Mostrar mensagens com a etiqueta GLLPGL/GLRP. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta GLLPGL/GLRP. Mostrar todas as mensagens

21 outubro 2019

Comunicação do Grão Mestre da GLLP/GLRP por ocasião do Equinócio de Outono


Meus Queridos Irmãos,

Estamos aqui mais uma vez reunidos na Assembleia da GLLP/GLLRP, para comemorar o Equinócio do Outono, este ano especial, porquanto temos aqui presentes muitos e ilustres visitantes e Irmãos de 34 delegações de 26 países do mundo.

Equinócio

O evento celeste que ocorre hoje torna o dia e a noite quase iguais. Assim, a linha divisória entre o dia e a noite observada do cosmos, torna-se vertical, "ligando" os polos Norte e Sul do nosso planeta. Dá-se o início da mudança das estações do ano.

É nos Equinócios que os maçons recebem as bênçãos do equilíbrio, da igualdade e da justiça, sempre numa contenda para prevenir o desequilibro moral, espiritual e social que quotidianamente nos afetam e prejudicam.

O que move o mundo é a busca constante da felicidade e isso é sobretudo um caminho, um percurso individual e coletivo que nunca tem fim, pois se o tivesse, a obra estaria concluída e tal resultado, bem sabemos, nunca poderá estar terminado, a não ser quando o G:.A:.D:.U:. nos chama para junto dele, fechando-se, então, para cada um de nós, a magnifica Abobada Celeste.

Que consigamos, todos nós, demonstrar por palavras e pelo trabalho que a Maçonaria e os Maçons, estejam onde estiverem e sejam quais forem as condições, continuam a ser, como sempre foram, obreiros de liberdade, de paz, de harmonia, de entendimento, de amabilidade e de amor. Mas também, motivadores de progresso, de desenvolvimento, de ciência, de educação e de solidariedade.

Vivemos tempos desafiantes, inquietantes, estranhos e perigosos. Mas a humanidade, ao longo dos milénios, sempre teve enormes problemas para resolver e agora, não sendo os mesmos, incumbe-nos a nós estar à altura dessas interrogações, desses perigos e receios.

E reflito nisto aqui porque a Maçonaria não vive fora do mundo e das realidades que a cercam e, por isso mesmo, não poderemos nunca ser um corpo indiferente em tão vasto horizonte de eventos com que nos confrontamos.

Num momento em que a maçonaria enferma de uma injusta perceção pública, numa época em que tudo vale para fazer vingar um qualquer fim, mais do que nunca teremos de travar a queda por este declive obscuro e recolocar a Maçonaria no caminho e no patamar que sempre a distinguiu ao longo da História.

A realização de eventos abertos ao mundo profano, com temas importantes, como este das Migrações, deverá ser um caminho na partilha das nossas ideias e das nossas preocupações, que afinal não são tão secretas como nos caracterizam certos grupos.

Nesta fraternidade Maçónica destaco o extraordinário fator de união que se vive, apesar da diversidade de convicções de cada um dos seus membros, no plano político, religioso e étnico como exemplo maior de tolerância e respeito, que nos ajudam a enriquecer enquanto pessoas e maçons.

Ontem realizamos uma Conferência sobre as Migrações, esse enorme problema que vivemos hoje.

As migrações são hoje um problema incontornável a nível mundial. As migrações como fenómeno social, económico e político têm vindo a assumir um papel central na opinião publica e no debate político.

O aumento dos movimentos migratórios internacionais, registados nas últimas décadas, transformaram profundamente as sociedades contemporâneas. Esta realidade provoca um natural impacto na comunidade internacional que precisa de respostas concretas e de soluções adequadas e da implementação de políticas que atendam aos direitos humanos, ao invés, de gerarem discursos estéreis, radicais e xenófobos. As discussões em torno das migrações e dos migrantes têm sido, do nosso ponto de vista, pautadas por intervenções irrealistas e desconexas, sem analisar verdadeiramente a realidade migratória, as suas verdadeiras causas e as suas consequências.

A maçonaria tem contribuído para o bem estar da sociedade e das pessoas, de muitas maneiras, ao longo dos últimos séculos. Uma miríade de instituições, organizações e agremiações, ligadas à maçonaria universal, trabalham arduamente pelo mundo fora trazendo o conforto, a paz, a saúde, a esperança, a dignidade e a vontade de viver. E sempre foi assim para acabar ou minorar o sofrimento, a humilhação, a ditadura, a intolerância e os dogmas.

