21 junho 2018

Carta "A' Mocidade"

O Governo da chamada Segunda República, que funcionou entre 9 de Julho de 1926 e 18 de Abril de 1928, foi dirigido por António Óscar de Fragoso Carmona, no período que muitos designam por Ditadura Militar.

Este período da nossa história que integra a Segunda República Portuguesa, iniciou-se com o golpe militar de 28 de Maio de 1926 e a entrada em vigor da Constituição portuguesa de 1933, que institucionalizou o Estado Novo.

Em Julho de 1927, foi emitida uma carta de título "A' Mocidade" que claramente condena a Maçonaria, apelando até "Ás armas contra a Maçonaria" e recordando o artigo 283 do Código Penal como fundamento para esta "luta". Esta carta foi aparentemente dirigida ao mundo académico, dado que todos os signatários são membros das diversas academias.

O General António Óscar de Fragoso Carmona, terá sido maçon, iniciado no triângulo Nº 1, de Chaves, entre 1894 e 1906, não tendo ultrapassado o grau de aprendiz. Abandonou a maçonaria, tendo, em 1935, assinado a lei que a ilegalizou em Portugal. (conforme MARQUES, A. H. de Oliveira. Dicionário de Maçonaria Portuguesa. Lisboa: Editorial Delta, 1986, vol I, col. 272-273).

Reprodução da carta...



António Jorge



20 junho 2018

A Batalha de Ayacucho

A libertação da América espanhola teve o seu epílogo com a batalha de Ayacucho no dia 9 de Dezembro de 1824, e teve actos de fraternidade e generosidade que nunca serão esquecidos pelos maçons e que claramente os definem. Deveriam também constituir um exemplo para todos.

Na noite anterior à batalha, as Lojas que funcionavam em ambos os exércitos foram chamadas separadamente para uma reunião visando encontrar uma solução que evitasse o derramamento de sangue, mas essa solução não foi possível de ser encontrada.

Foi feita em seguida uma reunião em conjunto, mas também com o mesmo resultado negativo.

No dia seguinte um maçon espanhol solicitou permissão para que familiares e maçons que militavam em diferentes exércitos fossem autorizados a abraçar-se pela última vez.

Uma centena de soldados sul-americanos e espanhóis avançaram para se cumprimentar; no lado esquerdo ficaram os maçons, que após se abraçarem por três vezes, participaram de uma fraternal reunião que durou quase uma hora e foi emocionante.

Encontraram-se, entre outros, os irmãos Rodil, Espartero, Vergara, Virrey José de la Serna, Venerável Mestre General Canterac, Past Master Marechal Jerónimo Valdez, General Monet, Antonio Tur e General Ballesteros, no lado espanhol, e os irmãos José Faustino Sanchéz Carrión, General Antonio José de Sucre, General José Maria Córdova, Tenente Coronel Vicente Tur (espanhol, mas pertencente ao exército patriota e irmão de Antonio Tur) e o General Antonio Valero de Bernabé, no lado sul-americano.

Ficou o exemplo da fraternidade maçónica, que não reconhece nem raças nem nacionalidades, ainda que nas circunstâncias mais dramáticas. Terminou a batalha com a vitória do exército Sul-americano e quando o chefe espanhol, o maçon La Serna, ferido seis vezes, entregou sua espada ao General maçon, Sucre, este não a aceitou, solicitando que continuasse nas mãos do bravo militar.

As atenções que os prisioneiros e, especialmente os feridos, receberam, foi outra amostra de fraternidade extrema, como igualmente a Acta de Capitulação, em que a generosidade do vencedor ultrapassou os pedidos do vencido.


18 junho 2018

E agora... no Facebook!


Hesitámos durante muito tempo. Chegámos a ter, por duas vezes, projetos de páginas preparados. Das duas vezes não os ativámos publicamente. A rede social Facebook tinha (e tem) vantagens, mas também inconvenientes. Um deles o de parecer, por vezes, "território" em que as normas de boa educação e de convívio social são facilmente menosprezadas, com frequentes comentários em que o insulto soez e a provocação gratuita são moeda corrente. O que não deixa de ser curioso, para além de lamentável, numa... rede social...

Decidimos, portanto, aguardar e ser prudentes. Fizemos experiências. Por exemplo, desde há vários anos que coloco na minha página do Facebook ligação para os textos que escrevo e publico no A Partir Pedra. Verifiquei que, felizmente, o número de comentários malcriados ou provocatórios foi baixo e com tendência decrescente ao longo do tempo e que uma política firme de não complacência com violações das normas sociais de respeito e consideração pelos outros - normas essas que também devem vigorar no espaço cibernético e nas redes sociais - dissuadiu os poucos abusos que ocorreram.

Verificou-se também que a evolução da utilização da comunicação através dos meios virtuais, com o explosivo crescimento das redes sociais, alterou o perfil de busca e consumo de informação por parte da generalidade das pessoas. Os blogues, por si só, perderam alguma relevância. O utilizador habitual da Internet agora vai muito menos diretamente a um blogue - a não ser quando lhe interessa especificamente seguir o mesmo - e acede a sítios e blogues principalmente no âmbito de buscas temáticas ou através de palavras-chave nos motores de busca, mas também através de ligações de textos no Facebook. Este blogue, por exemplo, tem a esmagadora maioria dos acessos aos seus conteúdos através dos motores de busca (o Google, em primeiro lugar), do Facebook (das ligações a textos aí inseridas) e do sítio na Internet da Loja. Os acessos diretos são claramente minoritários, Bem sei que o endereço do blogue, algo complicado com os seus hífens (a-partir-pedra.blogspot.com (ou .pt, ou .br, ou .fr, etc.) não ajuda, sendo mais prático inserir apenas a partir pedra no Google,. Também sei que o inabitual endereço do sítio (www.rlmad.net) leva a que muitos acedam ao sítio utilizando os termos de busca Loja Mestre Affonso Domigues no Google. Mas, mesmo assim, a tendência é evidente.

Portanto, pesadas as vantagens e inconvenientes, é agora chegado o momento de a Loja Mestre Affonso Domingues estar também representada por uma página no Facebook. Está já ativa, no endereço https://www.facebook.com/mestre.affonsodomingues (atenção ao ponto entre mestre e affonso e aos dois ff de affonso...) a página no Facebook da Loja Mestre Affonso Domingues.

