: O Primeiro de Janeiro, O Estado de São Paulo (ou S. Paulo).

g) Nos pontos cardeais ou equivalentes, quando empregados absolutamente: Nordeste, por nordeste do Brasil, Norte, por norte de Portugal, Meio-Dia, pelo sul da França ou de outros países, Ocidente, por ocidente europeu, Oriente, por oriente asiático.

h) Em siglas, símbolos ou abreviaturas internacionais ou nacionalmente reguladas com maiúsculas, iniciais ou mediais ou finais ou o todo em maiúsculas: FAO, NATO, ONU; H­2O, Sr., V. Ex.ª.

i) Opcionalmente, em palavras usadas reverencialmente, aulicamente ou hierarquicamente, em início de versos, em categorizações de logradouros públicos: (rua ou Rua da Liberdade, largo ou Largo dos Leões), de templos (igreja ou Igreja do Bonfim, templo ou Templo do Apostolado Positivista), de edifícios (palácio ou Palácio da Cultura, edifício ou Edifício Azevedo Cunha).


Obs.: As disposições sobre os usos das minúsculas e maiúsculas não obstam a que obras especializadas observem regras próprias, provindas de códigos ou normalizações específicas (terminologias antropológica. geológica, bibliológica, botânica, zoológica, etc.), promanadas de entidades científicas ou normalizadoras, reconhecidas internacionalmente.

O uso de maiúsculas / minúsculas sofre algumas alterações em relação ao antecedente, na norma portuguesa.

As estações do ano deixam de ser grafadas com maiúscula.Passamos assim a escrever primavera, verão, outono, inverno.


O mesmo se passa com os meses do ano: janeiro, fevereiro, março, etc., e com os pontos cardeais, quando escritos por extenso (norte, sul, este, oeste). Mas, neste último caso, as abreviaturas são sempre escritas em maiúsculas (N, S, E, O ou W). E, quando designação do ponto cardeal for utilizada em referência a uma região determinada, também se utiliza a maiúscula. Assim, o Nordeste do Brasil e o Norte de Portugal são regiões que, nos respetivos países, se situam nos pontos cardeais nordeste e norte.


Rui Bandeira

07 novembro 2008

Prometido é devido

Há 3 semanas prometi, aqui, que traria para junto de todos a nosso FABULOSA Seleção Nacional ParaOlímpica.

Demorou mais do que eu queria, mas com a autorização da "OdivelasTV" posso hoje "postar" a homenagem que o Presidente da República entendeu prestar à Seleção mais medalhada do país.

Fica para Vosso entretém durante o fim de semana.

video

E já agora... aplaudam também. Eles merecem isso ! Penso mesmo que eles merecem muito mais !!!

JPSetúbal

O pacote de biscoitos

Mais uma historieta para reflexão que recebi por correio eletrónico, de autor que desconheço e que, como habitualmente, adaptei ao meu estilo

Uma jovem estava a espera de seu voo, na sala de embarque de um grande aeroporto. Como deveria esperar várias horas, resolveu comprar um livro para passar o tempo. Comprou também um pacote de biscoitos. Sentou-se numa poltrona, na sala VIP do aeroporto, para poder descansar e ler em paz. Ao lado da poltrona estava uma mesa. do outro lado da mesa, havia outra poltrona, onde se sentou um homem, que abriu uma revista e começou a ler. Na mesa entre as duas poltronas, aberto, estava o saco de biscoitos.

Quando ela pegou no primeiro biscoito, o homem também tirou um. Sentiu-se indignada mas não disse nada. Apenas pensou:

“Mas que atrevido! Se eu estivesse com disposição dava-lhe uma desanda, para que ele nunca mais se esquecesse deste atrevimento!”

A cada biscoito que ela pegava, o homem também tirava um. Aquilo foi-a deixando cada vez mais indignada, mas não conseguia reagir.

Quando restava apenas um biscoito, ela pensou:

“Ah... o que vai esse abusador fazer agora?”

Então, o homem dividiu o último biscoito ao meio, deixando a outra metade para ela. Ah! Aquilo era demais! Ela bufava de raiva!

