11 agosto 2010

O teórico da conspiração


Tendo mostrado, no conjunto de textos anteriores, como uma simples e fácil busca de alguma informação desmonta uma das mais persistentes teorias da conspiração envolvendo a Maçonaria, uma última ponta sobra para desenredar este afinal tão simples novelo: como é possível que uns criem tão toscas atoardas e outros tão candidamente nelas acreditem?

É possível porque a capacidade humana de fazer o inesperado é verdadeiramente inesgotável, digo eu!

Criar tão toscas atoardas decorre, ou de simples e canhestra má fé de quem procura atingir quem não gosta e inventa parlapatices para enganar os incautos - e desses não curo, porque a desonestos não dou importância -, ou de inesperada incapacidade de ajuizar com lógica sobre factos desconexos - e a estes, bem vistas as coisas, nem sequer censuro, porque quem a mais não pode, a mais não está obrigado.

Os verdadeiros teóricos da conspiração - porque os outros, os desonestos, são apenas cáfila inconsiderada e inconsiderável, de má memória e nula honra - são pessoas com uma incapacidade atroz de analisar factos dispersos com um mínimo de lógica, relacionando o que não é relacionável, generalizando o que não é suscetível de generalização (e pouco o é!), unindo o que não tem ponta por onde se lhe pegue. Qualquer boato assume o cariz de verdade absoluta, qualquer hipótese, por muito absurda que seja, atinge foros de certeza inabalável, qualquer especulação se transforma em verdade absoluta, num desvario em que a imaginação se sobrepõe à razão, o sonho à realidade, a hipótese à verificação.

O homem de ciência formula hipóteses e testa-as experimentalmente. Se as hipóteses se confirmam, em experiências repetidas e repetíveis, passam a ser consideradas verdades científicas; se as experiências não confirmam as hipóteses, disso busca o cientista ensinamento para, à luz dos resultados obtidos, formular novas hipóteses, que submeterá de novo à prova de fogo da experimentação.

O teórico da conspiração, pelo contrário, encanta-se por uma hipótese que assola o seu espírito e toma-a por verdadeira e apregoa-a como tal, não só sem se preocupar em testá-la através da experiência, como rejeitando toda e qualquer demonstração da inveracidade da sua adorada iluminação.

O cientista quer saber. Ao teórico da conspiração apenas interessa a sua especulação, elevada por artes da sua vontade ao patamar do que ele passa a considerar verdade absoluta e inderrogável.

O teórico da conspiração tem, mais que uma incapacidade, um desinteresse inato pela verificação das suas mirabolantes hipóteses, pela busca de informação que confirme, alicerçando, ou infirme, derrubando, a sua querida efabulação.

Que ninguém venha com os seus factos perturbar os belos argumentos de um teórico da conspiração - não só não são, sequer, ouvidos esses factos, como o que ousa atalhar com a simples e chã lógica é repelido como conspirador, cujo único objetivo é impedir, subverter, dificultar, o conhecimento generalizado da "verdade" proclamada pelo teórico da conspiração. Simples factos - verificáveis - são inaptos para abalar qualquer dos brilhantes argumentos do teórico da conspiração.

Ao teórico da conspiração não importa se e vero; basta-lhe que lhe pareça bene trovato.

O teórico da conspiração efabula alegremente ao sabor da sua inspiração, de forma a denegrir quem não gosta, ao arrepio da lógica, da razoabilidade, da verdade. Relacionar factos dispersos ao sabor da sua imaginação criadora, extraindo conclusões que se não podem extrair, vendo tenebrosas ligações entre factos independentes e coincidentes apenas pela força das coisas, é a sua especialidade, amorosamente cultivada contra e acima de tudo e de todos.

