19 fevereiro 2021

A importância do Ritual


Meus Irmãos, saúdo-vos fraternalmente, em todos os vossos graus e qualidades.

A suspensão dos trabalhos presenciais por virtude da pandemia em curso revelou-nos a falta que o Ritual, a execução do Ritual, nos faz. É essa a natureza humana: muitas vezes só nos damos conta do que é importante quando o não temos. Mas não é sob esta perspetiva que escolhi expor a Importância do Ritual. Vou procurar incidir a nossa atenção sobre a razão por que o Ritual é importante, porque só tendo-se essa noção é que nos apercebemos completamente da importância do mesmo.

Começo por fazer uma afirmação que aparentemente não tem nada a ver com o tema e que é – como todas! – discutível, mas cujo mérito vos peço que julgueis apenas no final desta nossa conversa: a Maçonaria não se ensina, aprende-se!

Não quero com esta afirmação dizer que os mais experientes não devem partilhar com os mais novos o que aprenderam, o que sabem. Com esta frase, enfatizo que, em Maçonaria, o que é importante, não é o que se transmite, mas antes o que se apreende. Porque a experiência, a vivência, a personalidade, do que transmite são diferentes das do que recebe. Assim, o que verdadeiramente interessa não é o que se ensina, se partilha, se transmite. O que importa é o que se aprende e, mais do que isso, o que se apreende, o que se interioriza. E aquelas e estas não são necessariamente - atrevo-me mesmo a dizer que raramente são - a mesma coisa. E, bem vistas as coisas, é inevitável que assim seja, pois, como já há pouco referi, o que transmite e o que recebe têm personalidades, vivências, capacidades, características diferentes. Assim, o que transmite tem necessariamente uma noção diversa do que aquele que recebe. Este, daquilo que é transmitido, receberá o que, na ocasião, estiver apto e pronto a receber, será tocado pelo que, no momento, o sensibilize. Em suma, o que ficará é o que ele aprende e apreende, não o que o que transmitiu julga que ensinou…

Não tenho, portanto, a pretensão de ensinar nada! Tenho apenas a esperança de que, da maçada a que agora vos submeto, cada um de vós retenha algo de útil.

Em meu entender, para uma correta abordagem da importância do ritual impõe-se que previamente distingamos entre Conhecimento e Sabedoria. O Conhecimento é tudo aquilo que aprendemos e estamos aptos a utilizar, quando necessitemos. A Sabedoria é algo mais profundo. Baseia-se, é um facto, nos conhecimentos que adquirimos. Mas reside na intuição, na capacidade adquirida de, relacionando tudo o que conhecemos, daí seleccionar o que efetivamente importa, o que é adequado para um momento específico, uma situação concreta. Nem sempre aquele que tem mais conhecimentos é o que tem a sabedoria necessária para escolher a via justa, a palavra indicada, o gesto preciso, a atitude certa perante uma dada situação concreta. Numa muito grosseira aproximação, poderíamos dizer que a sabedoria resulta do conhecimento sublimado pela experiência. É através dos êxitos e fracassos na nossa escolha na utilização dos nossos conhecimentos que sublimamos o nosso Conhecimento em Sabedoria, que passamos do Conhecer ao Saber.

Memoriza-se e utiliza-se o que se conhece; desenvolve-se e internaliza-se o que se sabe.

O meio privilegiado para rápida aquisição de Conhecimento é o Estudo. Para se chegar à Sabedoria é preciso tempo e vivência. Mas há um meio para acelerar esse percurso, para induzir a Sabedoria: a utilização, execução e prática do Ritual. Se o Estudo é um meio de aquisição de Conhecimento, o Ritual é indutor de Sabedoria.

Com efeito, o Estudo estimula, faz funcionar, desenvolve a Inteligência Racional. Mas o Ritual, a sua prática, esse, estimula e desenvolve a Inteligência Emocional. E esta é bem mais profunda do que aquela, pois combina o conhecimento, o raciocínio, com a Intuição. O que estudamos pode não nos tocar e dar-nos apenas, pela memorização, a ferramenta necessária para agir. Mas só o que nos toca, nos emociona, efetivamente guardamos para saber como utilizar a ferramenta. A ferramenta é útil, mas saber utilizá-la pela melhor forma é indispensável…

Para entendermos porque e como o Ritual e o seu exercício estimulam a nossa Inteligência Emocional e, logo, induzem a obtenção de Sabedoria, devemos ter presente que, nos primórdios da Humanidade, quando ainda não tinha sido inventada a escrita – e muitas e muitas gerações de humanos viveram sem que houvesse escrita… -, a aquisição de conhecimentos e o acesso à Sabedoria processavam-se através da Tradição Oral. Era exclusivamente por essa via que os mais velhos e os mais experientes transmitiam o que sabiam aos mais novos e sem experiência.

Não havia então propriamente aulas, nem escolas. Os mais velhos e experientes diziam o que tinham aprendido, executavam perante os mais novos os gestos que era necessário fazer, repetiam, uma e outra vez, e faziam repetir muitas e muitas vezes, as palavras, os gestos, os atos de que dependiam, tantas vezes, a alimentação, a segurança e a sobrevivência, não só individuais como do grupo.