Então, pegou no livro e no resto das suas coisas e dirigiu-se para a porta de embarque.

Quando se sentou confortavelmente numa cadeira, já no interior do avião, olhou para dentro da bolsa para tirar os óculos. Para sua grande surpresa, viu intacto o pacote de biscoitos que tinha comprado!

Sentiu imensa vergonha! Percebeu que quem estava errada era ela... Tinha-se esquecido que tinha guardado os biscoitos na sua bolsa. O homem tinha dividido os biscoitos dele com ela, sem se sentir indignado, nervoso ou revoltado. Entretanto ela tinha ficado muito transtornada, pensando estar a dividir os biscoitos dela com ele. E já não havia ocasião para se explicar... nem pedir desculpa!


Esta historieta ilustra-nos dois erros que devemos evitar. O primeiro, pensar o pior do próximo, sem suficientes elementos para tal. Tirar conclusões precipitadas e, portanto, ser injusto. O segundo, não esclarecer as questões, não pôr os pontos nos iis quando necessário.

Se a jovem da história não tivesse esquecido onde pusera o saco de biscoitos que adquirira, se não tivesse tirado a precipitada conclusão de que era o parceiro do lado que comia do saco dela, em vez de ser ela a retirar biscoitos do saco dele, não teria motivos para, mais tarde, se sentir envergonhada.

Mas também se tivesse, calmamente, sem necessidade de cenas ou incómodos, pedido explicações ao estranho sobre o que se estava a passar, rapidamente teria ficado esclarecida sobre o seu engano e a situação poderia ter sido ultrapassada, sem motivos para se sentir, posteriormente, envergonhada.

Há ainda, afinal, uma terceira lição. Por muitos erros que cometamos na vida, por vezes também temos a sorte de encontrar pessoas desinteressadas, complacentes e pacientes perante os nossos erros. E, apesar de errados, o nosso erro é tolerado. Reconheçamos isso! Apreciemos essa circunstância! Retribuamos esse facto e sejamos, por nosso lado, também desinteressados, complacentes, pacientes e tolerantes.

É de pequenos gestos, de simples princípios e hábitos que cada um de nós constrói a sua própria felicidade e viabiliza o máximo de felicidade à sua volta.

Rui Bandeira

06 novembro 2008

Da Maçonaria teísta à Maçonaria deísta (II)

A Maçonaria começou por ser como toda a vivência religiosa era na Europa Medieval: teísta. Com o advento da Maçonaria Especulativa e o progressivo controlo das Lojas pelos maçons aceites, não operativos, sob as influências do Iluminismo e do Racionalismo, tal como na sociedade em geral também na Maçonaria aparece o deísmo. Só que em Maçonaria é muito importante a postura do Homem perante o Divino. É essencial. É constituinte do ideário maçónico. O deísmo não se limita a aparecer na Maçonaria. Irrompe. Jorra. Molda-a.

A Maçonaria original, operativa, era essencialmente cristã. Na Europa esse era o pensamento religioso largamente dominante. Para além deste, existia apenas o judaísmo, minoritário e simplesmente tolerado. As vezes, pouco. Nalguns locais (na Península Ibérica, por exemplo), nada.

Todos os textos primitivos maçónicos espelham a doutrina cristã. Mesmo as Constituições de Anderson o mostram. Na redação original dos Landmarks, os princípios enformadores da Maçonaria, não se faz referência a Volume da Lei Sagrada, menciona-se, clara e diretamente, a Holy Bible, a Bíblia Sagrada.

Com o advento do pensamento deísta e a sua inegável influência na Maçonaria, a conceção desta como tributária da religião cristã é substituída por uma muito mais abrangente conceção como tributária da "Religião com a qual todos os homens concordam" (expressão, aliás, já constante nas Constituições de Anderson). Este mais abrangente entendimento inelutavelmente que levou a uma certa descristianização da Maçonaria. Se esta era o ponto de confluência de todos os crentes de todas as religiões, a plataforma mínima de entendimento de todos, a "religião com a qual todos concordam", então não se podia impor aos não-cristãos as preces cristãs, por exemplo.

