17 outubro 2007

"Estados Maçónicos da América" - 2

Afinal consegui ver o documentário. E gostei. É um documentário sério, bem feito e, sobretudo, com rigor factual. Com efeito, tanto quanto me pude aperceber, todos os factos ali mencionados são rigorosamente verdadeiros. Quanto à sua interpretação ou aos comentários em relação a eles produzidos, posso concordar ou discordar, achar que está certa ou errada, mas impõe-se reconhecer que a postura dos autores do documentário é equilibrada e sensata.

É certo que lá vieram à baila os símbolos maçónicos da nota de dólar e o projecto urbanístico de Washington e ainda o caso Morgan. Mas tudo isso veio a propósito, foi devidamente enquadrado e inserido num relato cronológico da instauração e evolução da Maçonaria em solo americano, feito com uma louvável objectividade jornalística.

Não lograram fugir à tentação de formular questões sensacionalistas e de verbalizar suspeitas sem fundamento? Não, não lograram. Mas o documentário é feito por quem está de fora da Maçonaria e para quem está de fora da Maçonaria. É natural que, por desconhecimento, tenham sido formuladas. É natural que quem está de fora se interrogue sobre o que realmente é a Maçonaria e sobre a razão da sua fama de secretismo. Se tal não nos agrada, somos nós, maçons, que temos de fazer alguma coisa em relação a isso, não quem está de fora e se interroga a nosso respeito.

É a nós, maçons, que cabe a tarefa de desmistificar a nossa fama de secretismo, elucidando sobre os nossos princípios, os nossos objectivos e sobre o nosso método. E também esclarecendo as razões porque não gostamos de divulgar as poucas coisas que não divulgamos. Há tempos, publiquei, aqui no A Partir Pedra, um texto em que, a propósito da Cerimónia de Iniciação, julgo ter esclarecido, de forma entendível por toda a gente, porque não divulgamos como é essa cerimónia. Qualquer pessoa de boa fé entende a lógica da razão apresentada e, assim, não alimenta suspeitas infundadas. Se assim nós, maçons, procedermos, se colocarmos à disposição do conhecimento público tudo aquilo que não é matéria reservada nossa e se, em relação a esta, dissermos claramente que é reservada e apresentarmos a razão por que o é, de forma clara e compreensível, faremos mais pelo derrubar dos preconceitos contra a Maçonaria do que com mil polémicas com os histéricos das teorias a conspiração...

O documentário em causa apresentou factos objectivamente verdadeiros. Efectuou análises sensatas e especulações compreensíveis. Referenciou, mais do que uma vez, a irrazoabilidade das teorias da conspiração e das posições anti-maçónicas dos fundamentalistas religiosos. Formulou perguntas que é natural que quem está de fora formule. É, em resumo, um trabalho sério e de qualidade. Se e quando o canal Infinito o retransmitir, ou o transmitir noutros pontos do globo, recomendo que seja visto por quem tem interesse pela Maçonaria.

Rui Bandeira

5 comentários:

José Eduardo Sousa disse...

Gostei do documentário, tirando um problema técnico do som em relação á imagem. Existe um outro, uma produção do History Channel, muito interessante. Em duas partes, a primeira acerca das origens da Maçonaria e a segunda acerca da influência da Maçonaria nos Estados Unidos da América. Muito equilibrado e esclarecedor. Sabiam que chegou a existir o Partido Anti-Maçónico, não tinha mais nenhum objectivo ou programa, era simplesmente anti-maçónico...

Abraços3

NuNo_R disse...

bOAS...

Foi de facto a repetição da reportagem que já tinha sido emitida anteriormente.
E a série a que pertence ( vi todos) é bastante interessante.


abr...prof...

Simple disse...

Segundo o Sapo, no próximo Sábado, dia 20-Out-2007, há mais, pelas 19:00. Ou será uma reposição? Vou ver se desta não perco... Ou alguém terá gravado o anterior, e quererá disponibilizá-lo?
Por falar em disponibilizar, quem queira ouvir o "Olhos os olhos" (que deu no Rádio Clube Português no passado dia 23 de Setembro) entre o actual Grão-Mestre do GOL e Frei Bento Domingues, pode fazê-lo aqui.

Um abraço,

Simple Aureole

José Eduardo Sousa disse...

Caro Simple, bem hajas por ter colocado este documento. Já muito tinha ouvido falar desta conversa, sem ter tido oportunidade de a ouvir. Excelente debate. Creio que permite desmistificar alguns complexos que existem, como dizia o I.'. Mário Martim Guia, ainda se pensa que os maçons são os Mata-Padres. Ficamos, depois de ouvir esta discussão, muito mais esclarecidos acerca das posições que dividem um Maçon e um Católico, que não são grandes como tudo isso. Até o modo intimista como o debate decorreu permite perceber que o caminho é o de encontro de boas vontades. Mais uma vez, obrigado e bem hajas.

Abraços

Simple disse...

@José Eduardo Sousa:
Não tem do quê! Também achei o programa muito interessante, não obstante estar à espera de mais confronto e argumentação... e não esperava de modo algum que eles fossem velhos amigos!

No entanto, apesar de algo morno, achei o programa esclarecedor e instrutivo - e, acima de tudo, sério, que é algo que, infelizmente, não se pode dizer da maioria dos programas versados sobre esta temática...

Noto, por fim, que o programa não foi com Mário Martin Guia, Grão-Mestre da GLLP/GLRP, mas com António Reis, Grão-Mestre do GOL.

Abraços,

Simple Aureole