O teórico da conspiração facilmente extrai uma curiosa conclusão, por exemplo, deste acervo de factos, cada um por si verdadeiro, mas não relacionáveis necessariamente:

- A Loja Mestre Affonso Domingues trabalha no Rito Escocês Antigo e Aceite;
- A cor do Rito Escocês Antigo e Aceite da Maçonaria é o vermelho;
- A cor da camisola do equipamento principal do Benfica também é o vermelho;
-Os maçons Rui Bandeira, José Ruah e JPSetúbal são obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues
- O maçom Rui Bandeira é adepto do Benfica; o maçom José Ruah também; o maçom JPSetúbal, idem;
- Os maçons não revelam a identidade, os nomes, dos outros maçons (que, sendo ainda vivos, não se tenham assumido publicamente como tal) - ou seja, a quem lhes pergunta, respondem: No Names, Boy!;

CONCLUSÃO (obviamente brilhante e irrefutável): a claque adepta do Benfica No Name Boys foi criada pela Loja Maçónica Mestre Affonso Domingues!!!!

Pouco importa que isto não tenha qualquer lógica, que se extraiam conclusões de factos não interrelacionáveis. Uma vez que à mente do teórico da conspiração assole esta ideia, passa, de imediato, à categoria de Verdade Irrefutável, a ser divulgada e repetida, à exaustão, contra toda e qualquer demonstração da sua irrazoabilidade!

E isto não é o pior!

O pior é que, mal um teórico da conspiração lance esta excelsa "verdade", logo outro não menos diligente teórico da conspiração fará mais uma "extraordinária descoberta":

- Vários elementos da claque No Name Boys foram condenados, em 1.ª instância (no momento em que escrevo isto a sentença ainda não transitou em julgado, mas isso não interessa nada, para um teórico da conspiração que se preze...) por tráfico de drogas e posse de armas proibidas.

SEGUNDA CONCLUSÃO (não menos brilhante e obviamente não menos irrefutável):

Os maçons fazem tráfico de droga e possuem armas proibidas!!!

O exemplo é obviamente exagerado e disparatado (chama-se a isto, em Lógica, a Demonstração do Erro pelo Absurdo). Mas não ponho as mãos no fogo de que, um dia deste, não apareça um iluminado qualquer a clamar que os No Name Boys são todos maçons e que os maçons fazem tráfico de droga e possuem armas proibidas... invocando em abono da sua tese este texto, ao abrigo do princípio (obviamente irrefutável...) com a verdade me enganas...

Que os teóricos da conspiração, pobres espíritos que a mais não alcançam, se entretenham com alarvidades deste género, isso a mim não me preocupa. Afinal, dos simples é o Reino dos Céus... O que me admira, me faz abrir a boca de espanto, é que gente manifestamente inteligente, e culta, e capaz, aceite sem sombra ou rasto de espírito crítico, as baboseiras espremidas de tão simplórios espíritos, no fundo e afinal numa mistura de crendice acéfala com a mais pura preguiça de verificar a veracidade de factos e da sua efetiva possibilidade de relacionação.

Que um simplório qualquer tenha parido a abstrusa tese de que os maçons - vá-se lá saber porquê, para quê e com que vantagens - conseguiram, à socapa e à falsa fé do Povo, inserir símbolos seus na nota de um dólar americano, não me preocupa. O que me perturba é que, anos passados, ainda haja gente inteligente, culta e capaz que acredite nisto, sem sequer se dar ao trabalho de gastar cinco minutos (não precisa de mais...) para verificar a perfeita insanidade deste disparate!

Mas isto sou eu, que me sinto incomodado por estes maçadores dos teóricos da conspiração andarem para aí a denunciar tudo e todos e temo que ainda descubram o meu maçónico plano de agente de forças extraterrestres para dominar a Terra e entregar, de mão-beijada, a sua escravizada população ao domínio dos senhores de Sirius, que há uma mão-cheia de anos deram uns quantos segredos aos meus antepassados maçons, para com eles executarmos tão execrando plano (Uupppsss! Entusiasmei-me... Isto não era para escrever... Era segredo... Façam de conta que não leram esta última frase e continuem felizes enquanto preparamos o dia do Domínio Final...).

Rui Bandeira

28 comentários:

Nuno Raimundo disse...

Boas...

E vai haver festa para esse Dia do Domínio Final??
Se houver, gostava de ser convidado, pode ser??
;)

abr...prof...

J disse...

Também gostava de participar, mas se os "no name boys" vão, acho que fico a ver na tv!
Abç.
Bird

Rui Bandeira disse...

@ Nuno Raimundo:

Já está inserido na lista de convidados!