A Primeira Grande Loja de Londres, instituída em 1717, estabeleceu o princípio deísta na Maçonaria.

Outros maçons, respeitadores da sua tradição, vinda da Maçonaria Operativa, discordaram dessa evolução e constituíram a Grande Loja dos Ancients (Antigos), apelidando os da Grande Loja de Londres de serem, erradamente, no seu ponto de vista, Moderns (Modernos).

Foi da tensão entre estas duas conceções da Maçonaria, uma declaradamente teísta, na esteira operativa, e outra assumidamente deísta, foi dos debates entre uma e outra, que se forjou a Maçonaria Moderna.

A Grande Loja dos Antigos, decisivamente influenciada por Lawrence Dermott, autor da compilação que constituía o conjunto de textos essenciais dos Antigos, o Ahiman Rezon, incluía nos seus rituais uma oração para ser dita pelos cristãos, onde se pedia a Deus, designadamente:
Dote-os (os novos Maçons), com a competência da sua Divina Sabedoria para que eles possam, com os Segredos da Maçonaria ser capazes de entender os Mistérios da Santidade do Cristianismo.

Os Antigos verberavam os Modernos por estes descristianizarem o ritual; os Modernos defendiam a inclusividade da Maçonaria a todos os crentes, qualquer que fosse a sua religião pessoal, qualquer que fosse a sua conceção do Criador.

Com a união das duas Grandes Lojas rivais, em 1813, na Grande Loja Unida de Inglaterra, venceu a conceção deísta da Maçonaria.

Portanto, hoje pode com correção afirmar-se que a Maçonaria é deísta. Deísta, porque, ao abrigo do princípio da assunção do Divino através da Razão, admite no seu seio todos os crentes, não apenas os que originalmente nela eram admitidos (cristãos). Deísta, porque ponto de encontro, denominador comum de todos os crentes, respeitando a crença individual de cada um. Neste sentido, deísta, porque não apenas cristã.

O primeiro judeu iniciado foi-o numa Loja de Londres, em 1732: Edward Rose. Só mais tarde vieram a ser iniciados Muçulmanos e depois seguidores de outras religiões.

Maçonaria deísta é, pois, a Maçonaria hoje correntemente aplicada, que aceita no seu seio crentes de todas as religiões. Não quer isto dizer que renegue a sua origem cristã. Não o faz. Designadamente, mantém, em especial em alguns dos Altos Graus, graus especificamente cristãos. Mas, mesmo esses, um não cristão que a eles queira aceder e não se sinta desconfortável com o ideário cristão neles expresso, pode recebê-los.

Uma última nota: quando se diz que a Maçonaria é deísta, não se pretende dizer, nem se aceita, que se destina exclusivamente a deístas. Porque apenas se exige crença num Criador, sendo despicienda qual é E COMO A ELA SE CHEGOU, na Maçonaria convivem fácil e proveitosamente deístas e teístas. Seja qual for a sua religião.

Também em Maçonaria a evolução se fez do teísmo para o deísmo, numa perspetiva de inclusão, nunca de exclusão. Por isso, a Maçonaria Moderna é deísta, sem prejuízo de ter no seu seio - e muito confortavelmente - muitos teístas. Porque ser, individualmente, teísta, deísta, católico, luterano, anglicano, calvinista, evangélico, judeu, muçulmano, hindu, etc., etc., etc. e ainda etc., desde que crente, é absolutamente indiferente!

Rui Bandeira

05 novembro 2008

Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 - Base XVIII


BASE XVIII

DO APÓSTROFO

1º) São os seguintes os casos de emprego do apóstrofo:

a) Faz-se uso do apóstrofo para cindir graficamente uma contração ou aglutinação vocabular, quando um elemento ou fração respetiva pertence propriamente a um conjunto vocabular distinto: d’Os Lusíadas, d’Os Sertões; n ‘Os Lusíadas, n ‘Os Sertões; pel’ Os Lusíadas, pel’ Os Sertões. Nada obsta, contudo, a que estas escritas sejam substituídas por empregos de preposições íntegras, se o exigir razão especial de clareza, expressividade ou ênfase: de Os Lusíadas, em Os Lusíadas, por Os Lusíadas, etc.

