Mostrar mensagens com a etiqueta viagem. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta viagem. Mostrar todas as mensagens

20 agosto 2014

O Visitante, o Viajante e o Turista (republicação)


Rste texto foi originalmente publicado no blogue A Partir Pedra em 22 de setembro de 2010

Três homens decidiram deslocar-se a uma grande cidade, uma daquelas cidades que todos desejamos conhecer, com história, dimensão, vida, monumentos, museus, teatros, cinemas, enfim, uma metrópole moderna. Todos eles dispunham de tempo e meios para por lá ficarem um mês e todos eles iam decididos a fazer a "viagem da sua vida" e a ficar a conhecer aquela cidade o mais profundamente possível. Esses três homens eram, como é natural, diferentes e cada um preparou e realizou a expedição à sua maneira.

O primeiro homem, chamemos-lhe Visitante, contratou através da sua agência de viagens os serviços do melhor operador turístico da cidade, que lhe preparou meticulosamente a estada. Chegado a essa cidade, o Visitante tinha preparado um completo programa de trinta dias de visitas guiadas a tudo o que a cidade de melhor tinha para oferecer aos seus visitantes. Foi uma visita inesquecível! O Visitante foi guiado pelos melhores museus da cidade, onde lhe foram mostradas as mais significativas obras de arte que aí havia e as mesmas foram explicadas, enquadradas histórica e artisticamente. Foi guiado nas visitas aos mais relevantes monumentos, sendo-lhe chamada a sua atenção para o seu significado histórico, os detalhes da sua construção, a sua utilização nos dias de hoje. O operador reservou-lhe bilhete para assistir ao melhor espetáculo da cidade, proporcionou-lhe um guia para o conduzir pelas mais esconsas vielas da Cidade Antiga, pelos mais pitorescos recantos, pelos mercados mais tradicionais, apresentando-o a interessantes pessoas que ali viviam ou trabalhavam. Também ao Visitante foram mostradas as mais deslumbrantes paisagens da cidade e proporcionados demorados e agradáveis passeios nos mais agradáveis parques e jardins ali existentes. Claro que foi conduzido também às melhores, mais concorridas, completas e diversificadas zonas comerciais da cidade, onde o Visitante pôde admirar a maior variedade de objetos e bens de consumo e adquirir o que lhe interessou adquirir. Visitou a Universidade e as Bibliotecas, guiado por um culto guia que o operador contratou para o efeito. Visitou o Parlamento e os mais emblemáticos edifícios onde funcionavam os representantes políticos da urbe e do país, ouvindo as explicações de um guia especializado, que o esclareceu sobre as circunstâncias e a prática política ali vigentes. Maravilhou-se com a grandiosidade dos edifícios religiosos, enquanto ouvia as informações e explicações proporcionadas pelo guia especialista em Arte Sacra que o operador turístico contratou para o efeito. Enfim, foram trinta dias de algum cansaço, muitas visitas, muitos conhecimentos novos para digerir, mas foi realmente uma viagem extraordinária! No regresso, o Visitante pensava na melhor forma de elucidar os seus conterrâneos sobre as maravilhas, as riquezas, as belezas, que existiam naquela deslumbrante metrópole.

O segundo homem, designemo-lo por Viajante, preparou e realizou a sua viagem de forma muito diferente. Não contratou os serviços de qualquer operador turístico, dispensou excursões e visitas guiadas. Preparou a sua viagem lendo tudo o que conseguiu descobrir sobre a cidade, a sua história, os seus monumentos e locais de interesse, as suas gentes. E mal desembarcou na cidade e se instalou no hotel escolhido, lançou-se numa contínua exploração da cidade. Também visitou, mas por si só, museus. Não viu tudo. Não teve ninguém que lhe chamasse a atenção para as melhores obras. Mas viu o que antecipadamente lera que era importante ver, apreciou demoradamente aquilo de que gostou, passou mais brevemente pelo que achou menos significativo. Também visitou e fotografou os monumentos da cidade, descobrindo ângulos curiosos, vestígios do passado interessantes. Falou com os guardas dos monumentos e descobriu curiosas e picarescas histórias, do passado e do presente, por eles contadas. Perguntou aos habitantes locais que espetáculos interessantes havia e acabou por ir ver um par de espetáculos que não constavam dos circuitos turísticos, que o elucidaram sobre a genuinidade das gentes daquela terra. Vagabundeou pela Cidade Antiga e ali se perdeu horas esquecidas, recanto aqui, conversa acolá, absorvendo a atmosfera da cidade e da sua história e da sua vida. Provou o que se vendia nos mercados, comeu as comidas típicas da cidade, confraternizou à roda de uns copos com genuínos habitantes da cidade, apercebeu-se dos seus anseios e desilusões, das suas alegrias e tristezas, do seu labor e do seu ócio. Passeou por agradáveis jardins, observando as brincadeiras das crianças e nelas se intrometendo. Conheceu muita gente, conversou, ouviu histórias interessantes, soube onde adquirir as mais genuínas coisas da cidade ao melhor preço, visitou fábricas e locais de trabalho, escolas e locais de culto. Em descontraída manhã de domingo, ousou mesmo jogar com um grupo de jovens o desporto preferido na cidade e - claro! - perdeu... Falou com taxistas e polícias, vendedores e ardinas e artesãos e comerciantes, enfim embrenhou-se no coração da cidade, misturou-se com as suas gentes, viu e visitou a cidade e tudo o que de bom e bonito ela tinha pelos olhos dos seus habitantes. Quando findou o tempo que tinha reservado para aquela visita, o Viajante quase se sentia um novo habitante daquela urbe, dela partia com alguma pena. Na sua máquina fotográfica, tinha mais fotografias de pessoas do que de monumentos, mas cada imagem de cada pessoa recordava-lhe um momento único, uma história curiosa, um episódio pitoresco. Na viagem de regresso, pensava de si para si que ficara mesmo a conhecder a cidade e as suas gentes e que talvez fosse interessante elucidar os seus conterrãneos como se vivia naquela importante urbe.