@ J:

E em qual dos canais é que ao amigo lhe dá jeito que nós providenciemos a transmissão?

Ribas disse...

Bem, isto é um autêntico manifesto anti-teóricos da conspiração.
A verdade é que todos conhecemos a falta de seriedade das suas mirabolantes teorias, ainda assim, acho que merecem a nossa tolerância.
Infelizmente, muita gente chega até à Maçonaria pela mão destes artistas. Eles dão visibilidade e aguçam a curiosidade da população. Depois de mergulhar neste mundo, os curiosos mentalmente honestos, tendem a aprofundar os conhecimentos e não raras vezes, descobrem uma inclinação pessoal para abraçar esta grande família.
Esta é a minha teoria pró teóricos da conspiração. Deixai-os conspirar à vontade, quanto mais não seja, porque me fazem rir.
E rir é sempre um bom remédio.

jpa disse...

Caro Rui Bandeira;

Uma ou duas questões:

1ª) Fartou-se de rir a escrever este texto? Gozou à brava?

2ª) O que fazer se aparecer um cachecol na claque dos NN a dizer "Força RLMAD"?

O texto está demais continue.

Cumprimentos
JPA

José Restolho disse...

Caro Rui:

De facto não deveria ter "vertido" a informação sobre o pacto com os extraterrestres... Felizmente para nós nem as pessoas, nem os próprios ETs sabem do pacto que temos com o Lúcifer e, consequentemente com os Bruxo Sô Zé...

Achei o texto fantástico...

TAF

Rui Bandeira disse...

@ Ribas.

Concordo consigo que devemos usar da Tolerãncia.
Mas, como costuma referir o José Ruah, o primeiro Grão-Mestre, Fernando Teixeira, ensinava frequentemente que "o limite da Tolerância é a Estupidez". Procuro não atingir nunca ess limite...

@ jpa:

1) Claro!

2) Nada! Só demonstrava que no meio dessa claque havia quem não se limitava ao futebol e... lia o A partir Pedra!

@ José Restolho:

Pactos com Lúcifer e cpm Bruxos Sô Zé não são reconhecidos...
O único oficial é com os et'S (UUPPSS! Lá me descaí outra vez...)

Paulo M. disse...

@Rui:
Continua a descair-te assim e depois queixa-te que não chegas a Grau 36 nem recebes os 144 escravos mais o templo em teu nome no Asteróide de Férias... (Ups... Acho que não devia ter mencionado os Graus Etéreos)

JPSetúbal disse...

Felizmente a temperatura melhorou um pouco, porque vocês estão todos passados da moleirinha.
Como tenho andado afastado aproveitaram-se para arranjar outro pândego de serviço... Vão chegar longe, vão...
Abraços de 1º grau.

Diogo disse...

No Blogue PortadaLoja - 30.12.2008:

A Maçonaria que "dá a cara"

A revista Sábado, hoje publicada, sob assinatura de António José Vilela, trata "O poderoso triângulo da Maçonaria" portuguesa, com a nomeação de alguns membros das "três mais importantes lojas maçónicas em Portugal": a Mercúrio, Mozart e Brasília. Faltam outras, claro, como a Universalis, tratada em artigo anterior. Mas as guerras intestinas, dão nisto: só se expele o que não serve.
Uma fonte do jornalista, não deixa lugar a dúvidas sobre as intenções dos caminheiros do Bem: "ser a elite da Maçonaria e ter poder. Muito poder."
"O poder destas lojas, é o reflexo da influência dos seus membros" , escreve o repórter para apresentar a loja Mozart, liderada por um tal Nuno Vasconcellos, que é assim apresentado:

"Empresário da área dos media, ele é o homem da Ongoing Strategy Investments, a holding da família Rocha dos Santos que há poucos meses adquiriu os jornais Diário Económico e Semanário Económico, que é a segunda maior accionista do Grupo Impresa e que detém 6,9% da Portugal Telecom e 3,5% da Zon".