Ora, repetir uma e outra vez as mesmas palavras, para transmitir as mesmas noções, executar muitas e muitas vezes os gestos e as acções adequados para a obtenção dos resultados pretendidos mais não é do que… executar um ritual! Um Ritual é um conjunto de palavras, gestos e atos proferidas e executados sempre da forma similar.

Então, nos primórdios da Humanidade, aprendia-se e vinha-se a saber através da repetida execução de rituais. Era pelo que se via, pelo que se ouvia, pelo que se executava, pelo que exaustivamente se repetia, que se entranhava em cada um o que fazer e como fazer para obter alimento, para garantir segurança, para melhorar e curar maleitas, para adquirir o conforto possível.

Os rituais aprendidos e executados propiciavam, assim, a sabedoria necessária para sobreviver e viver o melhor possível.

O cérebro humano foi portanto, desde muito cedo, formatado em primeiro lugar para reagir aos estímulos visuais e auditivos.

Só mais tarde, muito mais tarde, o cérebro humano adquiriu a capacidade e habilidade de decifrar o código da escrita. A criação da escrita foi um avanço civilizacional imenso. Permitiu registar o que se tinha por importante, aquilo que anteriormente tinha de ser adquirido e mantido à custa de repetições. A escrita e a habilidade de a utilizar permitiram à Humanidade um meio mais fácil de registar e dar acesso ao Conhecimento. O cérebro humano naturalmente adquiriu, assim, também a capacidade de adquirir Conhecimento através da escrita, da leitura, do estudo.

Mas tenhamos presente que a camada mais profunda do nosso cérebro é desde sempre estimulada auditiva e visualmente e por execuções ritualizadas do que se pretende transmitir. A aquisição de Conhecimento através da escrita, da leitura, do estudo é uma habilidade mais recentemente adquirida, logo, mais superficial no nosso cérebro.

Não nos enganemos: o estudo, a aquisição de Conhecimento pelo estudo, dá trabalho. Esse trabalho é recompensado pelo desenvolvimento da nossa Inteligência Racional, pela habilidade de memorizar, de relacionar, de aplicar. Mas é apenas a Razão que é aplicada e fortalecida.

Para se desenvolver, para se utilizar a Inteligência Emocional, a que nos permite, quantas vezes sem sabermos como, intuitivamente dizer a palavra certa, executar o gesto adequado, efetuar a ação necessária sem termos de longamente pesar os prós e os contras, sem necessitarmos de fazer exaustivas análises e cálculos, para isso temos de recorrer às camadas mais profundas do nosso cérebro – e essas desde o início dos tempos foram estimuladas pelo que se via e ouvia, pelo que se repetia uma e outra e muitas vezes, pelo que se ritualizava.

Por isso afirmo que o Ritual é o indutor de mais rápida passagem do Conhecimento à Sabedoria, acelerando o que só a Experiência, a Vida vivida, os erros cometidos e as vitórias alcançadas nos permitiria atingir, não fora ele.

Meus Irmãos: até agora tenho sempre falado de Ritual, sem adjectivar e, sobretudo, sem utilizar o adjectivo maçónico.

Porque o ritual, penso tê-lo demonstrado, existe desde sempre e desde sempre aumenta a capacidade humana de discernir, em suma, de saber. E não há “o “ ritual, há muitos rituais, respeitando a muitos momentos, ocasiões e atividades. Existem, bem o sabemos, rituais religiosos. Mas também de outra natureza, uns mais solenes e utilizados em ambiente de Poder ou de significado social, outros mais simples, íntimos até. Atrevo-me a dizer, por exemplo, que todos os casais com algum tempo de ligação criam os seus rituais próprios, indutores de segurança, conforto e manutenção da relação afetiva. 

Uma categoria de rituais que merece referência é o ritual que podemos denominar de grupal, o que marca, define e corporiza a integração de alguém num determinado grupo. Aí não está em causa a aquisição ou consolidação de conhecimentos ou o acesso a sabedoria, mas simplesmente o estabelecimento de uma união grupal, a que o neófito passa a aceder.

Todo o ritual é importante, precisamente porque correspondendo à mais antiga e natural forma de a Humanidade processar a aquisição de conhecimentos, ganhar e manter confiança, obter conforto e segurança. Não é assim porque queremos que seja, assim é porque a nossa evolução como espécie o determinou. Talvez algo grandiloquentemente, pode-se afirmar que a Civilização se alicerça em rituais. 

Mas os Rituais Maçónicos, esses, partilhando com os demais a mesma natureza de meios indutores de aquisição de Sabedoria, têm ainda uma valência própria, quiçá não exclusiva, mas seguramente que identitária.

Os rituais maçónicos têm uma tríade de caraterísticas, duas delas já referidas e uma terceira que podemos considerar própria. Os rituais maçónicos assumem a natureza de indutores de Sabedoria, são também, particularmente nos rituais de Iniciação e de Aumento de Salário rituais grupais, mas também assumem a natureza de explanação e aprofundamento de Princípios e Valores.