O terceiro homem, refiramo-lo por Turista, antes de viajar, comprou um guia de viagem relativo à cidade, consultou-o e assinalou meia dúzia de monumentos a visitar, viu quais os restaurantes recomendados, anotou as mais agradáveis esplanadas. Escolheu cuidadosamente o hotel onde ficaria. Chegado à cidade, instalou-se no hotel e tratou de descobrir os serviços que proporcionava. Reservou um dia para utilizar o SPA, comprou umas horas de consumo de Internet, para que, diariamente, ou quase, reservasse um pedaço do dia a ler as notícias do seu país. Contratou, para determinado dia, uma visita guiada à cidade, daquelas de autocarro aberto com guia de microfone, que vai debitando informações sobre o que se vai vendo. Visitou descansamente a cidade. Viu os monumentos que selecionara, calma e descontraídamente. Comeu em todos os restaurantes que referenciara. Passou agradáveis fins de tarde em sossegadas esplanadas. Passeou quando lhe apeteceu, olhando para onde o seu olhar caía, falando com quem o acaso colocava perto de si, ouvindo os ruídos ou músicas que a sorte e o local proporcionavam, cheirando aqu o perfume de flores, ali o odor de comida. Enfim, descansadamente viu o que quis ver, visitou o que lhe agradou visitar. Descansou e andou, parou e avançou. Voltou aos locais que mais lhe agradaram. Nem sequer passou por onde não lhe interessava. No regresso, satisfeiro e repousado, começou a germinar na sua mente algo que decidiu partilhar com os seus conterrâneos.

Caro leitor, faça agora uma pausa, pense e decida de si para si: qual dos três agiu melhor? E qual o pior?

A minha opinião é que nenhum foi melhor ou pior do que os demais. Cada um viu a cidade da e pela forma que a ele mais lhe convinha. Todos tiraram proveito da estada. Certamente proveitos diferentes - mas isso não é melhor nem pior, apenas diferente!

O Visitante, de regresso a casa, escreveu um exaustivo guia de viagem sobre a cidade, pelo qual os seus conterrâneos quase podiam saber tudo o que havia a saber sobre ela, mesmo antes de lá chegarem. O Viajante escreveu um livro de viagem, que retratou, com grande fidelidade, como era, como vivia, o que sentia, a gente daquela cidade. As suas impressões, os seus relatos permitiram a quem leu esse livro saber como é realmente, por dentro, essa cidade e como são os seus habitantes, mesmo antes de lá irem. O Turista, esse, regressado da sua despreocupada, descansada e nada exaustiva viagem... escreveu um romance passado naquela cidade. Quem o leu, admirou, além da qualidade da escrita e da trama da história, a forma como daquelas páginas se desprendia, leve mas sensivelmente, a atmosfera da cidade.

Que tem isto que ver com Maçonaria? Releia, caro leitor, o meu último texto sobre os Altos Graus. O Visitante simboliza o maçom que decide percorrer os Altos Graus, fazer a sua viagem apoiado no guia. Tudo aprende, certinho, direitinho. Compensa a falta de espontaneidade com a qualidade e quantidade do saber que recolhe. O Viajante simboliza o maçom que opta por seguir o seu caminho por si, fazendo a sua busca desenvolvendo ele as noções que aprendeu no seu percurso até à sua Exaltação como Mestre Maçom. Não tem a sua viagem tão organizada, tão completa, mas vive intensamente a sua busca. Não recolherá talvez a quantidade de ensinamentos passível de ser recolhida numa viagem organizada, mas recolheu o que lhe interessa e, no que lhe interessa, aprende a fundo. Vive a sua viagem e apreende a essência dela. E o Turista? Esse é o maçom que não se preocupa grandemente com tempos e saberes. Faz a sua viagem, segundo o seu tempo, o seu ritmo, os seus gostos. Não conhecerá tão profundamente como os outros, mas tudo vê, talvez mais de passagem, talvez mais intermitentemente, mas sempre de uma forma para si agradável. Só vai à Loja quando lhe apetece ir à Loja, uns anos exerce ofícios, noutros não está nisso interessado. Quando vai, quando está, participa e contribui. Mas nem sempre está disponível, necessita das suas pausas nas esplanadas. Faz a sua viagem como gosta, ao seu ritmo. Não aprende tanto como o Visitante, nem tão profundamente como o Viajante, mas o que aprende, aprende com gosto e por gosto e disso retira proveito. E partilha-o.

Todos fazem a sua viagem conforme preferem. Todos partilham o que aprendem com ela. Cada um à sua maneira. É útil partilhar a erudição. Mas também é útil partilhar a profundidade, a vivência, a genuinidade. E não menos útil partilhar a Beleza, a satisfação, que se tira da viagem, seja ela mais esforçada ou mais descansada. Nenhuma forma de viajar é melhor do que a outra. São, simplesmente, diferentes.

Afinal, o Visitante, que tudo aprendeu na sua primeira estada, quando voltar, já só voltará a lugares escolhidos, para relembrar a sua beleza e terá disponibilidade para sentir a vida do povo do lugar. E o Viajante, que conheceu ao início como vive a cidade, quando voltar certamente quererá saber mais sobre os seus monumentos e sua história, dará mais atenção à erudição, mas também apreciará fazê-lo mais descansadamente, com mais pausas, para melhor apreciar a atmosfera da cidade. E o Turista, esse, sempre visitando ao seu descansado ritmo, quando volta aprende mais um pouco e mais profundamente.

Não importa como se começa, como se prefere fazer a viagem. O que importa é fazê-la e ir aliando a Sabedoria (os conhecimentos privilegiados pelo Visitante), à Força (a profundidade, a vivência, a genuinidade, em primeiro lugar buscadas pelo Viajante) e à Beleza (descansadamente privilegiada pelo Turista).

Maçonaria é vida, faz parte da vida, é uma forma de aprender e apreciar e viver o mundo à nossa volta. De evoluir com a nossa vivência. E sobretudo de partilhar a nossa vivência, os nossos conhecimentos, a nossa evolução com os demais e beneficiar da partilha do que os demais nos proporcionam. Em suma, de cada um fazer a sua viagem, da forma que prefere e de que retira mais proveito e partilhar esse proveito com os demais, pela forma como melhor o conseguir fazer.

Rui Bandeira

23 maio 2014

A minha Iniciação. Parte -3


Julgado fui, e agora novas provas tinha de passar, pois no fim de tudo a Luz eu ia poder enxergar e o meu Eu, mais íntimo, alcançar.

Às provas me dediquei, depois de as aceitar. Guiado fui e pelas várias provas passei, vento e calor sofri, mas com água no final me refresquei e dela bebi, só não esperava o amargo, que no fim senti.

Sim o amargo da “doce” frescura, pois com sede “ao pote” eu tinha ido, mas do mais importante me esquecia, que quem daquela água bebe, a ela fica ligado.

Provas superadas a Luz me foi mostrada, sim a Luz à minha frente se apresentava.
Estaria eu acordado, ou a sonhar?

Tudo aquilo à minha frente se declarava e a Luz se mostrava.
Estaria a sonhar, ou aquilo era a realidade?
Pois por um sonho já eu havia passado e com uma Luz, sonhado, que a mesma me haveria de ser dada, por alguém que eu não vislumbrava, por alguém que eu desconhecia, mas por alguém, que de mim, já algo sabia.

Recordo-me e sei, que dessa forma um dia sonhei. E dos sonhos para a realidade, algumas coisas se fazem Verdade.

