Mostrar mensagens com a etiqueta Valores maçónicos. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Valores maçónicos. Mostrar todas as mensagens

26 dezembro 2016

Os Valores vencerão os medos e o terror


Quis o calendário deste ano que este texto se publique a 26 de dezembro, logo após o feriado do Natal. Espero que todos os que o leem tenham tido umas Boas Festas, em paz, sossego e junto de sua família, se assim foi o seu desejo.

Quer o calendário e a programação deste blogue que o próximo texto que convosco partilhe seja publicado já no início da segunda semana de janeiro de 2017, quando os festejos da Passagem de Ano já mais não forem do que recordação.

Esta é altura de balanço do ano que está prestes a findar e de expectativa em relação ao ano que aí vem. Abalanço-me ao balanço e à expectativa.

Vivemos tempos complicados e que nos impõem a necessidade de serenidade nas análises que fazemos.

O ano que finda não foi, seguramente, dos melhores anos da nossa vida coletiva. Em termos económicos, em Portugal começou-se a ver um ainda muito leve, e esperemos que não tão frágil como alguns o pintam, desanuviamento. Mas no Brasil a coisa parece estar feia e a instabilidade política e a desconfiança que se adensa sobre muitos dos atores políticos não vai ajudar nada. Receio que no País-Continente a situação vá piorar antes de melhorar... Desejo que piore pouco e por pouco tempo e que melhore muito e consistentemente. Nos demais países lusófonos, alguns vivem tempos de dificuldade, outros procuram diminuir as dificuldades que vêm de trás. Que paulatinamente todo o espaço que compartilha a nossa língua consiga evoluir, melhorar e, sobretudo, manter-se em Paz!

A nível global, o ano prestes a findar foi um tempo de crescimento da insegurança, da prática de atrocidades, de crescimento de nacionalismos e paroquialismos, de retrocesso da racionalidade e de cedência ao medo irracional, à fúria destemperada, à recusa do outro que é diferente que só pode preocupar quem acredita que o Homem é mais do que bicho e instintos. Atentados, xenofobia. regresso de nacionalismos retrógados e, sobretudo, muito perigosos, populismos aproveitando-se dos medos de gentes desorientadas, senhores do mundo e de guerra em braços-de-ferro cujas consequências não recaem (nunca recaem...) sobre eles, mas sobre uma amálgama de pobre, desprezada e indefesa gente que, no mínimo, passa à condição de refugiada, no máximo perde a vida e no meio sofre um horroroso cortejo de violências, fome, estropiações e barbaridades, a tudo isso assistimos durante este ano e, pior, não temos razões para ser otimistas e antecipar que deixaremos de assistir no próximo ano.

Vivemos tempos difíceis, de medo, de insegurança, de misérias, mas também de egoísmos, demagogias e fundamentalismos.

A luta pelas armas e pelas medidas policiais e judiciais contra os fundamentalismos e suas expressões de terror é necessária, mas é insuficiente. 

O Mundo vive hoje uma guerra que é diferente das que anteriormente houve. Agora já não se trata de embates de exércitos clássicos, nem sequer de guerrilhas em busca da erosão de poderes confiando no apoio de populações. Agora assiste-se à tentativa de estabelecimento, por qualquer meio, de uma conceção fundamentalista de vida, utilizando o terror para tentar quebrar quem é diferente, com o fito de o sujeitar ao modo de vida que julgam dever ser o único com direito a existir. 

Essa guerra tem, obviamente, de ser combatida pela força das armas e da imposição das normas de sã convivência social, mas só pode ser ganha com a vitória das ideias de Liberdade, de Democracia, de Respeito pelas Identidades de Todos sobre a estreita e mesquinha mentalidade de quem se acha o detentor da única verdade admissível.

Não é cedendo a medos e endossando populismos que vamos lá. Não é fechando fronteiras que obtemos segurança. Não é rejeitando os outros por serem diferentes de nós e parecidos com a matilha fundamentalista, mas também dela vítimas, e quantas vezes mais direta, grave e profundamente vítimas dos raivosos de pensamento único, que extirpamos o cancro que ataca o corpo da nossa sociedade global.

Temos de ter a sensatez e a força de compreender que religião não tem nada a ver com fundamentalismo terrorista, designadamente que muitos muçulmanos sofrem também ataques ferozes por parte de pretensos guardiães das pretensas purezas de uma fé que distorcem, enfim que distinguir a religião islâmica da caricatura nojenta que dela fazem os que usam o terror e o fundamentalismo para desvirtuar o que é uma crença tão respeitável como as demais.