Esta uma especificidade não negligenciável. Os vários rituais dos diferentes ritos maçónicos apresentam-nos e definem-nos Valores e Princípios a que os maçons devem corresponder. Não estão aqui em causa conhecimentos a interiorizar. Estão, diretamente, aspectos e referências morais a seguir, a cumprir, a divulgar.

Os rituais maçónicos ao promoverem Princípios e Valores apelam diretamente às caraterísticas básicas do cérebro humano. Os princípios e Valores expostos, facultados, não se destinam a ser meramente apreendidos pela Inteligência Racional, através do estudo e da aquisição de conhecimentos. Procura-se atingir a Inteligência emocional, o âmago da personalidade de cada um e aí efetuar as modificações inerentes a esses Princípios e Valores.

Busca-se a aceleração do processo. Em vez da mera aquisição pela Inteligência Racional e posterior enraizamento através da experiência, busca-se a inserção direta e eficaz na mente do maçom, atingindo o que o Ritual, desde os primórdios da Humanidade toca: a Inteligência Emocional, logo as profundezas do ser que cada um de nós é. Não se semeia, para que porventura nasça e cresça. Planta-se para que, no mais curto espaço de tempo, haja frutos. 

Os rituais maçónicos destinam-se assim, para além da integração de indivíduos em grupos, a propiciar a modificação de cada um, através da interiorização de Princípios e Valores morais, que devem nortear a conduta de cada um,

Expostos de forma ritualizada, muitas vezes repetida, encenada e praticada, tais Princípios e Valores entranham-se diretamente no âmago essencial de cada um, assim propiciando o seu aperfeiçoamento.

Este processo de aperfeiçoamento não é imediato. É demorado, é evolutivo, depende de patamares.

É por isso que é um erro pensar-se que, sabido o ritual, aprendido a executar o mesmo com perfeição, o nosso trabalho está terminado.

Posso garantir-vos, com base na minha experiência de mais de 30 anos de maçom, que não é assim que funciona.

Decorar o ritual, executá-lo na perfeição, são ainda tarefas do Intelecto, da Inteligência Racional. O que importa é senti-lo, vivenciá-lo, apreender aqui e ali algo de novo, algo que nos chama agora a atenção e em que não reparáramos antes. Porque esse é o processo de entranhamento das noções transmitidas pelo ritual, esse é o processo de passagem do Conhecimento à Sabedoria.

Se há algo que verdadeiramente aprendi com os nossos rituais é que se está sempre a aprender algo de novo com os mesmos. Em mais de trinta anos de Maçonaria, já repeti, já executei, já vi serem repetidos, já vi serem executados, os nossos rituais centenas de vezes. Nunca me incomodei com a repetição. Nunca deixei de me concentrar na sua execução. E, trinta anos passado, ainda me sucede que subitamente encontro algo de novo, apesar de ser o mesmo ritual que pratico e a que assisto ao longo deste tempo.

Tal sucede por uma simples razão: encontro numa ocasião aquilo que então estou preparado para encontrar. As palavras, os gestos, os atos, são os mesmos desde o princípio. Mas antes eu não compreendera aquele particular significado, porque ainda não estava preparado para tal. Porque tive de seguir uma evolução, compreendendo aqui algo que mais tarde me permitiu perceber aquilo, que me modificou e levou a entrever aqueloutro pormenor, num processo evolutivo permanente.

É para isso que serve o nosso ritual. Porque o ritual maçónico não é um simples ritual igual a todos os outros que a Humanidade segue. O ritual maçónico é um meio de Construção e Aperfeiçoamento de Nós.

É esta a sua importância!

 

 

Rui Bandeira

Comunicação por meios virtuais no âmbito da Academia Maçónica

18/2/2021

 

 

 

15 outubro 2020

A Loja pós-pandemia


A interrupção dos trabalhos presenciais em resultado da pandemia constituiu, obviamente, um apreciável transtorno para a Loja. Interrompeu-se a programação do ano, bem como o contacto presencial entre os obreiros da Loja. Ao fim de algum tempo, passou-se a utilizar os meios técnicos disponíveis para passar a reunir em videoconferência, nas mesmas noites em que normalmente haveria sessões de Loja. Foi o remédio possível, mas rapidamente se verificou que... não é a mesma coisa! Nem poderia ser, claro.

Inicialmente, nas duas ou três primeiras videoconferências, ainda houve a alegria do reencontro, ainda que por meios virtuais. Mas depois começou a ouvir-se o lamento, de cada vez mais de nós até ser evidente haver unanimidade nesse sentimento, de que... falta o ritual! E falta, efetivamente. 

Mas em quase todas as situações podemos escolher ver o copo meio vazio ou olhar para o copo meio cheio. O copo está meio vazio, porque falta o ritual. Mas, por outro lado, afinal o copo está meio cheio, porque nos demos conta de que falta o ritual!