Essencialmente, terá aí publicados os textos do sítio da Loja que, pelo seu tema, pela sua estrutura, pela sua dimensão, o gestor da página considere adequados para inserção em rede social. Só excecionalmente terá, porventura, textos adicionais, pois a página no Facebook é - ao menos por agora - encarada como mais um ponto de acesso aos textos do sítio. O seu grafismo, dentro das especificades proporcionadas pela rede social, remete para os grafismos do sítio e do blogue, procurando ilustrar essa essencial unidade entre página do Facebook, sítio - e também blogue..

No fundo, este passo procura corresponder à tendência verificada de utilização de busca de informação no espaço cibernético e, afinal, facilitar ainda mais o acesso aos conteúdos produzidos e publicados pela Loja e seus obreiros.

Esperamos que seja útil!

Rui Bandeira 


17 junho 2018

Exposição no New York's Clemente Center Exhibit sobre Maçonaria no Haiti


O New York Review of Books publicou uma notícia sobre uma exposição de arte sobre Maçonaria na Ilha de Haiti, a decorrer este mês. Pode ser vista no Clemente Center, localizado em 107 Suffolk Street, New York City, estado disponível até dia 23.

O website do Clemente Center explica a exposição desta forma:
" No Haiti, durante a era colonial, a Maçonaria era uma das poucas instituições europeias que permitiam a adesão de negros. A Maçonaria ainda prospera no Haiti contemporâneo, e seu mundo visual permeia o imaginário haitiano. Os símbolos que se repetem ao longo desta exposição, estão ligados a uma teia de ideias que se estendiam através do Atlântico, reflectindo os valores mais preciosos do Iluminismo.
Esta exposição ambiciona visualizar a mistura entre magia e razão; alquimia e ciência; troca comercial e metafísica que se estendeu até o século XXI. Ao centrar-se no Haiti, esta exposição lança luz sobre a relação entre os povos colonizados e o Iluminismo. Isso sugere que, para alguns, a Maçonaria oferecia um caminho para se tornar um agente da modernidade. Esta exposição será uma contribuição oportuna e significativa para uma compreensão da Maçonaria através das lentes do Atlântico Negro.
A exposição é compilada por Leah Gordon e ultrapassa as fronteiras entre ficção e não-ficção; realidade e imaginação e contará com obras de artistas haitianos, americanos e europeus Yves Delva, Ernest Dominique, Marg Duston, André Eugene, Leah Gordon, Lazaros, Michel Lafleur e Molej Zamour. A associação entre documento e artefacto espelha a ligação entre Magia e Modernidade inerentes à Maçonaria Haitiana."
A ilha de Hispaniola, onde Cristóvão Colombo fez o primeiro desembarque nas Caraíbas, teve um curioso passado maçónico. Controlada pela Espanha católica durante o início do período colonial, a metade ocidental da ilha foi cedida à França em 1697 como San Domingue - para se tornar mais tarde, no Haiti. Quando a Maçonaria se fez ao mar e se começou a espalhar pelo mundo na década de 1730 e posterior, veio também para Hispaniola. Demorou mais tempo nesta ilha do que noutros lugares por causa das políticas antimaçónicas da Igreja Católica.

Em 1749, o Grande Oriente da França fundou duas lojas em San Domingue, e cerca de mais dez foram estabelecidas em toda a Hispaniola até 1789. Enquanto isso, os maçons na Pensilvânia não perderam tempo após a independência americana e estabeleceram sete lojas a na ilha entre 1786 e 1806. As lojas abriam e fechavam em rápida sucessão naqueles dias, enquanto as nações colonizadoras da Europa lutavam entre si. quer em seus territórios das caraíbas, quer em casa. A Revolução Francesa e uma década de revoltas de escravos e lutas na ilha trouxeram finalmente a independência ao Haiti depois de 1804. A maçonaria existente na ilha não conseguiria resistir à turbulência combinada da revolução e dos anos de Napoleão.

Hispaniola foi dividida em dois países depois de 1800, Haiti e San Domingo (a República Dominicana em 1844), e o Haiti tornou-se a primeira nação independente nas Caraíbas e na América Latina em 1804.


 Entre 1809 e 1817, quatro novas lojas inglesas foram fundadas no Haiti, tornando-se primeiro uma Grande Loja Provincial e posteriormente declarando-se independente como Grande Loja do Haiti em 1824. Apenas seis anos depois, o Grande Oriente da França voltou à ilha, trazendo consigo os hauts grades - os Altos Gruas. Em 1836, foi estabelecido um Conselho Supremo do Rito Escocês e o Grande Oriente do Haiti, e os grupos competidores lutaram pelo controle dos graus azuis. Efeitos dessa luta continuam ainda hoje. Enquanto isso, no lado dominicano da ilha, a Grande Loja da República Dominicana foi formada em 1865.

From Freemasons of the Caribbean on the Atlas Obscura website:
" Quando o Haiti conquistou sua independência e aboliu totalmente a escravidão no final da Revolução Haitiana de 1791-1804, a Maçonaria estava tão inserida na cultura local que o governo revolucionário totalmente negro herdou a Arte entre os seus espólios de guerra.
François-Dominique Toussaint Louverture, o ex-escravo que liderou as forças revolucionárias contra os franceses, tinha a reputação de ser um Maçon devoto. A sua própria assinatura parece atestar este facto, com a sua combinação de duas linhas e três pontos que imitam um símbolo maçónico da época. Na verdade, algumas fontes afirmam que a Maçonaria era tão essencial à cultura e à liderança haitianas, que qualquer presidente do país que não fosse maçon antes de tomar posse era iniciado após.
Enquanto isso, outro dos fundadores do Haiti, Jean-Jacques Dessalines - o autoproclamado  Imperador Jacques I do Haiti -foi também iniciado na Ordem. O Museu Nacional de História, no centro de Porto Príncipe, contém artefactos, como a própria espada e bainha do escravo que virou imperador, claramente gravada com motivos quadrados e de bússola..."
A Maçonaria hoje prospera no Haiti. O Grand Orient d'Haiti é actualmente constituído por 50 lojas com cerca de 9.700 membros nas suas fileiras, e é amplamente reconhecida em todo o mundo como regular. É actualmente reconhecida por todas as grandes lojas dos EUA e Canadá, e pela Grande Loja Unida de Inglaterra.

