11 abril 2007

UM motivo para ser maçon

Único - Desejo de aperfeiçoamento

Só existe uma motivação válida para se pretender ser admitido maçon: o desejo de se aperfeiçoar pessoal, ética e espiritualmente.

Quem, sendo homem crente, livre e de bons costumes, tiver este desígnio e estiver disposto a utilizar o método maçónico na busca do transcendente, é bem-vindo!

Esse pode estar ciente de que nada lhe é ensinado, mas tudo pode aprender.

Esse pode confiar que nada lhe é imposto, mas que de bom grado aceitará as regras de conduta que encontrará.

Esse pode e deve estar preparado para um longo, e difícil, e trabalhoso, percurso, mas verificará que nunca fará sua jornada só, antes e sempre acompanhado por seus Irmãos.

Esse pode ficar certo que começou o seu trabalho no momento em que foi iniciado e que só o terminará no momento da sua passagem ao Oriente Eterno.

Esse, se fizer bem e persistentemente o seu trabalho, tornar-se-á melhor, portar-se-á melhor, actuará melhor, em todos os aspectos da sua vida e será assim e só assim, por virtude, da sua melhoria, que será respeitado e poderá aspirar a influenciar os demais, quiçá na Política, porventura nos negócios, seguramente nas relações sociais, mas sobretudo nos corações de quem com ele privar.

Esse será solidário e benemerente, porque assim a sua condição de maçon, de homem justo e íntegro e interessado o levará a ser, com a naturalidade de quem respira e a discrição de quem dorme.

Esse, se fizer bem e persistentemente o seu trabalho, poderá aspirar a Conhecer, a conhecer o que ninguém lhe pode transmitir, a conhecer o que só ele pode intuir, a entrever o Divino, a espreitar o Sentido da Vida e da Criação. E, se o conseguir, vai entender que não conseguirá por palavras transmitir esse conhecimento a mais ninguém, apenas ajudar seus Irmãos a fazerem seus percursos para poderem aspirar a intuir, a entrever, a espreitar. E então perceberá que esse é o célebre segredo e é-o devido à incapacidade humana de conseguir que deixe de o ser.

Esse, se fizer bem e persistentemente o seu trabalho, terá um lampejo de compreensão do significado da Vida e da Morte e não temerá esta e assim verdadeiramente cumprirá o que Camões cantou e será um d' "aqueles que por obras valerosas /se vão da lei da Morte libertando".

Esse, se fizer bem e persistentemente o seu trabalho, será, ainda que nunca nada mais sendo do que simples obreiro numa simples Loja, um verdadeiro Grão-Mestre, de si próprio, da sua consciência, de seu percurso iniciático.

Esse, ainda que nunca o tenha visto nem sentido, já usa o avental; os maçons limitar-se-ão a ajustar à sua cintura a peça visível .

Esse será o Aprendiz que eu, Mestre eternamente Aprendiz, jubilosamente ajudarei a evoluir e a tornar-se Mestre, certo que ele próprio também me ajudará a mim, Aprendiz em veste de Mestre, a dar mais um pequeno passo no meu sempre inacabado percurso.

Esse não terá a honra de ser admitido maçon; esse honrará os maçons ao consentir em se juntar a eles.

Rui Bandeira

9 comentários:

Filipe Madrugo G. disse...

E assim, da lei da morte se vão libertando os valorosos Homens que são eternos Aprendizes.

Sempre convosco, três palavras apenas, obrigado, obrigado, obrigado.

O Profano disse...

Gostei da prancha. Reflecte bem (na minha visão como profano) o que a Maçonaria ensina, a construção do templo que é o Homem...
Abraços Profanos

Comissão de festas disse...

O bem e o mal andam de "mãos dadas" mas e preciso saber separar o trigo do joio.
O aperfeiçoamento pessoal é importante para a nossa vida , temos de ser coerentes em relação aos perigos que encontramos.
Ser Maçonico e agir em conformidade com a lei da vida.

Samuel Ritter disse...