Efetivamente, antes da pandemia (e subjetivamente este “antes da pandemia” começa a parecer-nos algo como “no século passado”...) quantos de nós REALMENTE tínhamos a noção da importância do ritual? Cada um que confesse a si próprio: é ou não verdade que, antes da pandemia, ao menos uma vez, em momento de maior cansaço ou num assomo de aborrecimento, se pensou que a repetição uma e outra vez do ritual era, afinal, uma perda de tempo e que mais valia tratar-se do que se tinha a tratar, debater-se o que se tinha a debater, decidir o que se tinha a decidir sem se “perder tempo” com a repetição de um ritual já conhecido? E não terá porventura havido alguma vez em que o ritual de encerramento foi “despachado” em alta velocidade porque já era tarde e o ágape esperava?

 Pois bem, agora vimos, agora sentimos, que o ritual nos faz falta. Que a repetição daquelas frases, por alguns já centenas de vezes ouvidas, nos conforta, que a audição desse diálogo nos sintoniza, que os princípios, os lemas, os símbolos  dele constantes nos relembram as condutas que devemos seguir, as melhorias que nos esforçamos por fazer, o sentido da vida que buscamos.

 Se algo de bom para a Loja resultou da paragem em resultado da pandemia, foi isto mesmo: lembrou-nos como o ritual é importante, como nos faz falta, como integra a essência de ser maçom.

 Assim, enquanto nos mantemos nesta “apagada e vil tristeza” de nos irmos vendo (alguns de nós, que a outros as videoconferências nada dizem) bimensalmente por videoconferência, comecemos, cada um de nós de si para si e todos em conjunto, a preparar o regresso à Luz das nossas reuniões presenciais e ao reencontro com o ritual.

 Porque – não nos enganemos – há que preparar esse regresso e nos prepararmos para esse regresso, pois este interregno deixou marcas, fez-nos perder o hábito de “ir à Loja”, potenciou a nossa preguiça (e venha de lá o mais pintado dizer que preguiça é coisa que não sente e nunca sentiu, que eu logo fraternalmente terei de o apodar de Irmão mentiroso... Um dos vícios para que cavamos masmorras é a preguiça...). Pelo que, quando regressarem as reuniões presenciais, haverá que sacudir todos e cada um de nós para desalojar a instalada rotina de “não ir à Loja” e motivar todos para comparecer... até porque vai haver ritual!

 Na minha ótica, três ações serão necessárias, quiçá indispensáveis.

 1)      Nas duas ou três primeiras sessões, fazer um trabalho mais pronunciado de divulgação e de motivação de todos a comparecer. No limite, organizar que cada um da metade mais assídua tenha a tarefa de contactar, motivar e tentar, por todos os meios exceto a força física, que os menos assíduos agora venham. Não só porque vai haver ritual, mas afinal porque vai haver um RECOMEÇO, um novo ciclo, a organização e funcionamento de uma nova Loja pós-pandemia (quer nós estejamos cientes disso ou não, este interregno pandémico é um corte, uma separação, entre a Loja de antes e a Loja de depois, que será o que nós quisermos, pudermos e conseguirmos fazer dela. Então, os menos assíduos, os menos interessados, os mais ocupados com trabalho, família e tudo o resto que normalmente se atravessa à frente da “ida à Loja”, que melhor oportunidade têm de contribuir para uma Loja mais à medida do seu interesse, das suas necessidades, do que aproveitar o RECOMEÇO e a folha em branco que ele transporta para escrever nela o que mais lhe interessa, para ajudar a fazer da Loja o que eles sentem que falta? A Loja pós-pandemia far-se-á com todos, os que antes vinham mais e os que antes vinham menos (ou não vinham de todo...), que agora podem ajudar a refazer a Loja mais a seu gosto!

 2)       A segunda necessidade a satisfazer é... RITUAL, RITUAL, RITUAL. Se sentimos que o ritual nos está fazendo falta, vamos matar a fome dele! Deveremos dar prioridade, nos primeiros tempos, à execução ritual e, sobretudo, à execução de vários rituais, designadamente o de Iniciação, o de Passagem e o de Elevação. Exceto os dinossauros da Loja (eu e mais um ou dois), miraculosamente ainda não extintos, os elementos do Quadro da Loja podem porventura ter ouvido falar, mas não tiveram experiência dos primórdios dela. E os primórdios dela resume-se a uma palavra triplamente dita: ritual, ritual, ritual. Durante mais de um ano, por imposição do Grão-Mestre Fundador, era a nossa Loja e só a nossa Loja que fazia Iniciações, Passagens e Elevações. No fim desse tempo estávamos exaustos, já deitávamos ritual pelos olhos fora, mas foi com esse trabalho que forjámos a argamassa que constituiu a coesão da Loja e que nos ajudou, ao longo de três décadas, a superar crises e adversidades. A Loja pós-pandemia vai recriar a sua coesão e a execução ritual vai certamente ter um papel nisso. Mas não esqueçamos que para fazer um ritual de Iniciação temos de ter candidatos já inquiridos e admitidos pela Loja à Iniciação. Aproveite-se o tempo de pausa para ultimar as inquirições de quem está nos passos perdidos, de forma a votarmos a sua admissão à Iniciação na primeira sessão presencial de Loja. Para fazer Passagens, temos que ter Aprendizes com o interstício cumprido e as respetivas pranchas lidas. Haverá que verificar se estão reunidas as condições de Passagem também logo na primeira sessão presencial, para programar a Passagem de quem pode fazê-lo logo nas sessões seguintes e assegurar o cumprimento dessas condições aos que ainda as não reunirem, para serem passados logo depois, numa fase subsequente tão rápida quanto possível. E o mesmo quanto às Elevações.