Seria agora esta a minha sentença, por uma cegueira cega, de falsas parecenças, eu estava rodeado?

Seria verdade e eu estava acordado?
Verdade, mentira?
O que é a realidade?
Será que é verdade dizermos coisas, e delas garantia dar, sem que um dia as tenhamos sequer vindo a experimentar?

Que estranhos Rituais e que estranhos movimentos, eu tinha acabado de fazer, que se passava afinal, em todos aqueles novos momentos?

Nada!
Nada e tudo, ou, quase tudo e nada!
Assim eu, naquele momento, pensava.

Da realidade para a ficção, existia, naquele momento, uma parte que se confirmava e a outra não.

Aquilo era tudo e era nada, daquilo, que eu, havia imaginado, aquilo não era nada, de tudo o que eu afinal, julgava um dia ter dominado.

A verdade, é que por tudo, e devido a tudo, o que eu havia imaginado,
Em outra realidade, agora, o tal momento, e a viagem, se tinham tornado!

Não em realidade, ou verdade, do que antes, tinha sido escrito e ou falado, mas a minha, e tão-somente a minha!

Sim! - A minha realidade!
A realidade do momento, que então eu, antes, tanto havia ansiado.
A realidade, não só da minha mente, mas a realidade do que, no momento, verdadeiramente sentia.

Aquela era a realidade, que um dia alguém me tinha dito, sim que me tinha dito, e eu não acreditara, que somente minha seria, e tão-somente minha, aquela nova realidade, se as barreiras, que se me apresentariam, passasse com a verdade.

Agora compreendia o Segredo, do meu mais íntimo e do meu “Ser”.

Afinal o Segredo, o tal Grande Segredo, não era nenhum Segredo, era apenas algo que só a mim dizia respeito, algo que só eu podia entender, por isso o Segredo, nada tinha de Secreto, mas sim, como um dia já ouvira dizer, ele era apenas Discreto.

Por isso só para mim, ele se tinha revelado e por isso mesmo, e de forma alguma, devia, agora, ele, de ser, aos outros, contado.

E assim terminei esta minha viagem e ao destino consegui chegar, pois nela, tal como na vida, tudo de mim tinha dado e agora para começar um novo caminho eu estava preparado.

Se este novo caminho o vou conseguir fazer, só de mim depende, certo eu estou que de o meu melhor eu vou dar, para a perfeição tentar atingir e a Verdadeira Luz receber.

Nota Final: E assim acabou o sossego de uma vida acomodada, de uma vida cheia de certezas e conceitos, ou preconceitos, enraizados, a viagem, naquele dia iniciada, bem essa ainda muito (espero) falta para estar terminada.

Alexandre T.

16 maio 2014

A minha Iniciação. Parte -2


Eis que de repente a viagem começou e eu por ela não tinha dado, ou melhor, por ela eu não queria dar.

Agora do silêncio da espera algo irrompia e de súbito uma mão para mim se estendeu.

De onde vinha e ou de quem era, isso agora não importava, o que contava era que a tal viagem para que eu me preparara agora já estava a acontecer.

A caminho, e de caminho, a uma porta, eu fui dar, e na consciência eu fui bater.

Que consciência?
A consciência de que esta viagem tinha de ser feita de uma forma leal e sentida, por isso se o sítio escuro, tinha de ser, porque haveria eu de os olhos querer usar.

Bem voltando à Porta, a que eu tinha ido dar, para a conseguir ultrapassar um segredo me foi contado.
- Não, claro que o não posso revelar. Lembrem-se, esta foi a viagem ao meu interior e só para mim ela faz sentido e significado consegue ganhar.

Depois de, no tal segredo, as respostas ter recebido, foi um tormento, ali logo concedido, mais fundo eu tinha que descer e numa gruta entrar.

Depois de muito andar, e por paredes estreitas ter passado, a um Grande Templo eu cheguei.

Assim e já dentro do Grande Templo eu me encontrar, quando de repente, para além de quem a mão me dava e os segredos me descortinava, uma voz forjada pela Sabedoria, pela Força e Beleza do conhecimento e saber, se fez ouvir, e comigo começou a falar.

- Quem tu és, porque aqui queres entrar?
- Não sabes que este é um Mundo reservado apenas a quem o merece ter.
- Porque te julgas merecedor de nele entrar?
- Não sabes, e já não ouviste contar, que quem aqui entra para trás já não pode regressar?
- Tens a consciência que com o Sagrado não se pode brincar e que se o caminho continuares a garganta te irei cortar, se daqui revelares o que vires e escutar?

- Que pavor, ou talvez não! - Na verdade era ali que eu queria estar, e para aquela viagem eu me tinha preparado, como podia sequer ficar assustado?

Em frente decidi ir e com a verdade me armar, nada tinha a temer por ali conseguir chegar, mas então com uma regra fui confrontado, para de mim mais saber, ia ter de ser julgado.

Nota: Para quem a ultima etapa desta viagem quiser conhecer, esperar pela próxima semana será o suficiente, para a derradeira etapa, e o Grande Segredo, ficar a conhecer.

Alexandre T.

22 dezembro 2010

Elegia a um homem bom


Chegámos, a minha mulher e eu, ao hospital ao fim da tarde. Íamos visitar o pai de uma amiga que sabíamos estar gravemente doente. Encontrámo-lo rodeado pela família - a mulher e as duas filhas. Um olhar atento e alguns momentos chegaram-me para perceber que o seu estado não era apenas grave. A agonia começara. Não obstante, o homem doente estava lúcido. Fraco, muito fraco, mas lúcido. Não sei se consciente de que a travessia do umbral da eternidade estava próxima, mas lúcido.

Escondi o meu pensamento, proferi as palavras de conforto e encorajamento que devem ser levadas por quem visita quem está doente - esperando que às mesmas conseguisse conferir um pouco de credibilidade. Como é meu hábito (defesa?) nestas situações, procurei orientar a conversa para temas ligeiros e lançar um par de larachas que, por momentos embora, desanuviassem o ambiente. Senti-me grato por ter conseguido vislumbrar um par de sorrisos no homem doente. Pensei que, quando chegasse a altura de ser eu a fazer a mesma viagem que adivinhava que aquele homem não demoraria muito a fazer, também gostaria que alguém conseguisse fazer-me sorrir - a tal viagem é certa para todos nós, já que todos temos que a fazer, que se faça bem-disposto...

Da família que rodeava o homem, uma das filhas já se apercebera da iminência da partida. A outra guardava ainda uma réstia de esperança que a técnica médica ainda pudesse adiar o momento que a irmã já sentia chegando. A mãe de ambas, companheira de toda uma vida, incansavelmente acompanhava o seu marido, refugiando-se em pequenas coisas, não querendo pensar nem encarar o que temia sucedesse.