11 junho 2018

Freemason.pt


A Loja Mestre Affonso Domingues tem-se assumido como divulgadora, no espaço cibernético, do que é a Maçonaria, os seus princípios e Valores. Estando consciente de que os detratores da Maçonaria, ao longo de décadas e décadas, lograram difundir em muitos setores da sociedade a imagem da Maçonaria como entidade fechada, sigilosa, sociedade secreta, a Loja Mestre Affonso Domingues entende que a melhor forma de contrariar o preconceito assim criado é, serenamente, esclarecer, divulgar, disponibilizar para todos os interessados informação sobre a Maçonaria, a Loja maçónica, o maçom. É isso que, no espaço cibernético, a Loja Mestre Affonso Doimingues vem fazendo, utilizando dois meios: o seu sitio na Internet, acessível em www.rlmad.net, e este blogue A Patir Pedra.

O sítio na Internet tem, obviamente, um cariz mais institucional. É gerido por um Mestre da Loja, com a assistência de um outro, e procura-se aí publicar informação sobre a Loja e sobre a Grande Loja e trabalhos dos obreiros da Loja, para além de material mais leve (imagens de Arte maçónica, de aventais, templos e selos maçónicos, por exemplo). Os seus conteúdos são em primeira linha destinados aos obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues, embora, naturalmente, estejam acessíveis ao público em geral. Neste blogue A Partir Pedra publicam textos os Mestres da Loja Mestre Affonso Domingues que entendam fazê-lo. 

Quer o sítio na Internet, quer o blogue A Partir Pedra são abertos a qualquer interessado em consultá-los, estão acessíveis através de motores de busca, permitem download dos seus conteúdos, enfim, estão livremente disponíveis para todos os interessados, maçons ou não maçons. Mas são, óbvia e assumidamente, espaços da Loja Mestre Affonso Domingues e dos seus Mestres Maçons, onde se publicam conteúdos da Loja e dos seus obreiros.

Agora um dos nossos, o António Jorge, decidiu ir um pouco mais longe e criar um sítio na Internet, o Freemason, acessível em www.freemason.pt, totalmente dedicado aos temas Maçons e Maçonaria, especialmente dirigido ao público em geral, isto é, de divulgação pura. Com este projeto, pretende reunir toda a informação que for possível angariar sobre o tema, mantendo o máximo de rigor, independentemente da sua origem. Projeta-se assim como um espaço complementar ao sítio da Loja e ao blogue, aqueles contendo conteúdos elaborados por obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues, este Freemason agrupando e divulgando os temas Maçons e Maçonaria através de conteúdos de qualquer origem, designadamente de maçons de outras Lojas ou de não maçons que, com rigor, tenham produzidos conteúdos sobre os temas objeto do sítio.

A imagem gráfica do Freemason é, ao menos por ora, muito semelhante ao aspeto gráfico do sítio na Internet da Loja Mestre Affonso Domingues. Alguns dos conteúdos são comuns ao sítio da Loja e ou ao blogue. Mas a ideia é que, gradualmente, a percentagem de conteúdos do Freemason originária de autores que não são obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues aumente paulatinamente. Este Freemason propõe-se ser um espaço de todos (e não apenas dos obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues) sobre os temas Maçons e Maçonaria. Ambiciona vir a ser uma incontornável fonte de informação, séria e credível, sobre a Maçonaria e os Maçons. 

O Freemason é um espaço sobre Maçonaria e Maçons de todos para todos. Quem quiser, que procure, que pesquise, que leia, que tire as suas conclusões. Para que os preconceituosos fiquem, cada vez mais, a falar sozinhos no deserto dos seus preconceitos!

Ao António Jorge quero deixar aqui um abraço de agradecimento pela sua dedicação ao projeto de divulgação e esclarecimento sobre a Maçonaria. Ao Freemason desejo longa e útil vida. A todos vós, auguro... boas leituras, agora também no Freemason!

Rui Bandeira

28 maio 2018

A eventual promiscuidade entre Maçonaria e poderes, sejam eles políticos, ou outros...


Qualquer sociedade dos tempos modernos é sujeita, de forma clara ou não, à influência de grupos organizados, que intencionalmente ou não procuram influenciar "a trajectória" em função dos seus interesses. Se um desses grupos puder ter um nome e esse nome for uns dos tradicionalmente identificados como "de risco", então está criada uma mistura delicada, até porque será certamente visada pela comunicação social.

Assumo que sou maçon... e faço-o com a duplicidade de quem se sente orgulhoso de o ser, e de quem sente que quer dar... unicamente dar, sem estar a pedir que lhe dêem. Infelizmente, a nossa sociedade parece não conseguir visualizar uma coisa sem a outra... possivelmente é a isto que chamam a sociedade materialista, traduzida naquela "famosa" frase - ninguém dá nada a ninguém.

Toda a polémica que ocorre periodicamente, relacionando políticos com maçons ou maçons com interesses obscuros e/ou ilegais, é um claro sinal dos tempos em que vivemos - perdemos valores, perdemos a nossa capacidade crítica, engolimos tudo os que nos impingem, mas preferimos centrar-nos em identificar culpados, de preferência "culpados de estimação" - aqueles que podem sempre ser os responsáveis, até porque estão tão ocupados em fazer bem, que não têm tempo para se defender.

… e nada vende mais jornais do que uma boa “conspiração” orquestrada por uma organização de quem se sabe quase tudo, mas de quem se ignora quase tudo. A Maçonaria é uma dessas organizações: somos discretos, não fazemos alarde do que fazemos de bem, toda a gente acredita que temos uns segredos, que não temos; em resumo – é para desconfiar…

Não pretendo afirmar que todos os maçons são "impolutos". Por mais apertado que seja o nosso método de selecção, procurando identificar homens cuja prioridade seja crescerem e tornarem-se Homens, haverá sempre alguns erros de "Casting"... pessoas que usam o que for preciso para seu benefício pessoal.

Contudo, esta incapacidade de ler as pessoas na sua totalidade, identificando as suas reais intenções, não deve e não pode levar a confundir o trigo com o joio. Um maçon, que o é de verdade, procura melhorar, ajudar, dar a mão... contribuir para um homem melhor e para uma sociedade melhor.

Compete-nos assegurar que assim é, e compete-nos impedir que a Arte Real seja utilizada para projectos individuais ou colectivos que nada tenham a ver connosco e com os ideais que defendemos.