 3)       Finalmente, a terceira necessidade a satisfazer é cíclica na nossa Loja: estabelecer qual o nosso projeto nos tempos mais próximos, que iniciativas vamos assegurar, em que é que nos podemos distinguir das demais Lojas.

Para satisfazer esta necessidade vai ser necessário apresentar ideias, formular projetos, debater prioridades. Este é, por exemplo, um dos pontos que porventura permitirá que os mais desinteressados se voltem realmente a interessar. Mas não tenho ilusões. O passado mostra-nos que este não é um processo fácil, nem rápido, nem sequer particularmente eficiente. Ter ideias, apresentá-las, defendê-las, harmonizar com as sugestões dos demais, estabelecer pontos de entendimento e planos de ação nunca foi, não é e não será nunca fácil. Mas se há algo que os trinta anos da nossa Loja mostram é que este processo, quantas vezes anárquico ou demorado, acaba sempre por, cedo ou tarde, dar resultados positivos. Às vezes de forma não esperada, às vezes sem decisão formal da Loja, mas por avanço de dois ou três a que outros se juntam e acaba por se estar perante um projeto da Loja. Pouco importa. A seu   tempo, algo se fará. E cada coisa que se faça é mais um elemento fortalecedor da Loja e da sua coesão. Nem sempre poderemos avançar rápido. Teremos porventura de fazer pausas, de reordenar prioridades. Mas algo se fará. E muito mais se discutirá e projetará e fará mais à frente.

E verificaremos que, compreendendo que o ritual é importante e dando-lhe a importância que lhe é devida, ele não é tudo. Na Loja, como na vida, o equilíbrio é fundamental e o caminho faz-se caminhando. A Loja pós-pandemia vai necessariamente ser diferente da Loja de antes, mas a essência do que nós somos, essa, vai permanecer. Esta é a Loja Mestre Affonso Domingues! 

Rui Bandeira

Prancha apresentada na sessão virtual da Loja de 14 de outubro de 6020, E. M.


22 setembro 2020

Comunicação do Grão Mestre da GLLP/GLRP aos Irmãos por ocasião do Equinócio de Outono


Lisboa, 22 de Setembro de 6020 

O Equinócio dos tempos que desconhecemos 

Meus Queridos Irmãos, 

Muito gostaríamos de estar reunidos na Assembleia Maçónica da Grande Loja para comemorar o Equinócio do Outono, à semelhança do ano passado, ocasião que foi para todos nós muito especial porquanto estiveram presentes mais de 800 Irmãos, e muitos e ilustres visitantes de 34 delegações oriundas de 26 países espalhados por todo o mundo. 

Há muito que vivemos tempos desafiantes, inquietantes, estranhos e perigosos. Mas a humanidade, ao longo dos milénios, sempre teve enormes problemas para resolver e agora, não sendo os mesmos, incumbe-nos a nós estar à altura dessas interrogações, enfrentando esses perigos e receios. 

O Equinócio é o evento celeste que ocorre duas vezes no ano, em Março e em Setembro. Nos equinócios ambos os hemisférios se encontram igualmente iluminados pelo Sol, na sua órbita aparente vista da terra passa pelo equador celeste, tornando o dia e a noite iguais na sua duração. 

Assim, a linha divisória entre o dia e a noite observada do cosmos torna-se vertical, "ligando" os polos Norte e Sul do nosso planeta. Dá-se o início da mudança das estações. 

É nos equinócios que os maçons recebem as bênçãos do equilíbrio, da igualdade e da justiça, sempre numa contenda para prevenir o desequilíbrio moral, espiritual e social que quotidianamente nos afectam e prejudicam. 

Devemos todos reflectir nisto porque a Maçonaria não vive fora do mundo e das realidades que a cercam e, por isso mesmo, não poderemos nunca ser indiferentes face ao tão vasto horizonte de eventos e desafios com que nos confrontamos. 

Hoje, dia 22 de Setembro de 2020, assinalamos o Equinócio do Outono e não podíamos deixar de o celebrar apesar de o mundo todo - e a maçonaria também - estar confrontado com incógnitas, dúvidas e receios de tamanha dimensão que a todos inquietam e a todos afectam de sobremaneira. 

E celebramos a efeméride porque somos fiéis ao nosso passado histórico e aos “landmarks” que nos impelem a manter viva a chama da maçonaria universal, independentemente dos tempos, devido a esses mesmos constrangimentos que se torna mais premente dizermos presente, e avançarmos para a linha da frente das carências e daquilo que se impõe fazermos. 

Provavelmente, nunca como hoje o planeta Terra, o nosso mundo, se tornou tão próximo de nós. 

Evidenciando as suas fragilidades, é certo, mas também dizendo-nos que o mundo é um só e que, se a todos pertence, igualmente de todos necessita para que a sua sustentabilidade continue a vigorar. 