Uma hora depois, deixámos o homem doente. Outras solicitações de uma vida sempre atarefada nos aguardavam.

Na manhã seguinte, a notícia! O homem bom que tínhamos visitado, partira para o além desconhecido durante essa noite. A minha mulher soltou a sua emoção. Eu pensei - mas reservei para mim esse pensamento - que fora uma felicidade que a agonia tivesse sido breve. Vim a saber depois que a viagem fora feita durante o sono - e de novo dei graças por tal. A minha mulher, imersa na sua emoção, perguntava, insatisfeita, porque eram os bons que partiam quando tantos maus ficavam por aqui atormentando os seus semelhantes. Perguntei-lhe se sabia ela que se estava melhor aqui do que para onde se seguia...

Gostaríamos que os bons estivessem connosco sempre mais. Lamentamos a sua partida. Principalmente a família experimenta a orfandade da separação, o desgosto do desaparecimento. E tem de fazer o luto pela sua perda.

Quem não é crente, não tem, nestas ocasiões, arrimo para o sentimento de perda. Já quem crê em algo mais do que a materialidade que nos rodeia, sem deixar de sofrer o choque, tem a possibilidade de se consolar com a noção de que o fim deste caminho não é o fim do caminho, que, para além do que vemos e sentimos e sabemos, mais e diferente caminho existe para caminhar, não sabemos de que forma, como - mas existe.

O maçom confronta-se com a ideia do seu desaparecimento físico e aprende a não o temer, a entender que o momento inescapável é apenas uma passagem - um fim, mas também um novo princípio.

Um homem bom terminou a sua caminhada entre nós. Como todos os que gostam da companhia de quem é bom, lamento que essa companhia tenha cessado. Mas creio que a razão porque a sua presença física cessou foi apenas porque a sua missão aqui foi cumprida. Nova missão, novo desafio, nova jornada, encetou - como todos nós havemos de encetar. Foi cedo de mais? Poderia a Providência ter-lhe dado, a ele e aos seus e a todos nós um pouco mais de tempo para apreciarmos a nossa mútua companhia? É humano que o desejemos. Mas a hora foi esta porque a sua missão aqui fora ultimada, cumprida, realizada - e com êxito! Já o homem bom era, porventura, mais necessário onde seu espírito agora prossegue a sua caminhada.

Os bons vão primeiro? Pudera! É por serem bons que melhor e mais depressa cumprem a sua missão aqui!

O solstício de inverno - que hoje decorre - lembra-nos que a escuridão, o frio, a noite longa e o dia breve, o fim, afinal são um recomeço e, a partir do ponto de transição, a escuridão pouco a pouco de novo cede o lugar à luz, o frio desaparece, a noite se encurta e o dia se alonga, o fim é afinal um novo princípio.

É disto que nos devemos lembrar sempre que vemos partir um homem bom.

(Homenagem a um homem bom que partiu).

Rui Bandeira

22 setembro 2010

O Visitante, o Viajante e o Turista


Três homens decidiram deslocar-se a uma grande cidade, uma daquelas cidades que todos desejamos conhecer, com história, dimensão, vida, monumentos, museus, teatros, cinemas, enfim, uma metrópole moderna. Todos eles dispunham de tempo e meios para por lá ficarem um mês e todos eles iam decididos a fazer a "viagem da sua vida" e a ficar a conhecer aquela cidade o mais profundamente possível. Esses três homens eram, como é natural, diferentes e cada um preparou e realizou a expedição à sua maneira.

O primeiro homem, chamemos-lhe Visitante, contratou através da sua agência de viagens os serviços do melhor operador turístico da cidade, que lhe preparou meticulosamente a estada. Chegado a essa cidade, o Visitante tinha preparado um completo programa de trinta dias de visitas guiadas a tudo o que a cidade de melhor tinha para oferecer aos seus visitantes. Foi uma visita inesquecível! O Visitante foi guiado pelos melhores museus da cidade, onde lhe foram mostradas as mais significativas obras de arte que aí havia e as mesmas foram explicadas, enquadradas histórica e artisticamente. Foi guiado nas visitas aos mais relevantes monumentos, sendo-lhe chamada a sua atenção para o seu significado histórico, os detalhes da sua construção, a sua utilização nos dias de hoje. O operador reservou-lhe bilhete para assistir ao melhor espetáculo da cidade, proporcionou-lhe um guia para o conduzir pelas mais esconsas vielas da Cidade Antiga, pelos mais pitorescos recantos, pelos mercados mais tradicionais, apresentando-o a interessantes pessoas que ali viviam ou trabalhavam. Também ao Visitante foram mostradas as mais deslumbrantes paisagens da cidade e proporcionados demorados e agradáveis passeios nos mais agradáveis parques e jardins ali existentes. Claro que foi conduzido também às melhores, mais concorridas, completas e diversificadas zonas comerciais da cidade, onde o Visitante pôde admirar a maior variedade de objetos e bens de consumo e adquirir o que lhe interessou adquirir. Visitou a Universidade e as Bibliotecas, guiado por um culto guia que o operador contratou para o efeito. Visitou o Parlamento e os mais emblemáticos edifícios onde funcionavam os representantes políticos da urbe e do país, ouvindo as explicações de um guia especializado, que o esclareceu sobre as circunstâncias e a prática política ali vigentes. Maravilhou-se com a grandiosidade dos edifícios religiosos, enquanto ouvia as informações e explicações proporcionadas pelo guia especialista em Arte Sacra que o operador turístico contratou para o efeito. Enfim, foram trinta dias de algum cansaço, muitas visitas, muitos conhecimentos novos para digerir, mas foi realmente uma viagem extraordinária! No regresso, o Visitante pensava na melhor forma de elucidar os seus conterrâneos sobre as maravilhas, as riquezas, as belezas, que existiam naquela deslumbrante metrópole.