E é aqui que bate o ponto. O grupo Impresa é o grupo de Balsemão que segundo alguns, terá sido o principal factor de pressão para a decisão do primeiro-ministro, em apoiar o BPP, depois de o seu ministro das Finanças ter dito jamais.
Como é dito, o Expresso, dirigido por Henrique Monteiro, à Maçonaria deve obediência. Nada espantaria que o novo génio da cretinice jornalística da SIC-Notícias, e também do Expresso, seja novel membro da agremiação. A SIC, cela va de soi.

A revista Sábado é do grupo rival, a Cofina de Paulo Fernandes, pretendente a um naco mais substancial de influência mediática e portanto explica-se por aí, o interesse em apontar nomes, moradas e estratégias do concorrente, tentando mostrar-lhe a careca.

(Continua no próximo comentário)

Diogo disse...

(Continuação):

Tal manobra já analisada no blog Do Portugal Profundo, configura uma luta de facções a Maçonaria, onde avultam os nomes de José Manuel Almeida Ribeiro, o assessor do PM e outros [ redacção alterada],remete no entanto, para outro aspecto mais central e nuclear: qual o papel da Maçonaria global, no exercício do poder político em Portugal?
É questão que deveria ser colocada e bem mais importante do que o fait-divers dos poderes governamentais versus presidenciais.

Os nomes citados pela Sábado, dão conta de peonagem importante em diversas instituições do Estado, infiltrações maçónicas com o objectivo confessado anonimamente de conquistar poder, muito poder.
E por isso, vemos os nomes de responsáveis do SIS do SIEDM, das Forças Armadas e militarizadas, universitários etc etc.
Fazendo o paralelo com a antiga Loja P2, italiana, a semelhança, ressalta á vista desarmada: um interesse notório em recrutar membros das forças militares e da segurança, numa relação de quase um para quatro, em confronto com o grupo seguinte mais representado, o dos políticos, dirigentes bancários, universitários, industriais, jornalistas e magistrados.

A P2, nos anos oitenta, foi considerada pelo então presidente Sandro Pertini, uma associação de malfeitores. E foi perseguida criminalmente, porque se descobriu que tinha exactamente aquele objectivo concreto: poder, muito poder. De tal ordem, que levaria à subversão do regime, tornando-o uma democracia de nome, apenas.

Em Portugal, estaremos perto desse fenómeno, com estas escolhas e filiações de peonagem maçónica no coração do aparelho de Estado?

O que resta ao director do SIED, Jorge Silva Carvalho, apontado já por duas vezes, como membro emérito do clube que pretende o "poder, muito poder"? A demissão, com certeza. E que já tarda. E a de dois nomes importantes do SIS, indicados por inicial- F.R e J.A. Idem aspas. E ao assessor número um de Sócrates. Obviamente...

Outra pergunta: que interesse particular têm estas organizações secretas que não "dão a cara" e se apresentam como autênticos "cobardes" da democracia aberta e dela têm medo, nos peões de brega das instituições militares e de Segurança? Brincar aos cóbóis?

Paulo M. disse...

@Diogo: Teria sido mais eficaz apenas apontar o link para o texto em questão, que está mais legível no original, em vez de o transcrever na íntegra - além de que o texto terá direitos de autor...
Especificamente quanto à "Loja" P2, leia o artigo da Wikipedia em inglês e verá que a P2 foi considerada ilegal pela própria Maçonaria. Qualquer paralelismo com qualquer Loja Maçónica em Portugal é um exercício de má fé.
Agora, que a percentagem de "políticos, dirigentes bancários, universitários, industriais, jornalistas e magistrados" na maçonaria é superior à que se verifica na sociedade, não é senão normal. Espere por um artigo meu sobre o assunto, e sobre a verdadeira "pirâmide (talvez não tão) oculta".

Um abraço,
Paulo M.

Daniel Simões disse...