A pandemia trouxe incomensuráveis problemas e brutais malefícios, mas serviu e serve para mostrarnos que a humanidade é uma só e que todos precisamos de nos unir para subsistir, lutando contra o que desregula a natureza e prejudica a sobrevivência humana e todo o ecossistema planetário, com a sua incontável e maravilhosa biodiversidade. 

É urgente, pois, intervir onde for e como for necessário, visando a recuperação da normalidade da vida em sociedade, mantendo a economia a funcionar, até para que o essencial, como os alimentos, nunca faltem. 

Todavia, é também preciso equilibrar tal desiderato com as acções de combate à pandemia, fazendo o que as entidades sanitárias entendem dever ser feito para evitar as infecções na população, e para diminuir as sobrecargas dos serviços hospitalares. 

Nada é ou será fácil neste equilíbrio, até pelos custos económicos que lhe estão associados e sobretudo quanto aos gastos com a saúde e com os subsídios aos desempregados. Mas torna-se imperioso prosseguir nesta linha para não colocar em risco a nossa saúde e a nossa sobrevivência colectiva. 

É tempo de agir! 

E agir é, por exemplo, dar atenção e reflectir sobre temas que já fazem parte das nossas preocupações e sobre os quais devemos mostrar a nossa inquietação cívica, como as Migrações e as Alterações Climáticas. 

Há um ano realizámos uma Conferência sobre as Migrações, esse enorme problema que continua, infelizmente, na ordem do dia. As migrações continuam a ser hoje uma questão incontornável a nível mundial, e como fenómeno social, económico e político assumem um papel central na opinião pública e no debate político. 

Com base na Carta das Nações Unidas para os Direitos do Homem, documento tão nobre e respeitado por todos aqueles que reconhecem nos valores da maçonaria o melhor quadro genético para a sociedade atingir a felicidade desejada, devemos encarar o problema das migrações como um desafio à própria afirmação do Homem como Ser Justo e Solidário. 

Cientes dos problemas decorrentes de semelhante fenómeno e das suas naturais reacções locais, não deixaremos que nesta reflexão se esqueça a dimensão humana de um problema, que a todos afecta, e perante o qual ninguém pode ficar indiferente. 

O Governo português transmitiu recentemente à Comissão Europeia a sua disponibilidade para participar no esforço europeu de solidariedade para o acolhimento de pessoas que se encontravam no campo de refugiados de Moria. O Secretário-geral da ONU, António Guterres, pede solidariedade europeia para com os Refugiados de Lesbos. Em Lesbos mais de 10.000 pessoas (quase 1.000 são crianças) dormem ao relento e estão a passar fome, situação perante a qual ninguém deve ficar de braços caídos. 

Está na hora de passarmos das palavras aos actos e demonstrarmos a nossa solidariedade. Solidariedade essa que não deve reduzir-se a simples ajuda ou assistência, dando-lhe apenas um significado económico ou material. Não há Solidariedade sem Caridade, sendo esta a principal fonte de todo o valor moral que impregna cada um de nós, no nosso coração. A solidariedade significa a dimensão social da caridade. Na verdade, não há futuro sem solidariedade

Citando Dionigi Tettamanzi: “Há muitas etnias e povos diferentes, mas todas as etnias têm a sua raiz e o seu desenvolvimento na única etnia humana, de modo que todos os povos se encontram num mesmo tecido vivo e unitário da família humana”

É preciso olhar para os migrantes numa óptica global, como pessoas, portadoras de direitos e deveres, merecedoras do nosso respeito e de igual dignidade pessoal, que é devida a cada ser humano. 

No discurso do “Estado da União” Úrsula von der Leyen pediu uma gestão conjunta de todos os países da EU na questão dos Refugiados. 

A crise sanitária é agora, segundo von der Leyen, outro meio para afirmar a Europa como potência à escala global. A crise pandémica mostrou “quão frágil é a nossa comunidade de valores”, afirmou ela defendendo que a União tem de “liderar a resposta global” à covid-19. Criticou ainda os “nacionalismos” na busca de uma vacina, e defendeu a cooperação no desenvolvimento de uma vacina disponível para todos, e não apenas para aqueles que tenham capacidade para as adquirir. von der Leyen assegurou ainda que “a Comissão atribui a maior das importâncias ao Estado de direito” e que o respeito pelas regras democráticas “não é negociável”. E revelou também estar em preparação um plano para combater discursos racistas e de ódio. 

Nós, Maçons, temos o dever de olhar para as questões climáticas. O Secretário-geral da ONU defendeu que os Estados "devem agir juntos face à ameaça climática", a qual é "muito mais grave do que a pandemia em si". "É uma ameaça existencial para o planeta e para as nossas próprias vidas", referiu. "Ou estamos unidos ou estamos perdidos", avisou o secretário-geral da ONU, apelando, em particular, à adopção de "verdadeiras medidas de transformação nos domínios da energia, transportes, agricultura, indústria, e no nosso modo de vida, sem as quais estaremos perdidos". 