As cisões indicadas são análogas às dissoluções gráficas que se fazem, embora sem emprego do apóstrofo, em combinações da preposição a com palavras pertencentes a conjuntos vocabulares imediatos: a A Relíquia, a Os Lusíadas (exemplos: importância atribuída a A Relíquia; recorro a Os Lusíadas). Em tais casos, como é óbvio, entende-se que a dissolução gráfica nunca impede na leitura a combinação fonética: a A = à, a Os = aos, etc.

b) Pode cindir-se por meio do apóstrofo uma contração ou aglutinação vocabular, quando um elemento ou fração respetiva é forma pronominal e se lhe quer dar realce com o uso de maiúscula: d’Ele, n’Ele, d’Aquele, n’Aquele, d’O, n’O, pel’O, m’O, t’O, lh’O, casos em que a segunda parte, forma masculina, é aplicável a Deus, a Jesus, etc.; d’Ela, n’Ela, d’Aquela, n’Aquela, d’A, n’A, pel’A, tu‘A, t’A, lh’A, casos em que a segunda parte, forma feminina, é aplicável à mãe de Jesus, à Providência, etc. Exemplos frásicos: confiamos n’O que nos salvou; esse milagre revelou-m’O; está n’Ela a nossa esperança; pugnemos pel’A que é nossa padroeira.

À semelhança das cisões indicadas, pode dissolver-se graficamente, posto que sem uso do apóstrofo, uma combinação da preposição a com uma forma pronominal realçada pela maiúscula: a O, a Aquele, a Aquela (entendendo-se que a dissolução gráfica nunca impede na leitura a combinação fonética: a O = ao, a Aquela = àquela, etc.). Exemplos frásicos: a O que tudo pode: a Aquela que nos protege.

c) Emprega-se o apóstrofo nas ligações das formas santo e santa a nomes do hagiológio, quando importa representar a elisão das vogais finais o e a: Sant'Ana, Sant’Iago, etc. É, pois, correto escrever: Calçada de Sant’Ana. Rua de Sant’Ana; culto de Sant’Iago, Ordem de Sant’Iago. Mas, se as ligações deste género, como é o caso destas mesmas Sant’Ana e Sant’Iago, se tornam perfeitas unidades mórficas, aglutinam-se os dois elementos: Fulano de Santana, ilhéu de Santana, Santana de Parnaíba; Fulano de Santiago, ilha de Santiago, Santiago do Cacém. Em paralelo com a grafia Sant’Ana e congéneres, emprega-se também o apóstrofo nas ligações de duas formas antroponímicas, quando é necessário indicar que na primeira se elide um o final: Nun’Álvares, Pedr’Eanes.

Note-se que nos casos referidos as escritas com apóstrofo, indicativas de elisão, não impedem, de modo algum, as escritas sem apóstrofo: Santa Ana, Nuno Álvares, Pedro Álvares, etc.

d) Emprega-se o apóstrofo para assinalar, no interior de certos compostos, a elisão do e da preposição de, em combinação com substantivos: borda-d’água. cobra-d’água, copo-d’água, estrela-d’alva, galinha-d’água, màe-d’água, pau-d’água, pau-d’alho, pau-d’arco, pau-d’óleo.