Fraternais abraços de António Jorge
Publicado no website da RLMAD em 28.05.2018

18 maio 2018

Aqui ficam mais alguns quadros da autoria da Pintora Larysa Kalinichenko, também eles com temática maçónica e também eles inspirados pela "sessão de demonstração" que referi no texto anterior sobre este tema:

Nova evolução – Acrílico s/tela – 60×60 (2018)

O segredo… – Acrílico s/tela – 60×46 (2018)

Espreitando… do outro lado – Acrílico s/tela – 55×46 (2018)

Artigo publicado originalmente no Website da RLMAD
António Jorge

14 maio 2018

A Pintora Larysa Kalinichenko

Por iniciativa do Venerável Mestre da Loja Mestre Affonso Domingues, I:. Rui Bandeira, realizou-se em Dezembro passado uma sessão "de demonstração" que se poderia ter chamado de "Maçonaria quase a descoberto", onde os familiares e convidados dos Irmãos da Loja puderam contactar não só com o Templo, mas também com toda a simbologia aí existente e ainda com partes do cerimonial.

Tratou-se de uma sessão onde quase tudo foi mostrado, onde foi possível fazer perguntas e obter respostas e que (de acordo com opiniões recolhidas) terá cumprido o seu duplo propósito:
  • Aproximar os Irmãos e todos os que os envolvem - famílias e amigos.
  • Desdramatizar a Maçonaria e as suas práticas.
Foi com grande surpresa e alegria, que descobri hoje que essa sessão deu origem a dois quadros da autoria da Pintora Larysa Kalinichenko, que se inspirou no que viu e ouviu. Apresento-vos os quadros:
Três Livros Sagrados
Este quadro foi inspirado em toda a simbologia existente dentro do Templo e tem a característica de ser um díptico horizontal em que as duas partes podem rodar e constituir quatro versões diferentes do mesmo quadro:




Com o Título "Reflexão", a visita serviu também de inspiração para o seguinte quadro:

Reflexão
Á pintora a quem tenho a honra de poder tratar como Cunhada, fica o meu (nosso) emocionado Muito Obrigado por estes excelentes trabalhos. Mal podemos esperar por ver os próximos.

Artigo publicado originalmente no Website da RLMAD
António Jorge

10 maio 2018

Integrado na comemoração dos 300 anos da Grande Loja Unida de Inglaterra, a Ilha de Man emitiu um conjunto de selos postais alusivos que merecem ser vistos:



07 maio 2018

Republicação: A Queda da Grande Loja da Harmónica Utopia



Foi há quase dois anos (em 9 de maio de 2016) que este texto foi pela primeira vez publicado no A Partir Pedra. Como, na GLLP/GLRP, estamos de novo em período eleitoral, com o inevitável cortejo de promessas de perfeição, juras de sublimidade, compromissos de primor, acho oportuna a sua republicação aqui e agora.

Aqui vai: 

Mão amiga fez-me chegar o texto do pequeno conto que seguidamente publico. Este texto terá sido encontrado num pequeno e velho cofre que ganhava pó num sótão, dentro de um sobrescrito em cujo exterior estava rabiscado: PARA LER E DAR A LER EM PERÍODOS DE ESCOLHAS.

Na GLLP/ GLRP, entramos em período de eleição do Grão-Mestre para o próximo biénio. É a altura de ler e dar a ler este pequeno conto!

A Queda da Grande Loja da Harmónica Utopia 

A Harmónica Utopia era um lugar - bem, não foi nunca um lugar porque na verdade não existiu... - onde tudo acontecia de forma ideal.

Todos eram amigos, não havia infracções, os meninos e meninas eram todos excelentes alunos, não havia pobreza (nem mesmo a de espirito – bem, desta talvez houvesse...), nem fome, nem opressão, nem …

Tamanha perfeição era também timbre dos maçons da Grande Loja da Harmónica Utopia. Todos tinham já burilado as suas asperezas e imperfeições. Mais um pouco, muito pouco, e seriam todos “Grandes Arquitetos do Universo”!

Esse pouco era mesmo só o prescindir da disciplina (não fazia falta), da Justiça (porque não havia infrações que não se solucionassem com um abraço e uma conversa), da gestão (os anjos podiam fazê-lo em outsourcing), e, como tudo era ideal, não era preciso pagar quotas. 

Decidiu-se passar a assim proceder.

A partir de então, na Grande Loja da Harmónica Utopia, o Grão-Mestre não precisava de poder. Também para que precisaria disso, se os Irmãos eram todos tão cumpridores? Aliás, era sabido que o Grão-Mestre, quando deixasse o cargo, passaria a usar o titulo de Antigo Grande Arquiteto...

Um dia um homem malvado, talvez o único que ainda restasse, conseguiu disseminar a ideia que a Harmónica Utopia era isso mesmo, uma Utopia - e de repente o sonho acabou.

A Grande Loja da Harmónica Utopia também não resistiu e colapsou. O cobrador do fraque apareceu à porta, parece que queria receber. O Grão-Mestre ainda tentou uma conversa e um convencimento e uma solução harmoniosa, mas não foi suficiente! Então alguém com memória lembrou-se da “estória do grande alicate”.

Parece que no passado, quando ainda não se estava no máximo da Harmónica Utopia, o cobrador da electricidade veio cobrar umas contas atrasadas e que lhe contaram que era precisa a assinatura do Grande Tesoureiro e do Grande Secretário e do Grande ….. e que se ele fizesse o favor de passar na semana seguinte já haveria cheque. O homem lá fez isso e quando chegou, uma semana depois, lá lhe foi dito que já havia a assinatura do Grande e do outro Grande mas que o Grande estava no estrangeiro e que talvez na semana seguinte. O dito cobrador terá então retorquido: “não há qualquer problema, vou ali ao carro buscar o Grande Alicate e corto já a electricidade”.

E quando o Grão-Mestre quis saber como estavam a gestão e as contas e as listas de obreiros e os procedimentos, tudo estava entregue aos anjos do outsourcing e estes não tinham responsabilidade pois só trabalhavam com o que lhes era dado - e fazia dois anos que não lhes davam documentos (embora nunca o tivessem reportado e tivessem sempre recebido o seu cheque...).

E assim acabou a Harmónica Utopia e a sua Grande Loja.

 Felizmente que esta fábula não passa de um sonho. Ou será pesadelo?


Como não gosto de me enfeitar com penas de pavão, garanto que este texto não é de minha autoria. Aliás, nem sequer tenho qualquer jeito para a ficção. Mas subscrevo-o na íntegra. 

Prezo muito a Harmonia - mas não pode haver harmonia sem disciplina, sob pena de ocorrer rapidamente a degradação numa anárquica aparência de organização, em que os mais "fortes", ou os mais "espertos", ou os mais "próximos" mandam e põem e dispõem e os restantes... harmonizam!