Por causa da pandemia do novo coronavírus, várias reuniões internacionais sobre questões ambientais agendadas para este ano tiveram de ser adiadas, suscitando receios de novos atrasos na luta contra as alterações climáticas. 

A 26.ª Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP26), que pretendia relançar o Acordo de Paris (após o anúncio da retirada dos Estados Unidos em 2017), estava prevista para este ano em Glasgow (Escócia, Reino Unido) e foi adiada para Novembro de 2021. 

Apesar do confinamento em massa, registado a nível mundial por causa da pandemia ter desencadeado uma quebra nas emissões (até 8% a nível mundial, de acordo com algumas estimativas), os cientistas já salientaram que o desenvolvimento global não irá abrandar sem mudanças sistémicas, particularmente nas áreas da energia e da alimentação. 

De acordo com os especialistas da área do ambiente da ONU, a emissão de gases com efeito estufa teria de diminuir 7,6% por ano durante a próxima década. 

A transformação a partir do Green Deal tem na prossecução da neutralidade carbónica da UE até 2050 o “coração da nossa missão”, disse a presidente da Comissão Europeia, von der Leyen. 

Defendeu, assim, que é preciso acelerar o passo para atingir esse objectivo, e anunciou que iria propor que a meta de redução de emissões até 2030 suba de 40% para 55%. 

Ao nível das temperaturas, o ano de 2019 foi o segundo mais quente desde 1880, altura em que começaram os registos modernos de temperaturas. 

Temos de nos mobilizar em torno destes objectivos e procurar influenciar todos para as causas que, pela sua dimensão humana e solidária, nos tocam, enquanto maçons, de forma especial. 

Recuperar e trazer para o tempo presente aquilo que de bom e útil nós maçons fizemos no passado, deve estar sempre na base do nosso pensamento e acção. 

Neste equinócio do Outono quero agradecer e saudar todos os Veneráveis Mestres, e a todos aqueles maçons, que ousaram contrariar esse imobilismo resultante da pandemia, realizando Sessões virtuais, e mantendo dessa forma viva a egrégora da Loja, para satisfação intelectual, filosófica e espiritual de todos os Irmãos. 

É verdade que todos sentimos a falta dos Templos e do Ritual. Os Rituais são acções simbólicas, cuja encenação e participação têm um efeito poderoso na nossa mente e espírito ao ensinar-nos importantes lições e, no limite, e ao ajudar-nos a moldar o nosso carácter e a pautar a nossa vida, através de cerimónias iniciáticas de celebração e passagem. 

Os rituais, como actos simbólicos, representam os valores que produzem uma comunidade coesa, que é capaz de harmonia e de um ritmo comum, sem os quais cada um de nós se sente isolado. A repetição, e portanto a sua prática, é uma característica essencial dos rituais. 

Nós não nascemos maçons, tornamo-nos maçons. E por isso impõe-se também uma palavra especial para todos os Irmãos Aprendizes. Do Aprendiz espera-se trabalho, conhecimento e construção permanente. Não basta a cerimónia de iniciação, nem os juramentos. É preciso o trabalho no Templo, numa busca permanente pela separação entre a luz e as trevas. A maçonaria pretende fazer de um homem bom um homem melhor.

Há, no entanto, Irmãos Aprendizes que, por força da pandemia, desde o dia da sua iniciação não voltaram a reunir em Templo. Mas não devem esmorecer! Eu estarei convosco, estaremos todos convosco, neste nosso caminho na busca incessante de mais luz e, portanto, de mais conhecimento. 

Assim, fruto da nossa experiência adquirida iremos a partir de Outubro, salvo se a situação pandémica e a DGS não o permitirem, realizar Sessões, em regime experimental, gradual e transitório, com um número máximo de 10 Irmãos em Templo e cujas regras estão em fase final de conclusão, e que oportunamente serão divulgadas. 

Esta solução resulta, por um lado, do trabalho e reflexão no seio da nossa Grande Loja e, por outro, de reuniões virtuais, realizadas com outras Obediências Regulares como a UGLE e a GLNF. 

Todos temos a firme convicção que alguma coisa tem de ser feito, sem riscos desnecessários, preservando a nossa segurança, na estrita observância das regras sanitárias, que nos permita de forma gradual retomar a nossa tão desejada e necessária actividade maçónica, para nossa alegria e felicidade. 

O que move o mundo é a busca constante da felicidade e isso é sobretudo um caminho, um percurso individual e colectivo que nunca tem fim pois se tivesse, a obra estaria concluída e tal resultado, bem sabemos, nunca poderá estar terminado, a não ser quando o GADU nos chamar para junto Dele, fechando-se, então, para cada um de nós, a magnifica Abóbada Celeste. 

Durante estes novos tempos de pandemia, que nos têm mantido afastados dos nossos afectosfraternais e contactos pessoais e sociais, realizámos diversas iniciativas. Pela sua importância e mérito destaco duas iniciativas, ambas com a “chancela” da Academia Maçónica: a Revista “O Aprendiz” que hoje publica o n.º 1, desta nova fase editorial; e a Academia de Verão - que contribuiu, seguramente, para ampliar o conhecimento e sabedoria de todos os Irmãos. 