Tenho me tornado um grande fã de seus textos. Só posso parabenizá-lo, mais uma vez, por sua capacidade de expressão literária. um grande abraço!!

Lr Paiva disse...

Sou homossexual, posso servir à loja?

Rui Bandeira disse...

Os requisitos para ser admitido à Iniciação maçónica são unicamente os seguintes:

1) Ser homem livre e de bons costumes;

2) Ser crente (qualquer que seja a sua crença);

3) Ter o propósito de se aprefeiçoar, segundo o método maçónico;

4) Estar de boa-fé;

5) Ser admitido à Iniciação por uma Loja maçónica, após manifestação de vontade e inquérito.

No inquérito ao candidato, as Lojas procuram determinar, além da verificação dos requisitos acima enunciados, se o candidato, pela sua personalidade, tem caraterísticas que permitam admitir a sua integração no grupo, sem problemas de maior.

Sabemos que, ao longo da História e em diferentes espaços geográficos, a homossexualidade tem sido socialmente vista de várias formas, designadamente tendo havido tempos e havendo hoje lugares que consideram a homosexualidade uma falta de masculinidade e atentatória dos bonscostumes.

Nos tempos atuais, na generalidade da sociedade ocidental, e particularemnete em Portugal, assim não acontece, sendo a homossexualidade, em termos jurídicos, meramente uma caraterística presente em algumas pessoas, com reconhecimento legal, designadamente através da previsão legal do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Hoje em dia, em Portugal, juridicamente um homossexual, por esse facto, não deixa de ser um homem de bons costumes. Logo, desde que presentes os demais requisitos, nada impede, no meu pnto de vista, a iniciação de um homossexual.

Devo, no entanto, fazer um alerta, quanto à ponderação da integração harmoniosa do candidato no grupo. Uma coisa é haver um homem crente, livre e de bons costumes, com sincero propósito de se aperfeiçoar através do método maçónico e estando de boa fé, que, acessoriamente, e como uma caraterística pessoal com a qual ninguém tem nada com isso, é homossexual. Outra coisa é haver alguém que, por ser homossexual quer ser admitido maçom. Ainda que porventura reunindo as demais condições, provavelmente o juízo sobre a sua harmoniosa integração no grupo provavelmente será negativo.

Na Maçonaria não há lugar para militantismos de qualquer natureza. Como nós dizemos, "os metais ficam à porta do templo". A Maçonaria é um espaço de aperfeiçoamento respeitador das diferenças e, por isso, tolerante por definição. Mas não aceita que lhe seja IMPOSTA a diferença, só por ela existir.

Creio que me fiz entender...

Lr Paiva disse...

Quer dizer, é difícil ser homossexual no meio maçônico, marca de uma organização segregada à homens. Mesmo que não o fosse, estaria eu inapto, visto o meu caráter deísta, contrário à ideologias. Agradeço a colaboração e o expositório, sou Brasileiro, Goiano.

Rui Bandeira disse...

@ Lr Paiva:

Quanto à homossexualidade, tirou uma conclusão exatamente contrária ao que eu referi! Ser homossexual no meio maçónico não nem mais nem menos difícil, nem mais nem menos fácil do que ser homossexual na sociedade em que se está inserido. Pseudo-ativismos é que não são bem-vindos...

Quanto ao deísmno, não entendo a sua posição. Eu próprio sou deísta e sou maçom, bem inserido na Maçonaria... Um deísta é crente...

Lr Paiva disse...

Agradeço suas palavras, me foram suficientes ao pé destas dúvidas. Ainda tenho muito à refletir sobre a Maçonaria, muitas estigmas a serem soterradas. Confesso-me um tanto intrigado com o secretismo, mas não posso questioná-lo, visto que é um direito comum a todos, a privacidade, desde que lícita. Sou jovem, um tanto imaturo, e busco compreender o universo, pondo de lado ideologias. Confesso ter cogitado servir ao Arquiteto Supremo, Deus, através da Maçonaria, mas sou apático à ritualística e juramentos secretos. Um abraço, bom dia, meus parabéns pela dissertação.