Prezo muito a Tolerância. Mas Tolerância não implica não haver Justiça e não serem sancionadas as condutas que violem as obrigações assumidas e as normas vigentes. Até por uma questão de Igualdade entre todos: se uns quantos podem infringir diretamente as normas e - em nome de uma alegada "Harmonia" e de uma enviesada "Tolerância" - não verem punidas as suas condutas, por que razão os demais haveriam de cumprir as normas? Nesse caso, cada um faria o que entendesse, quando entendesse, pela forma que entendesse, segundo o seu livre alvedrio e ao arrepio das normas e das decisões de quem foi eleito para as tomar e alegremente se caminharia rumo à Grande Loja da Harmónica e Tolerante... Anarquia.

Invocar como argumentos eleitorais a prevalência da Harmonia sobre a Disciplina e da Tolerância sobre a Justiça não tem sentido. Afinal, uma Grande Loja é uma Obediência Maçónica - não uma Desobediência...

Cada um pensa por si e decide por si. Mas eu, quando vejo certas posições, lembro-me sempre de um excerto de uma velha canção de Lena d´Água (letra e música de Luís Pedro Fonseca):

Demagogia feita à maneira
É como queijo numa ratoeira

P’ra levar a água ao seu moinho
Têm nas mãos uma lata descomunal
Prometem muito pão e vinho
Quando abre a caça eleitoral
Desde que se vêem no poleiro
São atacados de amnésia total

Disse!

Rui Bandeira

16 abril 2018

INQUIRIÇÃO, DESAFIO DE LIBERDADE


A Maçonaria é, por definição, um conjunto de homens “livres e de bons costumes”, que se consideram como tal e se reconhecem como tal, perseguindo os ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
São conceitos que serviram uma revolução em 1789 em França, mas que são tão antigos quanto o próprio homem. Nem sempre cumpridos... raramente cumpridos… mas existentes !
A condição de Maçon diz que somos “livres e de bons costumes”, ou que nos reconhecemos conjuntamente como Homens “livres e de bons costumes”. Deixo os “bons costumes” de lado, por agora, e foco-me em “ser livre”, e pode-se ser livre dentro das grades de uma prisão e sentir-se acorrentado no cimo de uma montanha com o horizonte por limite.

O “infinito” é um conceito teórico que os matemáticos arranjaram para trabalharem com o Universo que, sendo material, não tem “folha de cálculo” ou “plano de contas” que o suporte. Sem princípio nem fim.
E é por aqui que entendo a liberdade dos Maçons.
Ser livre é a capacidade de olhar e ver o Universo de uma só olhada, é abarcar a globalidade universal de uma só vez, é construir a folha de cálculo onde cabe o Universo. Isso é ser livre !
O Universo não é vermelho ou verde, não é claro ou escuro, não é aqui ou ali.
O Universo é o vermelho e o verde, é o claro e o escuro, é o aqui e o ali.
Ser livre é poder ver numa visão única o vermelho e o verde, o fogo e a água, Israel e a Palestina.
Ser livre é poder olhar e sentir todas as cores, todas as “sem fronteiras”, o Sol e a Lua.
É isso que é ser livre e é isso que deve ser um Maçon. Somos Maçons porque somos livres… porque nos reconhecemos uns aos outros como Homens livres. E por isso, e se não houver mais razões, só por isso, temos de ter… somos obrigados a ter no mesmo olhar todas as cores, todas as fronteiras (todas as sem fronteiras prefiro eu). Porque o Universo não tem fronteiras, não tem princípio nem fim, não tem muros nem limites. Tal qual a Maçonaria !
A Liberdade é um desafio. E pode não ser simples. Sejamos livres. Sejamos livres sempre. Aqui e lá fora. Em Loja e no Mundo. Sejamos livres quando em Loja cumprimos os rituais. Sejamos livres quando na nossa profissão damos duro. Sejamos livres quando vivemos a nossa vida, sós, ou acompanhados. Sejamos livres quando executamos as nossas tarefas, os nossos encargos, mesmo que pouco agradáveis.
E sejamos livres, completamente livres, quando incumbidos da tarefa de apreciar um candidato a Maçon. A Inquirição, é assim que se chama, só tem que saber se “Aquele” é também um Homem livre, ou se é capaz de o vir a ser. Só isso interessa. Se usa mais o vermelho ou o verde… se fala mais árabe ou hebraico… se vota mais azul ou laranja… mas o que é que isso interessa se ele for capaz de com um olhar apenas abarcar o vermelho e o verde, o azul e o laranja, Israel e a Palestina, o Arco-Iris inteiro, o Universo todo ?
Para que queremos nós saber se é coxo ou marreco se de facto for um Homem Livre ?
 Se os candidatos são coxos ou marrecos, altos ou magros, pretos ou brancos… isso interessa para quê ? e a quem ?
Há uns anos, na R:.L:.M:.Affonso Domingues, discorremos sobre o tema e acabamos concluindo que a Inquirição serve para perceber se “Aquele” com quem estamos a conversar pode ser convidado, de bom grado, para nossa casa. É essa a conclusão que há a tirar e é a conclusão que o Maçon inquiridor tem a passar, em relatório, aos Irmãos na Loja. Porque o que estamos a fazer numa Inquirição é exatamente isso, e apenas isso, tentar saber se aquele profano pode ser bem vindo a nossa casa.
Tudo o resto é acessório e muito pouco interessante.

Aos meus Irmãos peço que sejam Livres, de Liberdade plena, capazes de abarcar o Universo todo com um só olhar.
No Universo não há parcelas, nem partidos, nem clubes, nem fronteiras.
Sejam livres ou então… libertem-se.
E se na Inquirição concluírem que não convidam o Candidato para vossa casa só porque é marreco… meus irmãos peçam o atestado de quite porque estão no sítio errado.
Não são nem livres, nem de bons costumes.
JPSetúbal

29 março 2018

Sobre a impermanência





SOBRE A IMPERMANÊNCIA
 Prancha traçada ao Vale de Lisboa, em 28 de Março de 6.018

O presente texto não está redigido segundo o acordo ortográfico da Língua Portuguesa de 1 990/2 009.