O segundo homem, designemo-lhe por Viajante, preparou e realizou a sua viagem de forma muito diferente. Não contratou os serviços de qualquer operador turístico, dispensou excursões e visitas guiadas. Preparou a sua viagem lendo tudo o que conseguiu descobrir sobre a cidade, a sua história, os seus monumentos e locais de interesse, as suas gentes. E mal desembarcou na cidade e se instalou no hotel escolhido, lançou-se numa contínua exploração da cidade. Também visitou, mas por si só, museus. Não viu tudo. Não teve ninguém que lhe chamasse a atenção para as melhores obras. Mas viu o que antecipadamente lera que era importante ver, apreciou demoradamente aquilo de que gostou, passou mais brevemente pelo que achou menos significativo. Também visitou e fotografou os monumentos da cidade, descobrindo ângulos curiosos, vestígios do passado interessantes. Falou com os guardas dos monumentos e descobriu curiosas e picarescas histórias, do passado e do presente, por eles contadas. Perguntou aos habitantes locais que espetáculos interessantes havia e acabou por ir ver um par de espetáculos que não constavam dos circuitos turísticos, que o elucidaram sobre a genuinidade das gentes daquela terra. Vagabundeou pela Cidade Antiga e ali se perdeu horas esquecidas, recanto aqui, conversa acolá, absorvendo a atmosfera da cidade e da sua história e da sua vida. Provou o que se vendia nos mercados, comeu as comidas típicas da cidade, confraternizou à roda de uns copos com genuínos habitantes da cidade, apercebeu-se dos seus anseios e desilusões, das suas alegrias e tristezas, do seu labor e do seu ócio. Passeou por agradáveis jardins, observando as brincadeiras das crianças e nelas se intrometendo. Conheceu muita gente, conversou, ouviu histórias interessantes, soube onde adquirir as mais genuínas coisas da cidade ao melhor preço, visitou fábricas e locais de trabalho, escolas e locais de culto. Em descontraída manhã de domingo, ousou mesmo jogar com um grupo de jovens o desporto preferido na cidade e - claro! - perdeu... Falou com taxistas e polícias, vendedores e ardinas e artesãos e comerciantes, enfim embrenhou-se no coração da cidade, misturou-se com as suas gentes, viu e visitou a cidade e tudo o que de bom e bonito ela tinha pelos olhos dos seus habitantes. Quando findou o tempo que tinha reservado para aquela visita, o Viajante quase se sentia um novo habitante daquela urbe, dela partia com alguma pena. Na sua máquina fotográfica, tinha mais fotografias de pessoas do que de monumentos, mas cada imagem de cada pessoa recordava-lhe um momento único, uma história curiosa, um episódio pitoresco. Na viagem de regresso, pensava de si para si que ficara mesmo a conhecder a cidade e as suas gentes e que talvez fosse interessante elucidar os seus conterrãneos como se vivia naquela importante urbe.

O terceiro homem, refiramo-lo por Turista, antes de viajar, comprou um guia de viagem relativo à cidade, consultou-o e assinalou meia dúzia de monumentos a visitar, viu quais os restaurantes recomendados, anotou as mais agradáveis esplanadas. Escolheu cuidadosamente o hotel onde ficaria. Chegado à cidade, instalou-se no hotel e tratou de descobrir os serviços que proporcionava. Reservou um dia para utilizar o SPA, comprou umas horas de consumo de Internet, para que, diariamente, ou quase, reservasse um pedaço do dia a ler as notícias do seu país. Contratou, para determinado dia, uma visita guiada à cidade, daquelas de autocarro aberto com guia de microfone, que vai debitando informações sobre o que se vai vendo. Visitou descansamente a cidade. Viu os monumentos que selecionara, calma e descontraídamente. Comeu em todos os restaurantes que referenciara. Passou agradáveis fins de tarde em sossegadas esplanadas. Passeou quando lhe apeteceu, olhando para onde o seu olhar caía, falando com quem o acaso colocava perto de si, ouvindo os ruídos ou músicas que a sorte e o local proporcionavam, cheirando aqu o perfume de flores, ali o odor de comida. Enfim, descansadamente viu o que quis ver, visitou o que lhe agradou visitar. Descansou e andou, parou e avançou. Voltou aos locais que mais lhe agradaram. Nem sequer passou por onde não lhe interessava. No regresso, satisfeiro e repousado, começou a germinar na sua mente algo que decidiu partilhar com os seus conterrâneos.

Caro leitor, faça agora uma pausa, pense e decida de si para si: qual dos três agiu melhor? E qual o pior?

A minha opinião é que nenhum foi melhor ou pior do que os demais. Cada um viu a cidade da e pela forma que a ele mais lhe convinha. Todos tiraram proveito da estada. Certamente proveitos diferentes - mas isso não é melhor nem pior, apenas diferente!

O Visitante, de regresso a casa, escreveu um exaustivo guia de viagem sobre a cidade, pelo qual os seus conterrâneos quase podiam saber tudo o que havia a saber sobre ela, mesmo antes de lá chegarem. O Viajante escreveu um livro de viagem, que retratou, com grande fidelidade, como era, como vivia, o que sentia, a gente daquela cidade. As suas impressões, os seus relatos permitiram a quem leu esse livro saber como é realmente, por dentro, essa cidade e como são os seus habitantes, mesmo antes de lá irem. O Turista, esse, regressado da sua despreocupada, descansada e nada exaustiva viagem... escreveu um romance passado naquela cidade. Quem o leu, admirou, além da qualidade da escrita e da trama da história, a forma como daquelas páginas se desprendia, leve mas sensivelmente, a atmosfera da cidade.

Que tem isto que ver com Maçonaria? Releia, caro leitor, o meu último texto sobre os Altos Graus. O Visitante simboliza o maçom que decide percorrer os Altos Graus, fazer a sua viagem apoiado no guia. Tudo aprende, certinho, direitinho. Compensa a falta de espontaneidade com a qualidade e quantidade do saber que recolhe. O Viajante simboliza o maçom que opta por seguir o seu caminho por si, fazendo a sua busca desenvolvendo ele as noções que aprendeu no seu percurso até à sua Exaltação como Mestre Maçom. Não tem a sua viagem tão organizada, tão completa, mas vive intensamente a sua busca. Não recolherá talvez a quantidade de ensinamentos passível de ser recolhida numa viagem organizada, mas recolheu o que lhe interessa e, no que lhe interessa, aprende a fundo. Vive a sua viagem e apreende a essência dela. E o Turista? Esse é o maçom que não se preocupa grandemente com tempos e saberes. Faz a sua viagem, segundo o seu tempo, o seu ritmo, os seus gostos. Não conhecerá tão profundamente como os outros, mas tudo vê, talvez mais de passagem, talvez mais intermitentemente, mas sempre de uma forma para si agradável. Só vai à Loja quando lhe apetece ir à Loja, uns anos exerce ofícios, noutros não está nisso interessado. Quando vai, quando está, participa e contribui. Mas nem sempre está disponível, necessita das suas pausas nas esplanadas. Faz a sua viagem como gosta, ao seu ritmo. Não aprende tanto como o Visitante, nem tão profundamente como o Viajante, mas o que aprende, aprende com gosto e por gosto e disso retira proveito. E partilha-o.

Todos fazem a sua viagem conforme preferem. Todos partilham o que aprendem com ela. Cada um à sua maneira. É útil partilhar a erudição. Mas também é útil partilhar a profundidade, a vivência, a genuinidade. E não menos útil partilhar a Beleza, a satisfação, que se tira da viagem, seja ela mais esforçada ou mais descansada. Nenhuma forma de viajar é melhor do que a outra. São, simplesmente, diferentes.

