27 dezembro 2007

DESIDERATA

O americano Max Ehrmann nasceu na Terre Haute, na Indiana, em Setembro de 1872, filho de emigrantes alemães.
Idealista e poeta, além de advogado e filósofo, produziu em 1927 um poema a que chamou “Desiderata” que é verdadeiramente uma lição de vida a seguir.

Desiderata é, provavelmente, o “concorrente” mais firme do famosíssimo “If” de Rudyard Kipling.
Porque já anteriormente recorri a ele, por razões muito pessoais e em ocasião particularmente solene para mim, resolvi hoje trazê-lo ao blog, em época de recorrência a sentimentos solidários e tolerantes.

E a vida que defendemos não é isto ?
E o trabalho a que nos dedicamos não tem este sentido ?
O que está aqui não é Maçonaria ?

Claro que é !
E é-o de forma clara e provocante. Sigamos Max Ehrmann e iremos dar, garantidamente, a uma vida mais simples, mais alegre e mais feliz.
É bom rever estes princípios e ensinamentos na época que passa.
E já agora uma revisão de quando em quando também é capaz de fazer bem.

DESIDERATA
Max Ehrmann (1927) advogado e filósofo

Vai suavemente por entre a agitação e a pressa e lembra-te da paz que pode haver no silêncio.
Sem seres subserviente, mantém-te em paz com todos.
Diz a tua verdade calma e claramente e escuta com atenção os outros ainda que menos dotados ou ignorantes, também eles têm a sua história.
Evita as pessoas barulhentas e agressivas pois são mortificações para o espírito.
Não te compares com os outros, podes tornar-te presunçoso ou melancólico pois haverá sempre alguém superior ou inferior a ti.
Alegra-te com os teus projectos tanto como com as tuas realizações.
Ama o teu trabalho, mesmo que ele seja humilde, pois ele é um verdadeiro tesouro na contínua mudança dos tempos.
Sê prudente nos teus negócios pois o mundo está cheio de estultícia mas que isso não te cegue a ponto de não veres a virtude onde ela existe.
Muita gente luta por altos ideais e em toda a parte a vida está cheia de heroísmo.
Sê tu mesmo e sobretudo não simules afeição nem sejas cínico em relação ao amor pois, perante a aridez e o desencanto ele é perene como a relva.
Toma amavelmente os conselhos dos mais velhos e renuncia com graciosidade às ideias loucas da juventude.
Cultiva a fortaleza de espírito para que não sejas apanhado de surpresa nas ciladas inesperadas da vida.
Não te aflijas com perigos imaginários:
muitas vezes o medo é resultado do cansaço e da solidão.
Além de uma disciplina salutar, sê gentil contigo mesmo.
Tu és um filho do Universo e tal como as árvores e as estrelas, tens o direito de o habitar. E quer isto seja ou não claro para ti, o Universo é-te disto revelador.
Mantém-te em paz com Deus, seja qual for o conceito que Dele tiveres.
Mantém-te em paz com a tua alma apesar da ruidosa confusão da vida.
Apesar das suas falsidades, lutas e sonhos desfeitos, o Mundo é ainda maravilhoso.
Sê cuidadoso.
Luta. Luta para seres feliz.

O primeiro verso traz-me a recordação de uma entrevista a que assisti há muito pouco tempo, 2 ou 3 dias, durante a qual José Tolentino Mendonça (Escritor e Padre) disse algo que me ficou... "...os indianos dizem que o silêncio é a linguagem de Deus. Mas é a dos homens também. Nós sabemos ! "
A entrevista teve por tema o "silêncio" e foi um notável pedaço de televisão.
JPSetúbal

1 comentário:

NuNo_R disse...

BoAS...

bONITO TEXTO e bastante educativo.
Não o conhecia e o JP_Setubal fez muito bem em o partilhar com todos...


abr...prof...