A GLLP no exercício da sua missão de cidadania tem promovido, com crescente regularidade, ações de reflexão ou campanhas de solidariedade, intervindo diretamente na sociedade em defesa dos superiores valores que professa.

Com base na Carta das Nações Unidas para os Direitos do Homem, documento tão nobre como querido a todos aqueles que reconhecem nos valores da maçonaria o melhor quadro genético para a sociedade atingir a felicidade desejada, encaramos o problema das migrações como um desafio à própria afirmação do Homem como ser justo e solidário.

Cientes dos problemas decorrentes de semelhante fenómeno e das suas naturais reações locais, não deixaremos que nesta reflexão se esqueça a dimensão humana de um problema que a todos afeta, e a ninguém pode deixar indiferente.

Num mundo em permanente evolução, a mudança deve estar ancorada num quadro de valores que, em momento nenhum, esqueça o personalismo e a liberdade individual como principal motor dessa dinâmica e, em última instância, da garantia da própria felicidade humana.

Neste desafio, poucas são as instituições seculares que têm mantido viva a luz. Por vezes na vida somos nós que fazemos a História. Noutras ocasiões é a História que nos faz a nós. A sociedade em que vivemos hoje em acelerada mudança, encerra um conjunto de desafios de proporções ainda desconhecidas e de consequências imprevisíveis. Os riscos da incerteza exigirão firme e determinada intervenção das lideranças das principais instituições que compõe a sociedade.

A nossa Augusta Ordem, ontem como hoje, pela força da sua génese e pela sua responsabilidade histórica, será inevitavelmente chamada a, mais uma vez, constituir-se como farol da evolução, saber de experiência feita sobre o essencial da libertação do Homem, luz sobre os valores que mudança alguma pode colocar em causa.

Nos tempos que correm, a maçonaria é importante na vida de milhões de pessoas e, no decurso de mais de três seculos, a maçonaria tem inspirado e moldado um número incontável de pessoas.

Uma coisa sabemos bem: os maçons foram sempre os primeiros a erguerem-se perante as dificuldades, foram sempre os mais intrépidos face às calamidades, mas também contra às ignomínias e às múltiplas incongruências e barbaridades que o ser humano criou e cria, no seu trajeto de poder e domínio das sociedades temporais, políticas, religiosas, económicas e muitas outras mais.

Consciente destes desafios, ciente da responsabilidade secular que o meu cargo impõe, propus-me a ativamente contribuir para resgatar para a maçonaria o papel central sobre este processo de evolução, recolocando-a como referência maior e escola de vida para os Homens Bons que pretendem apurar-se na relação com os outros, tornando-se Homens Melhores.

Mas foi o crescimento espiritual do homem que nos fez compreender a existência do Deus Criador e com isso, sabermos que o G.A.D.U. tudo vê.

E se assim é, esse poder absoluto do divino tornou-se um bálsamo para a humanidade, já que na sua submissão a uma força maior, se obrigava a estabelecer as leis morais e as regras cívicas que tornaram possível a convivialidade social e a civilidade entre os povos, refreando os instintos e punindo os excessos.

É neste contexto que a maçonaria universal foi “motor” de evolução humana, agindo na educação, no ensino, na reflexão e no estudo, burilando as arestas das imperfeições e elevando o pensamento politico e organizacional das sociedades a um nível nunca antes atingido, forjando lideres e obreiros de enorme gabarito que catapultaram a humanidade para nobres desígnios e belas e frondosas obras que transformaram e melhoraram o mundo.

Fomos e somos factores do progresso, mas também teremos de ser o garante dos valores que suportam esse desenvolvimento e progresso, entre os quais a liberdade, a fraternidade e a igualdade, mas ainda, a solidariedade, a temperança, a tolerância, a compreensão e a cordialidade.

Sem compreender nunca poderemos perdoar, e isso é preciso para gizar planos inclusivos e agregadores da humanidade, que bem necessita de promotores de entendimento e concórdia. A nossa
condição de maçons obriga-nos a nunca deixar de porfiar e resistir perante o desalento, as tribulações, a maldade, o odio, as desavenças e as discórdias.