Afinal, o Visitante, que tudo aprendeu na sua primeira estada, quando voltar, já só voltará a lugares escolhidos, para relembrar a sua beleza e terá disponibilidade para sentir a vida do povo do lugar. E o Viajante, que conheceu ao início como vive a cidade, quando voltar certamente quererá saber mais sobre os seus monumentos e sua história, dará mais atenção à erudição, mas também apreciará fazê-lo mais descansadamente, com mais pausas, para melhor apreciar a atmosfera da cidade. E o Turista, esse, sempre visitando ao seu descansado ritmo, quando volta aprende mais um pouco e mais profundamente.

Não importa como se começa, como se prefere fazer a viagem. O que importa é fazê-la e ir aliando a Sabedoria (os conhecimentos privilegiados pelo Visitante), à Força (a profundidade, a vivência, a genuinidade, em primeiro lugar buscadas pelo Viajante) e à Beleza (descansadamente privilegiada pelo Turista).

Maçonaria é vida, faz parte da vida, é uma forma de aprender e apreciar e viver o mundo à nossa volta. De evoluir com a nossa vivência. E sobretudo de partilhar a nossa vivência, os nossos conhecimentos, a nossa evolução com os demais e beneficiar da partilha do que os demais nos proporcionam. Em suma, de cada um fazer a sua viagem, da forma que prefere e de que retira mais proveito e partilhar esse proveito com os demais, pela forma como melhor o conseguir fazer.

Rui Bandeira

17 março 2009

O último grau

Quando entrei na sala da Loja, privado de visão, ouvi a mais bela música que alguma vez ouvi. Não era uma música com que eu estivesse familiarizado, nem com o que a produzia, nenhum instrumento que eu pudesse identificar. Mas era, oh, tão pacífica, trespassava a minha alma e criava uma noção de harmonia e de acordo total.

Eu era energia arrastada ou conduzida em pensamento em torno da Loja por esta música, seguindo o que parecia um rumo ao acaso, mas, após oito repetições, fui capaz de discernir que havia quatro repetições de duas manobras, uma sendo um círculo e outra um triângulo . A repetição de manobras foi necessária, como mais tarde me foi explicado, para criar a imagem de um símbolo tridimensional para este grau. E este símbolo era um dos existentes na Câmara do Meio onde recebi este grau. O Esquadro e o Compasso continuavam a adornar o exterior do edifício da Loja, mas dentro deste edifício existia uma Câmara do Meio, onde Pirâmide e Globos eram os símbolos utilizados.

Pude mais tarde ver com o que se parecia este símbolo. Era uma pirâmide na qual estavam três Globos alinhados verticalmente, desde a ponta até a base. No Globo superior, havia uma pequena pirâmide apontando para baixo. O Globo do fundo tinha uma pirâmide apontando para cima e o Globo do meio tinha uma estrela de seis pontas tridimensional. O significado deste símbolo era que o espírito do Criador, Redentor e Protetor estava infundido no círculo da vida, o infindável ciclo de nascimento, morte, renascimento, a morte de novo, e novamente e de novo, até à eternidade. Também transportava o sentido da unidade, já que estamos todos juntos como um, unidos como seres que possuem todos uma partícula do Criador. O símbolo não estava preso a nada, antes surgia perante os olhos de quem estivesse em qualquer ponto da Câmara do Meio, sob a forma de um holograma.

Não houve nem apresentação de qualquer ferramenta, nem um juramento neste grau. Foi-me explicado que, na minha condição presente de ausente de tempo e de lugar, mas em todo o tempo e todo o lugar, as sanções, juramentos e promessas eram supérfluos.

Fui conduzido para o Sul, para o Oeste e, em seguida, para o Norte da Loja, onde, ainda com a minha energia diminuída e apenas capaz de ouvir, eu teria, no entanto, a visão necessária para ver um filme em holograma totalmente privado, visível apenas para mim. No Sul, recebi uma revisão de toda a minha vida. Foi-me mostrada num holograma retratando pessoas, lugares, eventos, acontecimentos e ocorrências, numa rápida e contínua sequência, terminando no momento da minha morte física.

No Ocidente, vi, como anteriormente num filme em holograma, todas as vezes que eu tinha inspirado outros e quando eu tinha sido gentil, compassivo, amoroso e humilde. Muitas vezes fiquei dominado pela emoção, pois o que me foi apresentado era tão vívido como o que eu sentira quando tinha ocorrido no passado e estava acontecendo novamente bem à minha frente. Existe um real significado para a palavra reviver.

Depois, no Norte revivi o lado negro de mim próprio, todas as vezes que eu tinha agido com um arrogante ego inchado, para afastar e ferir os outros, todas as minhas fraquezas, os meus pecados e as vezes que eu tinha desiludido os outros. Mais uma vez, foi invadido pelas lágrimas, ao pensar que eu tinha agido de tal forma. E é por isso que estes hologramas eram totalmente privados e só passíveis de serem vistos por mim, pois aqueles reunidos em torno de mim, não estavam ali para julgar, mas para apoiar. E eu sentia o calor do seu amor e carinho fraternais.

Tal como ocorrera nos meus graus terrenos, fui conduzido, sempre através do pensamento, para fora da Câmara do Meio, para a antecâmara, onde fui preparado para voltar a entrar, para a segunda parte do grau, a palestra.

O meu condutor, Hiram Abiff, restaurou-me a plena energia e, em seguida, falou-me. "Os teus graus terrenos ensinaram-te os méritos da tolerância e da ausência de preconceito", disse ele. "Mostraram-te a forma de desfrutar da paz, harmonia e convivência entre as pessoas de diferentes raças, religiões, culturas, orientações políticas e condições económicas. Agora vamos levar-te ainda mais longe nesse conceito, na palestra do último Grau. "

Fui readmitido na Câmara do Meio e conduzido para junto do Oriente. A imagem da Pirâmide e Globos estava sempre presente diante de mim, num holograma. Acolhendo-me no Oriente, estava uma mulher negra, de meia idade, talvez. O seu sentimento de amor fraterno e afeto era como um calor brilhante, que penetrava o meu espírito. Procedeu à palestra, lentamente e com significado.

