26 junho 2017

As Lojas e a Grande Loja: conceção centralista - e sua crítica


A Maçonaria só se estabeleceu, expandiu e evoluiu a partir da criação de Grandes Lojas. O relacionamento internacional faz-se entre Grandes Lojas e ou Grandes Orientes, não diretamente entre Lojas. A estrutura logística de funcionamento e de reunião é assegurada pelas Grandes Lojas e são estas quem efetua a coordenação da utilização dessas estruturas pelas várias Lojas. São as Grandes Lojas que assumem a preservação da cadeia iniciática, a manutenção dos princípios fundamentais e a disciplina de comportamento de Lojas e obreiros. A unidade das práticas rituais necessita de coordenação e prevenção de desvios e alterações que só pelas Grandes Lojas ou Grandes Orientes pode ser assegurada.

Estas e outras afirmações - no essencial corretas, acentue-se - fundamentam a conceção centralizadora do relacionamento entre a Grande Loja, ou Grande Oriente, e as Lojas da sua jurisdição. Para esta conceção, as Lojas transferiram para a sua estrutira superior um conjnto de competências que originam também a transferência de uma gama de poderes que se consolidaram na esfera da Grande Loja ou do Grande Oriente e do Grão-Mestre, poderes estes que assumem natureza imperativa sobre as Lojas e os obreiros da respetiva jurisdição.

Com isso, o centro nevrálgico da organização maçónica transferiu-se da Loja para a Grande Loja ou Grande Oriente. As necessidades de coordenação, de prevenção de desvios, de disciplina e de organização impõem que a autoridade, o poder decisório essencial, se fixe na Grande Loja ou Grande Oriente e no seu Grão-Mestre, restando para as Lojas apenas poderes residuais e, mesmo assim, sob tutela da Grande Loja e do Grão-Mestre.

Esta conceção centralizadora do relacionamento entre a Grande Loja e as Lojas é errada, desde logo porque apenas burocrática, não atendendo à específica natureza da Maçonaria.

A Maçonaria é essencialmente voluntária. O maçom aceita cumprir determinadas regras, assegurar obrigações, cumprir a disciplina que lhe é indicada. Mas a ligação essencial do maçom não é com a Grande Loja ou com o Grão-Mestre. A ligação essencial do maçom é com os seus pares da sua Loja.  A ligação que se estabelece é uma ligação iniciática - e esta ocorre e alimenta-se entre o indivíduo e o grupo próximo onde se insere. A estrutura superior é alheia à mesma. O maçom faz-se maçom em Loja, forma-se maçom em Loja, cresce maçom em Loja, E, feito maçom, formado ou em formação, crescido ou em crescimento, vai à Grande Loja... Ou não... 

O trabalho da Loja relativamente aos seus obreiros e com os seus obreiros é insubstituível. A Loja não é uma mera correia de transmissão entre a Grande Loja ou o Grande Oriente e o obreiro. Nem sequer nada que se pareça a tal. Pelo contrário, a Loja é uma estrutura central e indispensável para o trabalho maçónico dos seus obreiros.

A Grande Loja pode e deve coordenar Lojas. Pode, mesmo, designadamente em assuntos administrativos, enquadrar o registo dos obreiros das Lojas e determinar procedimentos. Mas o relacionamento direto, pessoal, exclusivo e insubstituível entre o obreiro e a sua Loja ultrapassa e é completamente alheio à estrutura de enquadramento das Lojas.

Pode-se porventura objetar que não é bem ou não é absolutamente assim. Por exemplo, o Grão-Mestre tem tradicionalmente o poder de fazer maçom à vista e de dispensar prazos ou condições para aumentar o salário de maçom. É certo que sim. Mas não se esqueça nunca que ninguém é maçom, é-se reconhecido maçom! Reconhecido pelos seus Irmãos. Bem pode qualquer Grão-Mestre declarar que um qualquer elemento é maçom, no uso da sua prerrogativa para tal. Se nenhum outro maçom reconhecer o dito elemento como tal...ele não vai longe na sua vida maçónica. Com ou sem intervenção do Grão-Mestre...

Maçonaria não é profanidade e não se rege nem replica os princípios, regras, costumes e hábitos profanos. Desengane-se quem crer o contrário. Maçonaria pressupõe um laço, uma transmissão, um caminho feito de braço e abraço conjunto, que ultrapassa - e muito! - qualquer determinação regulamentar, qualquer norma, qualquer manifestação de poder.

A conceção centralista da Grande Loja pode porventura traduzir-se em regulamentos, em práticas, quiçá em profanidades. Mas, no que importa, na iniciática transfortmação do íntimo de cada um, não há decisões, nem regras, nem ordens vindas de cima. Aí, no que verdadeiramente importa, no que constitui ser maçom, ser reconhecido maçom e fazer realmente maçonaria, só dois planos importamn e estão presentes: a relação do maçom consigo próprio e a relação do maçom com o(s) seu(s) Mestre(s). E esse(s) inevitavelmente é (são) Mestre(s) na e da sua Loja!

Rui Bandeira

3 comentários:

Laerte Gueller Junior disse...

Muito feliz em ler tão sábias palavras! Quando a maçonaria se torna um conjunto de regras e obrigações a mesma pode ser facilmente substituída por qualquer religião. A maçonaria prega a liberdade e não a submissão. Prega a vontade e não a obrigação.

Hugo Gomes disse...

As palavras chave são de facto Loja, Reconhecimento, Maçom! Parabéns pelo artigo!

José B. disse...

" Os meus Irmãos reconhecem-me como tal." Penso que está tudo dito.