E tudo isso leva à subalternização da pessoa humana, face a interesses escusos ou duvidosas práticas de superioridade, à condescendência para com a quebra das regras mais elementares do bom senso e da legalidade, como temos ultimamente visto a nível internacional, seja nas disputas politicas e comerciais, ou mesmo no inquietante caminho de uma eventual proliferação da produção armamentista mundial, que depois desembocará em conflitos bélicos nos mais diversos locais.

O mundo está perigoso e caótico, em que os fatores de estabilidade e contenção enfraqueceram e, com isso, subiu a desestabilização dos países, das sociedades e dos povos, em que até movimentar mercadorias ou pessoas, se tornou matéria de contenda injustificável, colocando em risco civis inocentes ou prejudicando normais empresas na sua atividade útil das transações necessárias para o bem de todos.

E à turbulência mais tradicional do mundo, como foi a guerra fria, sucedeu uma crise energética e de preços do crude que fragilizou uma série de países, o que depois levou, também, à polarização dos apetites nucleares em zonas distintas do planeta, criando instabilidade acrescida, como são, a crise dos misseis da Coreia do Norte e o rasgar dos acordos sobre a produção nuclear do Irão, que se repercutiu em persistentes lançamentos de misseis sobre o mar do Japão e em ataques bélicos a navios mercantes no golfo pérsico, inclusive com o seu aprisionamento abusivo.

E a conflitualidade prosseguiu com o erguer de políticas protecionistas quanto às trocas comerciais mundiais, muito focadas na aplicação de tarifas extraordinárias entre os EUA e a China e até entre os EUA e a Europa, ou os EUA e outras regiões do mundo.

Não nos compete a nós maçons, ter outra ação que não seja analisar e avaliar com justeza e retidão todas as causas e circunstâncias destes conflitos, para podermos ponderar na forma como agir, no desiderato dos nossos “landmarks” e no cumprimento dos votos maçónicos que nos obrigam a pelejar pela liberdade, igualdade e fraternidade.

O papel do maçon é intervir, para com bom senso, chamar a atenção dos problemas, inventariar as causas, propor medidas e sensibilizar o mundo para a tolerância, para a justiça, para a harmonia e para o diálogo. Não se pode resolver nada se não formos justos, humildes e razoáveis.

Humilhar o próximo, exacerbar a superioridade, praticar o ódio, demonstrar o preconceito, acicatar as diferenças, ofender e diminuir o outro, explorar a desgraça, ter práticas contra o ambiente, promover a delapidação dos bens naturais, destruir os ecossistemas, fomentar a pobreza pela ausência de planos sociais e enfim, fragilizar a humanização da vida e das sociedades, dos países e do mundo, são crimes que colocam em causa a sobrevivência do homem e destroem o planeta Terra.

Iluminados pelo G.A.D.U., os maçons obrigam-se a refletir a luz divina recebida, e isso traduz-se na iluminação das trevas reportadas aqui, pois de trevas se tratam os problemas citados. E como bem sabemos, nós temos de levar a luz aonde haja escuridão e todos os Irmãos estão convocados para esse trabalho.

Que saiamos daqui motivados para essa necessária tarefa exigente, prolongada e difícil, porquanto o mundo precisa desse nosso papel, até porque se não agirmos, não faremos jus ao passado dos nossos dignos ancestrais e lamentaremos dramaticamente a exigência de não termos agido como era necessário, e com isso, sermos fautores da desgraça que afinal devíamos ter ajudado a evitar.

Prometi, faz hoje um ano, dedicar-me com total empenho, aprimorando o talhe da pedra, cuja beleza não cessará de ser trabalhada, visando a solidificação da Nossa Ordem e o crescimento da Fraternidade, em Paz e Harmonia. Os sinais de carinho e verdadeiro amor fraternal, que me chegam hoje, comprovam isso e são a única e a verdadeira recompensa que pretendo receber.

Não poderemos nunca, como em qualquer outra instituição, obter a plena aceitação ou unanimidade sobre tantos e tão delicados assuntos em que nos envolvemos. Mas podemos e devemos, sempre, aproximar ideias, objetivos e consensos alargados que consubstanciem a nossa vontade generalizada.

Convosco, sei que faremos mais e melhor para a nossa Augusta Ordem.

A.G.D.G.A.D.U.

Armindo Azevedo
Grão Mestre