A IMPERMANÊNCIA
Alinhando e desalinhando estes parágrafos, maldizendo, (apenas um pouco), a minha incontida verborreia que me fez falar em impermanência numa sessão onde, e muito bem, foi apresentada a prancha “A Existência Humana”, um ensaio no qual Drucker (19NOV1909 a *11NOV2005) faz uma análise do pensamento de Kierkegaard (05MAI1813 a *11NOV1855), com os olhos postos nas mudanças de pensamento, principalmente o político e social, que ocorriam no fim da 1.ª metade do século XX.
Segundo Kierkegaard, o homem terá que renunciar a si mesmo para superar as limitações que a realidade lhe impõe, e assim poder aceder ao transcendente, aceder a Deus e à verdadeira individualidade; neste sentido, realçou “o existir concreto do homem” (o existencialismo) que anseia pela transcendência, focando em consequência disso, os sentimentos de angústia e desespero inerentes a tal condição.
Ora, em minha modesta opinião, na vida onde tudo é transitório, tanto os pensamentos quanto os amores e as coisas, que vão, vêm, ficam e passam, nada é assim tão importante, a não ser a experiência da vida que passa (e apenas enquanto passa), pelo que não me apetece mesmo nada ter algo que me obrigue a viver em desespero e angústia para poder vir a ter a ilusão de “possuir” ou “conquistar” o que quer que seja. O que vier, virá; mas virá sem sofrimento consentido; assim sabendo e aceitando ser o traço característico da existência terrestre a impermanência, decidi iniciar esta prancha por “a Morte”, indubitavelmente a carta mais forte, ou mesmo o trunfo (e o triunfo) maior, do tema que aqui se pretende tratar.
Para nós, que de certa forma nos alinhamos e nos preparamos para a viagem rumo ao G\O\E\, não há dúvida que encararemos a nossa morte física como a prova provada (desculpem o pleonasmo) da impermanência pois não iremos/voltaremos mais “viver” nos moldes actuais (ou iremos?).
Octávio Paz (31MAR1914 a 19ABR1988) escritor poeta e ensaísta mexicano, Nobel da literatura em 1990, dizia que “a morte não nos assusta (aos mexicanos) porque a vida já nos curou dos medos”; enquanto que Giuseppe Belli (07SET1791 a 21DEZ1863), poeta italiano famoso pelos seus sonetos em romanesco (o dialecto de Roma) nos conta que “A morte está escondida nos relógios” (La golaccia).
A palavra morte quase não é pronunciada em Nova Iorque, em Paris ou Londres, e infelizmente começa a não ser pronunciada também em Lisboa, porque queima os lábios; contudo ainda vai havendo quem a respeite, a acaricie, a celebre e até brinque com ela e não só no México onde é, segundo Octávio Paz, “um dos seus brinquedos favoritos e o seu mais constante amor”.
Lembro aqui o filme “Meet Joe Black”, um filme rodado em 1998 e quase todo em Nova Iorque, cidade onde como acima referimos se evita pronunciar a palavra morte, produzido por Martin Brest tendo como actores, entre outros Brad Pitt e Anthony Hopkins, um filme que, ao que eu saiba, pela primeira vez nos põe em contacto personificado com a Morte, com humor e com alguma naturalidade, o que não é habitual nos filmes ou narrativas que nos habituámos a ver provenientes dos EUA, onde a angústia e a perda são pulsões permanentes.
Neste filme ocorre uma festa de aniversário que, apesar de ser a última e o aniversariante o saber, foi um festejo alegre e coroado com fogo-de-artifício!
O nosso portuguesíssimo “Pão por Deus” que ultimamente vai sendo desvirtuado e substituído pelo “dia das Bruxas” ou “Halloween”, era o dia em que antigamente se oferecia pão, bolos, vinho e outros alimentos aos mortos, celebrado em cada ano no primeiro dia de Novembro, na véspera do dia consagrado a todos os mortos, e era de reminiscências bem antigas, que aqui me escuso de referir ou tão cedo não sairíamos daqui; era, como vinha dizendo, um ritual de “comer a morte” ritual esse que pode representar a continuidade da vida, como se do ventre da morte pudéssemos ver nascer ou até renascermos na própria vida; era o Morrer para Renascer; era o ensinamento que diariamente o Sol propiciava (e propicia se o quisermos/pudermos ver/entender) nascendo incansavelmente e a cada dia no Oriente, de onde vem a Luz, para inexoravelmente se extinguir moribundo, no útero devorador do mundo, o Ocidente.
Estará então o homem condenado à morte e à vida, ambas repetitivas e eternas? A ser assim a morte e vida serão dois aspectos de uma mesma realidade? Eclodirá a vida da morte qual planta que brota da semente que se decompõe no seio da terra?
A ser assim, a morte será um bem colectivo que dá continuidade à criação e que funciona como regresso à essência do universo.
Será o verdadeiro objectivo da vida chegar “purificado” “com mais luz” ou “aperfeiçoado” à “morte”?
Assim sendo, a “vida” outra coisa não será senão uma caminhada com vista à santificação da nossa existência; viver para morrer, tendo que sofrer para viver eternamente como preconizava Kierkegaard?
Ou será que a vida se nos apresenta como um verdadeiro desafio, e uma grande oportunidade para percorrer o caminho que nos leva à porta da imortalidade? Nascer para morrer e então renascer para viver o caminho; no fundo um caminho iniciático.
Não é só a morte, porém, que atesta, talvez consagre, a impermanência. A impermanência é desde logo, a vida ou, se preferirmos, o percurso “desta” vida com todos os seus mitos e dúvidas.
Lemos em Fernando Pessoa: (13JUN1888 – 30NOV1935) in Mensagem - II - Os Castelos - Primeiro/Ulisses
O mytho é nada que é tudo.
O mesmo Sol que abre os céus
É um mytho brilhante e mudo –
O corpo morto de Deus,
Vivo e desnudo.
Este, que aqui aportou,
Foi por não ser existindo.
Sem existir nos bastou.
Por não ter vindo foi vindo
E nos criou.
Assim a lenda se escorre
A entrar na realidade,
E a fecundá-la decorre.
Em baixo, a vida, metade
De nada, morre.
E ainda: in Livro do Desassossego
Tudo quanto vive, vive porque muda; muda porque passa; e, porque passa, morre. Tudo quanto vive perpetuamente torna-se outra coisa, constantemente se nega, se furta à vida.
Foi “este” Fernando Pessoa que muito nos chamou a atenção, tanto para as coisas que nos rodeiam, como para a nossa “pessoa”, os nossos rostos e as nossas máscaras, da nossa permanente transformação, e do nosso perpétuo movimento, e que, na pele de Bernardo Soares, nos ensinou a aceitar, sem mais questões, a impermanência: gozo a brisa que me dão e a alma que me deram para gozá-la, e não interrogo mais nem procuro.
A impermanência porém, com frequência, assusta-nos … todavia não somos nós, bem por dentro da nossa vivência, a personificação acabada dessa impermanência?
Afinal a vida é uma prática mortal, um livro de desassossego que se abre ao fascínio dos humanos!
Poderia aqui deixar páginas de citações sobre a impermanência; fiquemos apenas por estas:
i) O progresso é impossível sem mudança.
Aqueles que não conseguem mudar as suas mentes não conseguem mudar nada.
George Bernard Shaw (26JUL1856 a 02NOV1950)
ii) Nada é permanente, excepto a mudança.
Heráclito de Éfeso (540AC a 475AC**)
iii) Uma mudança deixa sempre patamares para uma nova mudança.
Maquiavel (03MAI1469 a 21JUN1527)
iv) Tudo é mudança; tudo cede o seu lugar e desaparece.
Eurípedes (481AC a 407AC)

