27 abril 2011

Maçonaria e Filosofia Pitagórica - o UM

A imagem acima era chamada pelos gregos de mónade, palavra que deriva de monas, singularidade. Em geometria, o círculo é a origem de todas as formas subsequentes. É, pois, o princípio. Os filósofos matemáticos da Antiguidade grega referiam-se à mónade, ao círculo, como O Primeiro, a Semente, a Essência, a Unidade.

Para os pitagóricos, a Unidade, o Um, era representado pela mónade, pelo círculo. Para eles, nada existia sem um centro, em torno do qual gira, sendo o centro a fonte, a origem, que está para lá de todo o entendimento, que é incompreensível. Em bom rigor, o ponto não existe, não é visível, é uma abstração, mesmo geométrica: o "ponto" que vemos no centro da imagem é um conjunto de muitos verdadeiros pontos, reunidos de forma a criar uma imagem que pode ser apreendida pela nossa visão, um "maxi-ponto", que tomamos por símbolo do vero ponto representado.

Mas, tal como uma semente, o centro, o ponto central, expande-se e realiza-se como um círculo.

A mónade, a singularidade, representa assim o UM, a origem de tudo, o ponto de onde tudo nasce e que, expandindo-se em círculo, é a origem de todas as formas subsequentes - ou seja, o Princípio dos princípios, o que tudo cria: o Criador!

Qualquer número multiplicado ou dividido por um, fica igual a si próprio. A mónade, o Um, a Origem, preserva a identidade de todos e de tudo (para os pitagóricos, os números são a expressão e essência de tudo o que existe).

Por sua vez, um multiplicado por um dá sempre um. O Um é Único e Singular. Sendo assim, e uma vez que Um é o princípio que tudo origina, como é que Um se torna muitos? Veremos isso no próximo texto... Por agora, retenhamos então a noção de que o Um é o princípio criador, a Origem e é representado por um ponto que se expande num círculo.

Este um resumo da filosofia pitagórica em relação ao Um. Vejamos agora o que ensina a Tradição maçónica quanto ao Um.

No Rito Escocês Antigo e Aceite, cedo o maçom aprende que os mistérios dos três primeiros números são as analogias que decorrem das propriedades metafísicas dos números (Pitágoras ou um qualquer seu discípulo não diria, talvez, diferentemente...). O número UM é uno, porque foi criado pelo Deus único. O número UM não tem limites.

Nos ritos de Emulação e de York, o símbolo do "ponto no círculo" (point within a circle) é diferente, sendo o círculo enquadrado por duas retas paralelas.

A interpretação externa ou exotérica deste símbolo decompõe-o nos seus elementos: o ponto representa o indivíduo maçom, o círculo simboliza a linha delimitadora do seu dever perante Deus e o Homem, para lá da qual não deve permitir que as suas paixões, preconceitos e interesses o arrastem e as tangentes paralelas referem-se aos dois S. João patronos da Maçonaria: S. João Batista e S. João Evangelista, no interior de cujos ensinamentos o círculo delimitador da conduta do maçom se deve manter. Esta interpretação é claramente tributária da religião cristã e do teísmo presente, quase em exclusivo, nos primórdios da Maçonaria Especulativa.

A interpretação esotérica do símbolo declara provir ele da mais remota Antiguidade. Mackey, após uma longa introdução sobre a essência do culto da divindade em várias regiões do Mundo Antigo, conclui que o símbolo respeita à característica hermafrodita, isto é, contendo em si o masculino e o feminino, da Divindade, representando o ponto o Sol (força masculina) e o círculo o Universo (força feminina), fertilizado pelos raios do Astro-Rei. As linhas paralelas são os solstícios, que delimitam o percurso aparente do Sol ao longo do ano.

A interpretação maçónica do Um e do respetivo símbolo gráfico representativo constitui, a meu ver, uma corruptela do ensinamento pitagórico. A filosofia pitagórica, transmitida oralmente e em círculos fechados e restritos ao longo de milhares de anos, atravessando os tempos da pujança das divindades romanas, do declínio do Império Romano, do subsequente barbarismo, das trevas da Idade Média, acolhida por rudes construtores, desembocou no século XVIII com significativas alterações. Mas o princípio básico está lá: o UM é, ou representa, ou simboliza (consoante as conceções) o Criador, o Princípio Criador do Universo, a Origem, a Essência de tudo.

Fontes:

http://www.masonic-lodge-of-education.com/point-within-a-circle.html
Rito Escocês Antigo e Aceite, Ritual de Aprendiz, GLLP/GLRP, junho de 6007
O Código Secreto, Priya Hemenway, ed. Evergreen, 2010.

Rui Bandeira

4 comentários:

Diogo disse...

E o que é o Criador, o Princípio Criador do Universo, a Origem, a Essência de tudo?

Houve um começo porquê? O Unviverso não pode ser infinito no tempo e no espaço?

Diga-me Rui.

Abraço

Rui Bandeira disse...

@ diogo:

O que é isso de ser "infinito no tempo e no espaço"? São apenas palavras vazias de significado... Não consegue o Diogo conceber verdadeiramente isso, tal como eu já lhe confidenciei uma vez que não consigo conceber verdadeiramente como é o Criador.

Não alimentarei esta discussão consigo. Seria uma discussão estéril, um diálogo de surdos. O Diogo é ateu e nenhuma das razões que me fazem crente - e que o Diogo bem conhece, pois já debatemos este assunto no passado... - o tocam. Eu sou crente e, em relação á sua descrença, só tenho que aceitar.

Sobre este assunto e sobre a vida para além desta vida, repito-lhe apenas o que, segundo creio, já tive oportunidade de lhe dizer: um de nós dois está enganado; a diferença entre nós é que, se for o Diogo quem está enganado e eu certo, o Diogo virá a confrontar-se com o seu erro; se for eu quem está enganado e o Diogo certo, nenhum de nós nunca o saberá...

Marcos Amaro disse...

“Jesus disse: Quando fizerdes de dois, um, vos tornareis filhos do homem, e quando disserdes: “Montanha, move-te!”, ela se moverá.”
(106º Evangelho de S. Tomé)

Creio que esta transcrição do Evangelho de S. Tomé, o Dídimo, manifesta, também, a importância da “União” (Um), acima de qualquer “Dualidade” (Dois).

A força da “União”, como resultado da soma de algo mais do que “Um”, é sem dúvida a maior força que se pode ter, força esta capaz de “Mover Montanhas”.

Um” representa sem qualquer dúvida a origem primordial de tudo, ou seja a verdadeira essência de “Deus”.

[On-ti-hen]=[Ser-algo-uno]

A capacidade do Homem tornar-se “Uno”, na fusão do “Ser” com o “Não Ser”, o “Físico” com o “Espiritual”, é o que pode fazer a diferença de este se poder aproximar, passo a passo, da perfeição, ou seja a capacidade de conseguir “Unir” o que está “Disperso”, esta é a única forma de conseguir compreender o que “Disperso” está.

Bem-haja quem na “Dualidade” do “Ser” consegue ser “Uno” na força e na vontade de algo fazer.

Jessica Rodrigues disse...
Este comentário foi removido pelo autor.