Vamos continuar a demonstrar, por palavras e pelo nosso trabalho e obras, que a Maçonaria e os Maçons, estejam onde estiverem e sejam quais forem as condições, continuam a ser, como sempre foram, obreiros da liberdade, da paz, da harmonia, da justiça, da tolerância e do amor. Mas também motivadores de progresso, de desenvolvimento, de ciência, de educação e de solidariedade. 

Fraternalmente, 

Armindo Azevedo 

Grão Mestre

Recordando Luiz Miguel Roza Dias (2)

 


Miguel Roza, Templário

Trago ao "A-Partir-Pedra" mais um extrato de uma conversa entre amigos. Muito mais do que um programa de televisão, estes encontros com o Luiz Miguel foram conversas entre amigos sobre temas do trabalho literário do nosso Luiz Miguel. Há uma bela coleção de livros saídos da imaginação e do trabalho do Luiz que contempla desde a compilação de documentação relativa à vida de Fernando Pessoa até ao romance passando, com alguma preferência, pela poesia.

Neste extrato falamos sobre "O Templário que Viveu Duas vezes", 1º romance do Luiz Miguel, abrindo uma trilogia que terminou em data já muito próxima da sua passagem ao Oriente Eterno. Mas falamos também de outras coisas. Com o Luiz não era possível estar encerrado num tema. Os assuntos saltam, tal como a vida, e há sempre algo mais e diferente a dizer e a fazer.

É mais um pedaço do nosso querido Luiz Miguel na primeira pessoa. Deixo para todos mais esta recordação da verdade, da alegria de viver que sempre o acompanhou e que espalhou em catadupas por entre todos nós.


18 setembro 2020

Recordando Luiz Miguel Roza Dias (1)



Luiz Miguel na 1ª pessoa

Há poucos dias completou-se um ano sobre a data em que deixámos de ter a presença física do Luiz Miguel entre nós. É uma saudade imensa e salta-me a recordação permanente da alegria, do companheirismo, de tanta coisa que, se quiser ser justo, daria para preencher um blog inteiro com as qualidades humanas deste Homem exemplar. Só quem teve a felicidade de conviver com o Luiz sabe o exemplo de vida que ele nos legou. Companheiro como poucos, solidário como muito poucos, fraterno como raros. 
Neste primeiro ano de ausência resolvi recordar o Luiz Miguel por Si próprio.
É um excerto de uma conversa que tivemos os dois. É o Luiz na 1ª pessoa.

14 setembro 2020

Recordando Alexis Botkine (3)




Passaram algumas semanas e retorno ao encontro dos nossos acompanhantes para terminar esta recordação do nosso Querido Alexis,  sempre presente entre todos os que o conheceram e com ele tiveram a oportunidade de conviver. É a terceira intervenção do Alexis, com a Maria Delfina no piano, que incluo nesta recordatória de um grande Maçon, grande Amigo e enorme Homem do mundo.

21 agosto 2020

Recordando Alexis Botkine (2)


“RAMO DE FLORES E DANÇA”

Conforme prometido aqui Vos deixo um momento que é bem a recordação de um grande interprete, na verdade de dois grandes interpretes, da música do mundo. O título da peça pode muito bem representar a imagem do caracter do Alexis. Ele que foi um amante da vida, que espalhou as flores da sua alegria por todos os que com ele conviveram. Fica-me para todo o meu sempre, a memória do sorriso vivo e malandro com que pegava no violino ou na balalaika e andava entre as mesas dos nossos ágapes brancos, tocando para todos, mas com dedicatória especial junto do elemento feminino. Nunca perdeu a oportunidade de um piropo musical, ele que sobrepôs sobre tudo, o respeito pelas pessoas e pelos seus sentimentos.

20 agosto 2020

Recordando Alexis Botkine (1)


 

No arquivo histórico da RLMAD existem peças de inestimável valor histórico e sentimental com valor absoluto, claro, mas especialmente valorizadas pelos mais antigos da “casa” que por isso mesmo, tiveram maior convivência com a história da Loja. Tem acontecido que Irmãos deixem os seus espólios ao cuidado da Loja por sentimento, ou por passagem ao Oriente Eterno. É este o caso do nosso queridíssimo e saudosíssimo Irmão Alexis Botkine. Ele foi um exemplo para todos nós e é uma saudade permanente para quem com ele conviveu, participando da sua enorme sabedoria, da sua permanente alegria, da sua espantosa disponibilidade para participar e ajudar.

Sobre a sua memória escreveu José Ruah:

Alexis era o mais velho, o mais antigo, o mais conhecedor de todos nós, e era talvez o mais otimista e alegre de todos.

E era assim de facto o Irmão Alexis.

O Alexis quis que parte importante do seu espólio ficasse à guarda da Loja, e desse conjunto extraí 2 peças da sua música que ajudam a recordá-lo. Hoje deixo uma peça com um grupo de dança organizado e dirigido por ele, em Geneve.

Numa próxima mensagem incluirei uma peça com Balalaika e Piano, sendo que ao piano estará a nossa Cunhada Maria Delfina Botkine.