v)   Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança
Tomando sempre novas qualidades.
Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.
Luís de Camões (+- 1524 a 10JUN1580)
Conto-vos agora uma história na primeira pessoa, e vai ser na primeira pessoa do singular; eu sei que poderia utilizar a primeira pessoa do plural e dar-lhe um ar mais majestático, mas, de todo, não me parece que seja necessário:
Certo dia, aí pelos meus trinta e poucos, numa conversa de café, ou melhor numa conversa de club, pois o facto que aqui relato ocorreu na sala de convívio do C.R.M. (Club Recreativo Mortuense), quando em cavaqueira com um grupo de jovens com quem “brincava” aos teatros (pretendíamos levar à cena “A Promessa” de Bernardo Santareno), uma das raparigas do grupo tratou-me por senhor.
Nesse momento não percebi lá muito bem o que se estava a passar, fiquei um pouco sem jeito e com a capacidade de raciocínio afectada, pelo que, com um pedido de desculpa, antecipei o meu regresso a casa.
Já mais refeito e no aconchego relativo do meu lar, olhei-me ao espelho e apercebi-me que esta barriguinha, que hoje envergo, despontava, bem como umas aberturas no cabelo, por sobre as têmporas, aquilo que ao tempo se chamava, e, embora isso já não me preocupe, acho que ainda se chama, de “entradas”!
Dei então conta que havia uma grande distância entre a idade com que me sentia e a minha verdadeira idade biológica; percebi que tinha parado na idade em que os ideais surgem e nos sentimos vivos em qualquer circunstância. Até tinha ido à guerra e voltado, tinha sido atropelado e sobrevivido!
O que eu tinha mesmo, era percorrido cerca de uma década e meia sem que tivesse dado por ela.
Era impossível que essa mudança drástica se tivesse dado naquele exacto momento em que dela eu me apercebi!
É claro que, fisicamente, a cada momento que tinha passado na minha vida, algumas células foram morrendo e outras nascendo, o meu cabelo tinha iniciado uma viagem sem retorno, a minha fisionomia tinha mudado, e o espelho lá de casa não tinha servido para nada, pois não me avisou! É igualmente claro que paralelamente a cada um desses momentos, a perspectiva que eu tinha das coisas, do mundo e de mim mesmo, com certeza que essa perspectiva foi igualmente mudando, só que o fez de forma tão sorrateira que, para mim, se tornou imperceptível, mas, de repente, e porque uma jovem me tratou por senhor, toda a percepção do mundo me caiu cima!
Aquela história do “eu sou assim”, “sempre fui assim” “serei sempre assim” firmemente convicto da minha permanência foi-me muito mal contada até ao dia em que caí na realidade porque algo tão simples como a palavra “senhor” finalmente me tocou/afectou.
Por esse tempo percebi e, claro aceitei, que até eu um dia teria um fim; fim que já conhecia e aceitara, mas para os outros … Na sequência, um sentimento de desilusão, ou talvez insatisfação instalou-se no meu íntimo, tal como no dia em que, ainda criança, desvendei o truque do ilusionista… já nada era o que aparentava ser…!
Nós, enquanto seres sencientes, por muito que nos custe admitir, não passamos de manifestações transitórias totalmente interdependentes de tudo o que nos rodeia.
Somos o somatório, não desagregável, neste ponto da vida em que nos encontramos, de matéria e consciência, ou corpo e espírito, se preferirmos.
Vivemos num meio muito escrutinado e de grandes expectativas, e, deixamo-nos levar pela ilusão de que são as certezas que nos farão felizes e quando a vida nos mostra que nada é controlável e que a permanência não existe, sofremos e somos os únicos responsáveis por esse sofrimento, e provavelmente apenas quando com clareza nos apercebermos que há uma grande harmonia nos caminhos naturais da vida, estaremos prontos para aceitar a impermanência.
O budismo tem da impermanência um conceito muito simples: “Nada é permanente, a não ser a própria impermanência das coisas”.
Continuadamente e em todo o tempo, as nossas vidas, interna e externa, se movimentam e por mais que julguemos que podemos controlar todas as coisas, ou pelo menos algumas, não o conseguimos; estamos apenas a escolher um guia errado, a ilusão; e a ilusão é perigosa, pois cria expectativas e necessidades que não existem.
Na descrição freudiana, o ser humano é um animal que nasce prematuramente, em condição de dependência absoluta, que desde cedo busca o amparo e a protecção necessários à sua sobrevivência, e é instado a responder a solicitações e injunções dos meios físico, biológico e cultural.
O “eu” da psicanálise é fragmentado e governado por forças que ele próprio não domina; é uma montagem mais ou menos bem-sucedida que leva o sujeito a agir no mundo, a buscar satisfações e a lidar de alguma maneira com o desamparo, a angústia e o desejo.
Esse “eu”, para usar uma expressão do filósofo Daniel Dennett, (28MAR1942 - 75 anos), éum centro de gravidade que não tem substância pois tudo nele deriva dos efeitos produzidos pelas interacções:
i) com os outros aspectos significativos de sua história;
ii) com o ambiente natural e simbólico que o circunda; e
iii) com as expectativas e desejos projectados sobre ele, mesmo antes que tivesse nascido, no desejo inconsciente dos pais”.
Afinal, o que é, ou quem é o “eu”? A não resposta parece ser a única resposta.
O rio da vida flui continuamente, mas para o “eu” da psicanálise, cuja existência depende de congelar esse fluxo de mudança, tal fluência é aterrorizante, pois não a conseguirá nunca tornar permanente, e isso, de certo modo, encaminha-o na direcção da impermanência. O que quer que pareça ser permanente na nossa vida é, na realidade, bastante temporário. Vem e vai incerto e inserto na roda da fortuna.
O fortuna
Velut luna
Statu variabilis
Semper crescis
Aut decrescis
Vita detestabilis
Nunc obdurat
Et tunc curat
Ludo mentis aciem
Egestatem
Potestatem
Dissolvit ut glaciem
Oh, fortuna
És como a Lua
Estado mutável
Sempre cresces
Ou decresces
A detestável vida
Ora oprime
E ora cura
Para brincar com a mente
Miséria
Poder
Dissolve-os como gelo

Carl Orff
(10JUL1895 a 29MAR1982) - "Cantiones profanæ cantoribus et choris cantandæ" …a roda da fortuna, girando eternamente, trazendo alternadamente a boa e a má sorte… é mais uma parábola da vida humana exposta à constante mudança.