O tom dos comentários aqui apresentados, para além de roçarem a falta de ducação, a baixeza de comportamento, apenas confirmam aquilo que temos vindo a descobrir: que a maçonaria não é uma escola de amadurecimento espiritual, mas um grupo de colegiais que brincam aos secretismos de uma forma extremamente perigosa e abrangente.
Quando deveriam preservar um comportamento equilibrado (uma vez que são a cara de uma instituição que se diz ser digna), somente vincam em muitos de nós aquilo que eu tenho visto em 95% dos maçons que tenho conhecido: arrogância, vaidade, mau carater, escárnio entre outras posturas de baixo nível.
Surgindo aqaui algumas pessoas de espírito aberto ao diálogo para compreender se afinal as suas visões sobre a maçonaria estão corretas, ou não, eis que a recepção que a elas se aprochega é de desalinho, mal dissência e chacota.
Como é possível tal coisa?
Simples: a maçonaria é uma ordem que procura o poder e o dominio através da manipulação e do minimalismo das classes.
Se a maçonaria, pelo contrário, é digna, então, cavalheiros, comportem-se e tenham juizo, pois, a imagem que estão transmitindo daquilo que representam está muito além do comportamento social educado e civilizado.

Afinal, segundo os vossos carateres, parece que nós, os teóricos da conspiração prática que está acontecendo, não estamos muito longe das verdades sobre as intenções de domínio global em que a maçonaria está inserida até ao pescoço.

Que a Luz do Divino Mestre nos acompanhe a todos.

J disse...

"O preconceito é filho da ignorância". 95% de zero é = Zero. Ou seja não conheçe nehum verdadeiro MAÇON (ainda bem...para eles)!

É infame julgar personalidades que se afirmaram ao longo da sua vida pelas qualidades profissionais e pessoais... e lançar a suspeita que são o que são, só porque são MAÇONS que querem ter o poder. Muito poder!

Parece que vende...!
Abç.
Bird

Rui Bandeira disse...

@ Diogo:

Obrigado por ter exemplificado com ese "artigo" como afirmações desconexas, meias verdades e insinuações são a ferramenta dos teóricos da conspiração mal intencionados...

@ Daniel Simões:

Não basta fazer afirmações estrondosas. Convém fundamentá-las. Faça o favor de esclarecer, com indicação dos excertos de textos respetivos, onde viu aqui "falta de educação". Faça o favor de identificar uma frase, uma palavra que seja que constitua da minha parte "baixeza de comportamento". assim caraterizo eu o comportamento de quem faz acusações gratuitas...
Por outro lado, não tendo eu a pretensão de ser perfeito (se me considerasse perfeito não buscava a Maçonaria para me aperfeiçoar), solicito que me indique os excertos de texto lhe permitem classificar -me como sofrendo dos defeitos de:
19 Arrogãncia;
2) Vaidade,
3) Mau caráter,
4) Escárnio;
5) Posturas de baixo nível.
Se o não fizer, e mantiver essa postura de falso moralista ofendido, terei de concluir que o seu propósito foi apenas o insulto - e ficará a falar sozinho!
E um detalhe final, para que se não arrogue importância imerecida: estou de férias e este texto, como todos os que foram e serão publicados em agosto, foi escrito e agendado para publicação antes do final de julho, quando daniel Simões ainda não tinha efetuado qualquer comentário neste blogue. O teórico da conspitração no texto retratado é uma figura abstrata. Se daniel Si´~oes enfiou a carapuça fê-lo sozinho, sem qualquer ajuda minha...

Nuno Raimundo disse...

Boas...

Estive a pensar sobre o que li atrás, pq de vez em quando tb tenho de exercitar o "músculo cerebral" senão ele atrofia, e fiquei a pensar, será que no Mundo inteiro não existem em maior quantidade Teóricos da Conspiração do que Maçons??

Se sim, então porque não se juntam eles e fazem uma revolta e ficam a tomar "conta" disto tudo ( relegando os maçons para segundo plano)??
Será pq tomar "conta" disto tudo dá trabalho e é preferivel e mais fácil viver em fantasias e novelas de SCI-FI??
Ou será que não são tão unidos assim entre, que de uma forma coesa, lutem pelos seus ideias??

Fico a pensar nisto, mas também não consigo chegar a nenhuma conclusão. ( bem tb não acredito em teorias "estranhas"...)

abr...prof...

Daniel Simões disse...

Chamar os outros de patetas, pândegas, toscos de má fé, desonestos, sem juízo, incapazes, especulativos, quando imensos dos que acreditam que a maçonaria é uma das ordens que está diretamente envolvida nas intenções totalitárias de uma nova ordem mundial, são pessoas de nível educativo socialmente levado (mestres, doutores e bacharelatos), é, no mínimo, querer jogar areia nos olhos de muitos.