"A lição do último grau é que a separação que flagela muitos na sua peregrinação terrena, aquela divisão pela qual cada um vê os outros como diferentes, menos dignos ou sem valor, e que o separa dos demais, é realmente uma separação de Deus. Sim, na realidade, existem diferenças reais na Terra. Cada homem e cada mulher na Terra é realmente feito de forma um pouco diferente e respondem de maneiras diferentes. Existem diferentes raças, culturas, credos e conceitos do Criador. Mas atribuir um valor sinistro a essas diferenças é usá-las para dividir, em vez de reunir e, em seguida, para ostracizar, assim criando uma separação. Levada ao extremo, esta separação progride da desconfiança para a suspeita, conduzindo ao desprezo e ao ódio, e, em última análise, ao extermínio ou limpeza étnica. Esta desunião é fruto do livre arbítrio da humanidade e não reflecte as intenções do Criador. Esta divisão, desunião e separação constituem a verdadeira historia de Adão e Eva e da queda do Homem. Porque é na desunião e separação humanas que reside a separação do Todo-Poderoso."

"Reviste na tua Iniciação na Loja Celestial tudo que fizeste na tua vida humana na Terra. Reviveste as alturas em que permitiste que os teus medos dos outros e das suas diferenças te separaram deles. E reviveste as alturas em que não teres ligado a essas diferenças te pôs em harmonia com os demais."

"Diz-se que a humanidade foi criada à imagem de Deus. Mas eu digo-te que cada homem é uma parte de Deus e possui uma pequena partícula do Altíssimo dentro dele. Que a partícula cresça e se torne uma parte cada vez maior de um ser humano, depende das escolhas que cada um faz na sua viagem pela vida. O objectivo dessa viagem é alimentar e nutrir a sua alma numa missão terrena, para a qual Deus lhe deu as ferramentas para a realizar. Ao fazê-lo, possibilita-se que o Todo Poderoso Criador, o Mestre do Céu e da Terra, se experimente a si próprio. Viver a "vida piedosa" é a capacidade de subir acima do que procura dividir e criar o caos."

"É agora tempo, meu irmão, de tu te empenhares na crença de que todos somos UM. Não há OUTROS. Quando alguém se afasta ou repudia quem vê como outro, apenas se separa de si mesmo e de onde veio e para quem um dia vai voltar. Quando alguém fere ou prejudica quem vê como outro, só fere ou prejudica a si próprio."

"A Pirâmide e Globos são o símbolo deste grau, meu irmão. Ensina que toda a vida, os seus altos e baixos, as suas alegrias e tristezas, os seus amores e medos, é uma experiência santa e sagrada. Possibilita que visualizes o conceito de que a vida é sem fim e continua a mover-se, começando onde terminou e terminando onde começou. Vai e volta, em redor e sobre e sempre "na unidade do Espírito Santo." SOMOS TODOS UM. Não há nenhuma parte de nós que esteja separada ou fora da Pirâmide e Globos. Somos todos pedaços do mesmo bolo. Deus está em nós e nós estamos em Deus. SOMOS TODOS UM! Agora, vai em paz e harmonia e alegra-te com este conhecimento."

Texto da autoria do Irmão Frederic L. Miliken, originalmente publicado no excelente sítio maçónico Freemason Information, colocado em BEE HIVE, e, com a devida autorização do seu autor, traduzido e aqui publicado por

Rui Bandeira

16 março 2009

Tive um sonho

Tive um sonho há não muito tempo. E nesse sonho eu tinha passado para a Loja Celestial e encontrava-me mesmo junto ao Portão das Pérolas. Não era S. Pedro quem me aguardava, mas antes um Peregrino de bordão e lanterna, vestido com um manto ou túnica larga, com o capuz puxado por cima da cabeça. Estava tão dobrado que mal se viam os seus olhos ou o movimento dos seus lábios.

"Eis um Viajante", disse ele com uma voz rouca.

"Sim, sou e acho que fiz uma longa viagem", retorqui.

"Podes prová-lo?", perguntou o Peregrino.

"Tenho a certeza que posso provar, sem margem para dúvidas de ninguém, que sou um Mestre Maçon", respondi.

"Está bem. Segue-me."

"Para onde vamos?"

“Para a Loja Celestial.”

"A Loja Celestial no além, que bom".

"Não, só Loja Celestial; no além já nós estamos."

Para iniciarmos o caminho, tentei dar um passo largo, mas permaneci no mesmo sítio. O Peregrino disse: "Aqui, o caminho faz-se em pensamento. Basta que te visualizes a seguir-me."

Assim fazendo, movimentei-me sem qualquer esforço, como se estivesse sobre uma passadeira rolante no aeroporto.

Chegámos ao nosso destino num abrir e fechar de olhos. Diante de nós, estavam o que parecia serem nuvens vermelhas, azuis e púrpura, nas quais brilhavam, num azul marinho iridiscente, quais salpicos brilhantes, o Esquadro e o Compasso. "É este o aspeto das luzes de néon no Paraíso?", pensei.

"É lindo", disse eu, "mas onde está a letra G?"

"Aqui não usamos a letra Gi", respondeu o Peregrino. "O que a letra G simboliza está presente no Oriente. Não é preciso o símbolo do Criador quando o Criador está presente. O Eu Sou Quem Sou é Quem Ele É."

"Ena! Bill Clinton ganharia o dia com esta frase", pensei.

Quando nos aproximávamos, uma voz estentória inquiriu, "Quem vem lá?"

"Um Viajante que atravessou o Portão das Pérolas," respondeu o Peregrino.

"Ele tem passe?" Perguntou a voz forte.

"Não tem. Respondo eu por ele."

"Ele aguardará até que o Todo-Poderoso seja informado da sua presença e a Sua resposta seja recebida."

Dentro de pouco tempo, uma mulher com um vestido cor de lavanda onde brilhavam lantejoulas brancas em forma de estrelas, surgiu de entre a massa de nuvens e disse, "Entra pela porta externa para a antecâmara".

Lancei um olhar inquiridor ao Peregrino.

Lendo os meus pensamentos, ele rapidamente respondeu, "Aqui nós aplicamos integralmente a lição do Nível."

As nuvens dissiparam-se e eu interroguei-me se seria Moisés quem estava do outro lado da porta. Enquanto atrás de nós as nuvens se fechavam novamente, entrámos na antecâmara. Um homem aguardava-me e, antes que eu pudesse falar, disse-me, "Não, eu não sou Moisés, sou Hiram Abiff, e sou o Mestre de Cerimónias que te vai conduzir ao longo do teu próximo grau."

"Tenho outro grau para receber?", perguntei timidamente.

"Sim, meu irmão, mas primeiro temos de proceder a alguns preliminares, transmitir algumas informações, e então estarás prepararado."

O Irmão Abiff solicitou e recebeu todos os passos, sinais, palavras e toques dos graus terrenos através do pensamento. Seguidamente, disse, "devo perguntar-te se vais prosseguir de tua livre vontade e acordo."

“Tenho escolha? “, perguntei.

"Oh sim, podemos mandar-te de volta."

"Mandar-me de volta, PARA ONDE?"

"Para onde vieste. Mas haverá uma condição."

"E qual é ela?"

"Não vais voltar a ser quem eras lá. Vais começar tudo de novo, como outra pessoa."