De tudo o antes exposto resulta ser a impermanência um fenómeno, ou se quisermos, um conceito (gostemos ou não, tudo o que nos rodeia na cultura humana está conceptualizado e vemo-nos obrigados a usar os conceitos para podermos, com êxito, nos relacionar com os outros), um conceito que convém ser trabalhado se nos queremos aproximar do conhecimento e aceitação de nós mesmos, dos outros e deste mundo que nos contém e nos rodeia.
Claro que tudo tem um início e um fim; no planeta terra já viveram dinossauros… porém esta evidência de princípio e fim tornou-se tão translúcida que quase deixámos de a ver, o que, erradamente, nos pode levar a crer que certas coisas são eternas, sejam elas as casas que habitamos, as cidades que povoamos, as estradas que percorremos ou um sem fim de objectos que usamos. Acaba por ser esse mesmo conceito que erradamente aplicamos à nossa própria existência, mesmo sabendo que num dado momento, muito embora ainda desconhecido, abandonaremos este plano em que nos encontramos, continuando porém a comportarmo-nos como se fossemos, nesta configuração, por cá ficar eternamente.
Passamos e gastamos muito do nosso tempo no nosso plano actual, a fazer a manutenção constante das coisas, sempre em luta contra o caos (a entropia), e ainda assim, a entropia (o caos) acaba sempre por nos ganhar a batalha, pois todas as coisas, tarde ou cedo, acabam destruídas ou gastas e atiradas para o respectivo caixote do lixo, seja ele qual seja.
E isto ocorre e acontece com tudo, as relações incluídas (e nem sequer me vou referir às amorosas); o que era maravilhoso e quase eterno ao princípio, torna-se frágil, estranho, desnecessário, incómodo e todo o rol de tantos quantos adjectivos quisermos acrescer!
Por muito que queiramos e nos esforcemos por perpetuar certas coisas todas elas são finitas, incluindo as que só nos deixam no nosso fim. A impermanência acaba por se nos impor e a ilusão de criar uma eternidade “a la carte” daquilo que queremos prolongar traz consigo o apego, essa amarra que se converte numa pena que teremos que carregar, e tudo fará para manter em nós essa sensação de permanência, o que, duma forma ou doutra, mais cedo ou mais tarde nos irá conduzir ao sofrimento.
E assim nós existimos, mas existimos apenas porque a existência global, essa sim, permanece, mas permanece na sua impermanência e indiferente à nossa existência individual, e persiste em ser movimento contínuo, estar acima do bem e do mal, em não ter forma estática, em ser indefinível, inapreensível, cambiante, caprichosa e, para nós, “ilógica”; essa existência é e contém o vento, as árvores, a terra, as nuvens, as ondas, o conflito, o movimento, equilíbrio e o rio sob a ponte (recordo aqui Heráclito - ninguém vai duas vezes ao mesmo rio, pois nem o rio é o mesmo rio, nem o homem é o mesmo homem).
É importante, para não dizer necessário, cultivar o desapego como regulador universal do estado de alma; será essa a chave que nos permitirá crescer e passar a outro nível de funcionamento onde a impermanência seja permanente (Heráclito).
Nascemos sós e nus; conforme a nossa vida se desenrolar, passaremos por todas as situações possíveis: necessitar, possuir, perder, sofrer, chorar, tentar… etc., mas depois morreremos, e, tal como nascemos, morreremos sós, e aí não fará a menor diferença se fomos ricos ou pobres, conhecidos ou desconhecidos; com mais ou menos pomposo enterro, maior ou menor acompanhamento, a morte será sempre o grande e último nivelador da nossa passagem por este estado.
A Siddhartha Gautama (+- 563AC a +- 483AC**), o primeiro Buda (o Iluminado) atribuem a seguinte frase: “Há uma única lei do universo que não muda, e essa lei é que tudo muda”.
Por vezes, provavelmente muitas, temos/teremos alguma dificuldade em perceber a realidade, pois nosso ego possui vários, para não dizer muitos, momentos de permanência através do seu apego a sentimentos, a momentos e a pessoas; é uma defesa interna mas é igualmente uma ilusão, e esta é a maior e mais perigosa ilusão que podemos manter na vida, pois sempre que tentarmos controlar as coisas, tarde ou cedo, vamos perceber que as coisas não são controláveis, e daí provém a frustração, o que é bom, pois é essa frustração que nos leva à desconstrução e ao consequente fim do sofrimento.
Para sermos por inteiro e vivenciar tudo o que há para viver, teremos que colocar as ilusões de lado e olhar para a vida real tal como ela é, com toda a sua beleza e toda a sua impermanência.
Nós não precisamos de ser culpados das coisas!
Nós não precisamos de arranjar culpados para as coisas!

Concluindo:
Impermanência é um conceito segundo o qual tudo está em constante movimento; nada é estável, fixo ou imutável; nada, incluindo aquilo a que temos por hábito chamar de fim.

Ao que a lagarta chama o fim do mundo o mestre chama borboleta - Richard Bach (23JUN1936 – 81 anos).

Sendo ou estando tudo em impermanência quem é ou onde está o “eu”, que no fundo é o “nós”, porque “não passamos de manifestações transitórias totalmente interdependentes de tudo o que nos rodeia”?
Quem é e onde está então, e neste momento, o “eu/nós” que redigiu estas linhas?
Disse V\M\
ARS M\M\
*   Apenas por curiosidade; Drucker e Kierkegaard faleceram ambos a 11 de Novembro.
** Pode ser mera coincidência mas não deixa de ser interessante: Siddhartha Gautama é contemporâneo de Heráclito. Numa época em que, ao que eu saiba a globalização não ocorria ainda, nem mesmo aquela temporã dos Descobrimentos Portugueses, época em que não havia aviões como os de hoje que levam meio-dia a fazer esse trajecto, como é que dois indivíduos a 5.700 quilómetros de distância e desconhecendo a existência um do outro (ou não?) proclamam o mesmo?