Como explicam que uma lista dos membros da P.I.D.E./D.G.S. esteja nas mãos da maçonaria???
Como explicam a predominâcia de maçons no senado e nas assembleias legislativas brasileiras???
Como explicam que o moto da ONU seja exatamente igual ao da maçonaria (fraternidade, igualdade e liberdade) e que se utilize de símbolos maçónicos internacionais para construir o símbolo da organização?

E isto são só alguns exemplos, porque poderia fazer imensas perguntas a que os cavalheiros se recusam sempre a responder de forma documental, ou pelo menos, lógica.

Daniel Simões disse...

Porque foram tantos presidentes dos EUA maçons?
Porque foram os primeiros presidentes de Portugal, no sec XX, maçons?

Daniel Simões disse...

Porque todo o centro de Lisboa é um monumento maçon? Porque, mais uma vez, foi reflexo de um maçon no poder, Marquês de Pombal...
Basta ler Fernando Pessoa, ou Eça de Queirós para ficarmos a conhecer o poder da maçonaria na sociedade portugesa e brasileira...
O que dizer dos EUA então?
Ou de França?
Ou de Espanha?
Porque é que afinal são tantos países com predominância de maçons no poder e com predominância de simbologia maçon em suas arquiteturas, selos oficiais, dinheiro, etc?

Rui Bandeira disse...

1) No texto não se chama ninguém de, nem se utilizam os termos, pateta, pândego, tosco, etc..

2) Não houve exemplos, nem retratação; por mim, não haverá mais diálogo.

3) QUOD ERAT DEMONSTRANDUM! Os três comentários anteriores ilustram e exemplificam bem, creio eu, a tese que defendi no texto.

Daniel Simões disse...

Então o cavalheiro precisa reler o texto, assim como os cometários feitos pelos talhadores...

Nuno Raimundo disse...

BoAS...
Caro Daniel, como falou em comentarios, posso lhe afirmar que para além de comentador, sou profano, tal como Você deve ser.

Agora ter uma atitude negativa , perante quem aqui escreve de Boa-Vontade e tenta ensinar os demais, de uma forma Honesta e Correta é que é "ultrapassar a linha".
é com atitudes deste tipo, que depois quem quere mostrar o que é Arte Real, se fecha e nada mostra aos restantes, e depois com razão.

Para se aprender tem de se respeitar, e se o post tem um tom humorístico, é porque ele mesmo assim o merece.
Se existe uma conspiração mundial por parte dos maçons, como é que eles em 300 anos , ou falando em milénios como alguns afirmam, dado a " relação" entre Maçonaria e Egipto/construção de pirâmides; como é que ainda não estamos debaixo do seu jugo?
Como existem ainda democracias onde as pessoas podem VOTAR e ELEGER os seus representantes no Governo?
Como é que ainda não vi nenhum reptiliano a passear na Baixa( visto ser "maçónica") e por aí fora...

Se o desenho da Baixa Pombalina é "simbologia maçónica", deve-se ao facto de quem a desenhou, talvez, gostar desse tipo de planta e desenho, e se era maçon, facilmente transpunha para o papel os simbolos de que gostava, tal como outro arquitecto qualquer nos dias de hoje, desenha as plantas como entender ou como o seu cliente preferir.
Se os primeiros presidentes da república foram maçons, eles foram presidentes, porque eram principalmente Republicanos,e apenas por isso.

Se no Brasil exitem maçons em cargos politicos, é porque os brasileiros votam neles, porque eu não conheço nenhum que tenha sido imposto à população sem sufragio nas eleiçoes.
E porque não pode uma Organização como a ONU, ter como mote iedias limpos e puros como a Fraternidade, a Liberdade, e a Igualdade? Seria preferivél ter, Totalitarismo, Despotismo e Escravatura??

E volto a reafirmar, se existem Maçons em cargos politicos é porque o Povo os mete lá através de eleiçoes.

Por isso, não venha o Daniel, por em causa outros profanos que também querem aprender algo, e toldar as suas ideias, com fantasias sem credebilidade cientifica. :)
É que a Sua atitude prejudica os demais. :)

abraços profanos

Diogo disse...