2º) São os seguintes os casos em que não se usa o apóstrofo:

Não é admissível o uso do apóstrofo nas combinações das preposições de e em com as formas do artigo definido, com formas pronominais diversas e com formas adverbiais (excetuado o que se estabelece nas alíneas 1º) a) e 1º) b) ). Tais combinações são representadas:

a) Por uma só forma vocabular, se constituem, de modo fixo, uniões perfeitas:

i) do, da, dos, das; dele, dela, deles, delas; deste, desta, destes, destas, disto; desse, dessa, desses, dessas, disso; daquele, daquela, daqueles, daquelas, daquilo; destoutro, destoutra, destoutros, destoutras; dessoutro, dessoutra, dessoutros, dessoutras; daqueloutro, daqueloutra, daqueloutros, daqueloutras; daqui; daí; dali; dacolá; donde; dantes (= antigamente);

ii) no, na, nos, nas; nele, nela, neles, nelas; neste, nesta, nestes, nestas, nisto; nesse, nessa, nesses, nessas, nisso; naquele, naquela, naqueles, naquelas, naquilo; nestoutro, nestoutra, nestoutros, nestoutras; nessoutro, nessoutra, nessoutros, nessoutras; naqueloutro, naqueloutra, naqueloutros, naqueloutras; num, numa, nuns, numas; noutro, noutra, noutros, noutras, noutrem; nalgum, nalguma, nalguns, nalgumas, nalguém.

b) Por uma ou duas formas vocabulares, se não constituem, de modo fixo, uniões perfeitas (apesar de serem correntes com esta feição em algumas pronúncias): de um, de uma, de uns, de umas, ou dum, duma, duns, dumas; de algum, de alguma, de alguns, de algumas, de alguém, de algo, de algures, de alhures, ou dalgum, dalguma, dalguns, dalgumas, dalguém, dalgo, dalgures, dalhures; de outro, de outra, de outros, de outras, de outrem, de outrora, ou doutro, doutra, doutros, doutras, doutrem, doutrora; de aquém ou daquém; de além ou dalém; de entre ou dentre.

De acordo com os exemplos deste último tipo, tanto se admite o uso da locução adverbial de ora avante como do advérbio que representa a contração dos seus três elementos: doravante.

Obs.: Quando a preposição de se combina com as formas articulares ou pronominais o, a, os, as, ou com quaisquer pronomes ou advérbios começados por vogal, mas acontece estarem essas palavras integradas em construções de infinitivo, não se emprega o apóstrofo, nem se funde a preposição com a forma imediata, escrevendo-se estas duas separadamente: afim de ele compreender; apesar de o não ter visto; em virtude de os nossos pais serem bondosos; o facto de o conhecer; por causa de aqui estares.


Quem diria que o modesto e semi-esquecido apóstrofo tinha direito a uma tão detalhada Base no Acordo Ortográfico?

Tanto quanto me apercebo, esta Base mantém a prática já anteriormente estabelecida.

De tudo o que ela contém, chamou-me a atenção o composto copo-d'água (habituei-me a escrever a expressão "copo de água").

Também noto com curiosidade o composto estrela-d'alva. Existe, subordinada ao GOL, uma Loja Estrela d'Alva. Mas, tanto quanto me apercebi, esta denominação é ali utilizada sem hífen.

Rui Bandeira

04 novembro 2008

Da Maçonaria teísta à Maçonaria deísta (I)

Definido o que se deve entender por deísmo e por teísmo, estamos então em condições de indagar se existe uma Maçonaria teísta e uma Maçonaria deísta, quais os significados destas expressões e as diferenças entre elas.

Na época da Maçonaria Operativa, não havia discussões na Europa. Era-se cristão ou judeu e ponto final. A religião entrava na vida de cada indivíduo, não através de uma busca racional, mas como uma caraterística essencial. E a religião era o que os responsáveis da Igreja diziam que era. Analisar questões teológicas era encargo de muito poucos de entre os pouquíssimos que sabiam ler e escrever. A grande massa dos Povos tinha a religião do Estado onde se encontrava ou do senhor a quem servia. Não era, sequer, uma questão de escolha. Era de sobrevivência. Literalmente falando. Não se punha, pois, a questão de se ser deísta ou teísta. O conceito de deísmo nem sequer existia. Todos eram teístas, porque todos eram crentes. E quem não fosse, calava e fingia sê-lo, se queria continuar integrado na sociedade, vivo e de boa saúde...

Na Europa de então, opções religiosas havia duas: o cristianismo (primeiro apenas sob a batuta do papa de Roma; depois, com a Reforma, com dois grandes campos de escolha: o catolicismo ou, com diversas variantes, o que se convencionou chamar de protestantismo) e o judaísmo, aquele amplamente maioritário.