"Então, quem vou eu ser?"

"Não está predeterminado, mas, como se diz na Terra, é uma lotaria. Podes voltar como uma nova pessoa na China, ou na Índia, ou na Alemanha, ou em Cuba, ou no Uganda ou em qualquer lugar."

"E o que é que eu vou fazer lá?"

"Aquilo que escolheres fazer. Bem vês, com o livre arbítrio tens sempre uma escolha. Más escolhas, no entanto, geralmente geram maus resultados."

"Acho que gostaria de continuar aqui."

"Muito bem, então assim será."

Fiz uma boa escolha?"

"Não me compete a mim dizê-lo. O lixo de um homem é o tesouro de outro, como diz o ditado. Como provavelmente terás notado, o teu corpo, bem como o nosso, é apenas uma ilusão. A melhor descrição do que és, neste momento, é pura energia. Como tal, em vez de seres desnudado ou vendado, será diminuída a tua energia, de modo que poderás ouvir, mas não ver ".

"É este então o 34 º grau?"

” "Não", respondeu o Irmão Abiff. "Este é o último grau. Agora, segue quem te guia e não temas nenhum perigo."


Texto da autoria do Irmão Frederic L. Milliken,
originalmente publicado no excelente sítio maçónico Freemason Information, colocado em BEE HIVE, e, com a devida autorização do seu autor, traduzido e aqui publicado por

Rui Bandeira

09 julho 2007

Uma visita a RIGOR

Uma delegação de sete obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues efectuou no fim de semana último uma visita à Respeitável Loja Rigor, n.º 57 da Grande Loja Legal de Portugal / GLRP, ao Oriente de Bragança.

Nesta visita, a delegação da Loja Mestre Affonso Domingues teve a honra de acompanhar o Muito Respeitável Grão- Mestre, Mário Martin Guia. O nosso companheiro neste blogue José Ruah deslocou-se na dupla condição de obreiro da Loja e de Grande Inspector para o Rito Escocês Antigo e Aceite.

Deslocámo-nos na companhia das respectivas famílias, pelo que, enquanto decorreu a reunião da Respeitável Loja Rigor, n.º 57, a esposa de um dos nossos anfitriões acompanhou as nossas mulheres e filhos numa visita ao castelo e a alguns museus de Bragança.

Na reunião, tivemos, designadamente, o grato prazer de testemunhar a iniciação do vigésimo quarto obreiro da Loja Rigor, a qual se destaca pela elevada assiduidade dos seus obreiros, além de ter ficado decidida a geminação entre as duas Lojas. Tal decisão foi assinalada pela assinatura num diploma a ela alusivo, efectuada pelos Veneráveis Mestres Domingos A., da Respeitável Loja Rigor, n.º 57, e Paulo FR, da Loja Mestre Affonso Domingues.

Se nada sobrevier em contrário, está prevista para o próximo ano maçónico a retribuição da visita, ocasião em que, ultimada e acordada a redacção do respectivo Convénio de Geminação, se prevê a realização, em Lisboa, da formal cerimónia de geminação entre as duas Lojas, através do Ritual de Geminação que, a propósito da geminação ocorrida entre a Loja Mestre Affonso Domingues e a Respeitável Loja Fraternidade Atlântica, n.º 1267 da Province de Bineau da Grande Loge Nationale Française, no ano maçónico transacto, foi elaborado por obreiros da nossa Loja e mereceu a aprovação do Grão-Mestre então em funções.

A Loja Rigor, n.º 57, possui magníficas instalações próprias, graças ao esforço e ao trabalho dos seus obreiros, e, após a sessão, nelas teve lugar um agradável ágape, reunindo os obreiros de ambas as lojas e respectivas famílias.

A hospitalidade fraterna dos nossos Irmãos da Loja Rigor, n.º 57, foi insuperável e tornou-nos devedores do nosso reconhecimento e desejo de, não superá-la (porque o insuperável é insusceptível de superação, por definição), mas de dela nos aproximarmos tanto quanto possível.

Rui Bandeira

04 setembro 2006

Por terras de Castelo Rodrigo

Pormenor de torre do Castelo Rodrigo



No passado fim de semana, membros da Loja Mestre Affonso Domingues, entre os quais os colaboradores deste blogue JPSetúbal, PauloFR e Rui Bandeira, e respectivas famílias, no âmbito da actividade social da Loja, efectuaram uma visita à zona de Figueira de Castelo Rodrigo.

O programa da visita foi elaborado pelo Venerável Mestre da Loja, que fez questão de por este meio assinalar o termo do seu mandato, que se aproxima.

Visitou-se a barragem de Almofala, de onde se avista um fantástico panorama serrano, onde se enquadra a "Torre das Águias", antigo templo romano que terá albergado os primeiros então monges beneditinos, que vieram, depois de já terem aderido à Ordem de Cister, a construir o Mosteiro de Santa Maria de Aguiar, ponto seguinte da visita.

Ainda na manhã de Sábado, a comitiva dirigiu-se a Barca de Alva, . A meio do trajecto, fez uma paragem num miradouro, de onde se avista a paisagem de fronteira entre Portugal e Espanha, na zona onde o rio Douro entra no nosso País. A beleza da paisagem é indesmentível e similar em ambos os lados da fronteira, confirmando-se assim que para a Natureza não contam as divisões artificialmente criadas pelo Homem...

Na tarde de Sábado, visitou-se o Castelo Rodrigo e especialmente, dentro deste, a casa da Roza, construída sobre e encostada a rocha, aliás bem visível no seu interior, no piso térreo. Todos os visitantes se deslumbraram com as deliciosas soluções de disposição e decoração da casa, cujo recheio, de valor museológico, é demonstrativo do apurado gosto do seu proprietário. Uma verdadeira casa de maravilhas, cuja visita, por si só, valeu a viagem!

No Domingo, efectuaram-se breves visitas a Almeida e Ciudad Rodrigo, após o que toda a comitiva se dirigiu a uma localidade próxima desta cidade leonesa, apropriadamente chamada "Diosleguarde", pois aí todos se deliciaram com a especialidade da terra, o "Tostón", leitãozinho partido em pequenos bocados e confeccionado de maneira a comer e chorar por mais. Efectivamente, este petisco só merece um comentário: que "Diosleguarde"...

Foi um fim de semana e encerramento de férias de agradável convívio entre membros da Loja e respectivas famílias, apreciado por todos e, particularmente, pela criançada, que, toda junta, só por si fez a festa dentro da festa...

Maçonaria é também convívio e o desfrute, em ameno companheirismo, das belezas naturais e construídas pelo Homem.

Assim se encerraram as férias e, com as baterias bem carregadas, se regressa ao trabalho.

Rui Bandeira