A MAÇONARIA

Após a revolução liberal de 1820 planeada por maçons congregados numa sociedade secreta política, o Sinédrio, que aboliu o absolutismo monárquico em Portugal, a dominação inglesa foi expulsa com a sua influencia maçónica e novos contactos apenas ocorreriam em 1828, quando a restauração do absolutismo com o rei D. Miguel I forçou diversos maçons, liberais e intelectuais portugueses ao exílio em Inglaterra, onde fundaram em Plymouth a loja Fidelidade nº 14 do Grande Oriente Lusitano. Desde 1820, as relações diplomáticas entre as Maçonarias inglesa e portuguesa restringem-se estritamente a meros contactos de cortesia. Com a consolidação do liberalismo após a capitulação e subsequente expatriação do rei D. Miguel I na Convenção de Evoramonte, em l834, a Maçonaria portuguesa vincula-se progressivamente mais à crescente politização da sociedade civil, cada vez mais cindida em tendências ideológicas polarizadas. Reflectindo assim perfeitamente o espectro político nacional, a Fraternidade maçónica em Portugal decai de forma significativa ainda hoje (restringindo-se à mera defesa ético-cívica dos ideais liberais e em função do seu passado clandestino), centrada numa aparência filantrópico-moral que desfigurou a sua essência iniciático - beneficente.

Diogo disse...

Proclamação da República Portuguesa

António José de Almeida ficou encarregue da organização das sociedades secretas, como a Carbonária, em cuja chefia se integrava o comissário naval António Maria Machado Santos, a Maçonaria, embora esta independente dos órgãos do partido, e a “Junta Liberal”, dirigida pelo Dr. Miguel Bombarda. A este eminente médico se ficou a dever uma importante acção de propaganda republicana sobre o meio burguês, que produziu muitos simpatizantes.

As forças armadas foram outro campo de recrutamento para os ideais republicanos, inevitável dada a orientação revolucionária escolhida. Embora já existisse um núcleo republicano, quando em 1909 se começou a preparar a revolução a curto prazo, havia falta de oficias no movimento. Esta falta foi suprida por acção conjunta da Maçonaria, do almirante Cândido dos Reis no Comité Militar Republicano (que recrutou a maior parte dos oficiais) e de Machado dos Santos na Carbonária.


Abraço

Paulo M. disse...

Quererá, talvez, o Diogo ir lendo sobre as diferenças entre a Maçonaria Inglesa e a Maçonaria Francesa, também conhecidas por Maçonaria Regular e Maçonaria Liberal, enquanto não publico aqui um artigo sobre o assunto na sequência dos que tenho escrito.

A GLRP/GLLP, obediência de que faz parte a Respeitável Loja Mestre Affonso Domingues, é Regular, e reconhecida pela Glande Loja Unida de Inglaterra. O GOL, ou Grande Oriente Lusitano, é Liberal, e reconhecido pelo Grande Oriente de França. À luz destes factos, queira reler a totalidade do texto que indicou.

Um abraço,
Paulo M.

Nuno Raimundo disse...

Boas...
Afinal eram apesar de maçons, Republicanos! Já andava eu preocupado que por lá andassem tb monárquicos. :)

Pessoalmente, para mim, tanto me faz se sejam os maçons ou não a governar o Mundo.
Que alguém tem de mandar nisto, tem.
O ser humano sem regras rigidas, não sabe "viver". :)
Observe-se a crise de valores que existem desde o fim da decada de 90 do secúlo passado.

abr...prof...

J disse...

Talvez uma visita ao Museu da Guerra Civil de Espanha/Maçonaria, em Salamanca, consiga dar ao Diogo e Daniel, uma perspectiva do real papel desempenhado, e dilua os preconceitos. "para que o mal triunfe basta apenas que os Homens de bem nada façam", ainda existem homens de Bem? Sim! Felizmente! São Maçons? Sem Dúvida! Também!
Abç.
Bird

Lindemann disse...

É uma pequena que nem todos homens podem ser maçons, mas se o pudesse teríamos um mundo muito melhor e mais fraterno.
TFA
Josiel