Todos os maçons eram, por definição, crentes. E cristãos. A Maçonaria Operativa, como instituição eminentemente profissional, não destoava do resto das instituições existentes. E todos eram teístas. Nem se concebia que pudesse ser diferente!

O tempo e a evolução social, porém, vieram a alterar esta situação.

A partir de finais do século XVI, inícios do século XVII, gradualmente as Lojas maçónicas operativas começaram a admitir elementos não integrantes da profissão de construtores em pedra. Foram senhores que mandavam construir igrejas e contratavam e pagavam, para esse efeito, os oficiais construtores, exercendo sobre estes manifesta influência económica, que demonstravam interesse em compartilhar dos segredos da Arte Real da construção, foram influentes cavalheiros ou nobres que assumiam o papel de protetores das corporações de maçons, enfim, a pouco e pouco foram sendo Aceites não construtores nas Lojas. E as Lojas passaram a ser locais de congregação de maçons livres e aceites. Maçons livres, os oficiais construtores que não dependiam de senhores, que eram livres de trabalhar e exercer o seu ofício onde quisessem e pudessem. Maçons aceites, aqueles que, não sendo oficiais construtores, tinham sido aceites no seio das Lojas.

Os maçons aceites eram mais letrados do que os maçons livres. Uma vez inteirados dos segredos da arte de construir - particularmente as técnicas ancestrais aplicando princípios geométricos -, tinham a vantagem competitiva da sua maior instrução, do seu mais profundo e alargado conhecimento, da sua maior influência social. A pouco e pouco, os maçons aceites foram-se sobrepondo aos maçons livres, quer em número, quer na condução dos destinos das Lojas, quer na escolha dos trabalhos de Loja, dos ensinamentos a transmitir em Loja. E, ao longo de pouco mais de um século, a Maçonaria transformou-se de Operativa em Especulativa, de simples agremiação de construtores em instituição de discussão livre, de especulação filosófica, de aperfeiçoamento moral e não já de mera aprendizagem profissional.

Paralelamente, vivem-se os tempos do Iluminismo, da emergência do racionalismo, da popularização das ideias de Kant, de Locke, de muitos outros. A Royal Society, sociedade dedicada ao avanço e divulgação das ciências é constituída e muitos dos seus fundadores e elementos impulsionadores são maçons aceites.

Por outro lado, viveram-se e ainda estão bem inseridos na memória coletiva britânica tempos de profundos e dolorosos conflitos políticos e religiosos. Stuarts contra Oranges e depois Hanovers, católicos contra anglicanos, jacobinos contra realistas. Viveram-se na Grã-Bretanha tempos revolucionários, lutas ferozes e sangrentas, prisões e decapitações, que em nada ficaram a dever à mais famosa das Revoluções, a Revolução Francesa. De tudo isto, acabou por resultar o fim do Estado Confessional, a aceitação, primeiro tímida, depois crescentemente consensual, da Liberdade de Religião. O Homem podia já pensar sobre os fundamentos da sua crença. E fê-lo.

A postura de cada um em face do Divino já não dependia exclusivamente da aceitação da Revelação das Escrituras e dos ensinamentos dos profetas e ministros religiosos. Kant indicou o caminho, os acontecimentos romperam o dique e muitos foram progressivamente percorrendo a vereda da descoberta do divino através da Razão. Já não havia apenas o caminho exclusivo da Fé para a Crença. Outro também se abriu, o caminho da Razão. Já não havia só teísmo, também apareceu e autonomizou-se o deísmo.

Através do seu desassossego intelectual, os maçons aceites não se limitaram a "colonizar" a Maçonaria Operativa e a transformá-la em Maçonaria Especulativa. Também na Maçonaria introduziram os princípios e o conceito do deísmo. Sobre uma pré-existente Maçonaria teísta construíram uma Maçonaria deísta. Num dos próximos textos, espero conseguir explicar como.

Rui Bandeira