Deus, Jeovah, Allah, são apenas designações diveras do mesmo e único Criador. É estúpido - sobretudo profundamnete estúpido! - que se trucidem pessoas apenas em função e em nome de uma alegada pureza e superioridade de que se arrogam uns quantos - afinal seres de vistas curtas e horizontes muitíssimo limitados! - que não só se arrogam detentores de pretensa verdade absoluta como buscam impô-la pela força e pelo terror a quem dessa pretensa verdade absoluta se desvie um milímetro que seja.

A longo prazo, a vitória sobre estes ignorantes e canhestros fundamentalistas obter-se-á, não pela rejeição ou medo do diferente, mas pela inclusão e diálogo aberto entre os diferentes, inclusão e diálogo que inevitavelmente mostrarão a todos que, afinal, os aparentemente diferentes são essencialmente iguais! Essa será a forma como isolaremos os tumores e os extirparemos do seio da Humanidade! 

Há umas centenas de anos, a Europa dilacerava-se em nome de diferentes conceções religiosas. Um espaço houve onde se podiam juntar todos os que tinham diferentes conceções, desde que de boa vontade, coração puro e espírito de fraternidade para o seu semelhante. Foram as Lojas maçónicas. Aí germinaram as sementes da Tolerância, da Liberdade, da Igualdade, da Fraternidade, do Respeito pelos Direitos Humanos, que conduzirama Humanidade a tempos de Paz e de Progresso.

Hoje, perante a ameaça de fundamentalismos, de extremismos, de populismos, a Maçonaria continua a ser um espaço de diálogo, de fraternidade, de debate entre iguais, ainda que aparentemente diferentes. Aqui se continuam a deitar as sementes, e a cuidar para que germinem e cresçam, da Tolerância, da Paz e da Concórdia.

À bruta força dos extremismos, a Maçonaria contrapõe a Sabedoria, a sã Força e a Beleza das ideias da Tolerância, da Liberdade, da Igualdade, da Fraternidade, do Respeito pelos Direitos Humanos. A Maçonaria, as suas Lojas, os seus debates serenos, a sua Fraternidade, estão na linha de combate ao obscurantismo. E, no final, serão os nossos Valores que vencerão. Porque são as ideias que vencem o terror!

Rui Bandeira 

12 dezembro 2016

Valores Maçónicos (II)


O segundo tema dos Antigos Deveres respeita ao relacionamento que o maçom deve ter com o Poder Político e respectivas autoridades.

Eis o seu teor:

Um Maçon é sempre um súbdito pacífico, respeitador do poder civil, em qualquer lugar que resida ou trabalhe. Jamais está implicado em conspirações ou conluios contra a paz e a felicidade da nação, nem se há-de rebelar contra a autoridade, porque a guerra, os derramamentos de sangue e as perturbações, têm sido sempre funestas à Maçonaria. Assim, os antigos Reis e Príncipes sempre estiveram dispostos a proteger os membros da corporação posto que sua tranquilidade e fidelidade, que refutavam praticamente as calúnias de seus adversários, realçavam a Honra da Fraternidade, que sempre prosperou em tempos de paz. De modo que, se um Irmão se rebelasse contra o Estado, não deveria ser sustentado em seus atos. Todavia, poderia ser confortado, como um infeliz, e se não for reconhecido culpado de nenhum outro crime, embora a fiel Confraria deva desaprovar sua rebelião para não dar ao governo motivo de descontentamento e para evitar que alimente suspeitas, não se pode excluí-lo da Loja, suas relações com ela permanecendo invioláveis.

Deste texto retira-se que o maçom deve seguir o Valor do Respeito da Legalidade, que implica a recusa de atividade revolucionária ou o uso de violência para alteração de regime político. É, no fundo, o princípio essencial da Democracia. A sociedade organiza-se segundo normas que devem ser respeitadas. A alteração dessas normas deve efetuar-se pelas formas previstas na legalidade vigente. A mudança de responsáveis políticos deve ocorrer no respeito da legalidade e sempre por via pacífica e democrática.

Também aqui estão presentes os Valores da Fraternidade, da Tolerância e, bem vistas as coisas, da Igualdade e da Liberdade.

Mesmo perante o erro, que deve ser desaprovado, deve permanecer a inviolabilidade dos laços entre maçons.

A Fraternidade não implica auxílio na infração ou injusta vantagem concedida a quem quer que seja. Mas implica, perante a desgraça. o auxílio, perante o erro, o auxílio na sua superação.

Pressuposto da Fraternidade é a Tolerância (que não se confunde com permissividade), a aceitação de que o outro tem o direito de pensar e agir de forma diferente da minha maneira de pensar e de agir, sem, por isso, perder a meu respeito e a minha consideração pela sua individualidade. Posso e devo discordar de pensamentos com que não me identifico - mas não posso deixar de respeitar o direito do outro de pensar diferentemente de mim. Posso e devo verberar e condenar a ação errada, mas não devo ostracizar quem errou, antes cumpre-me auxiliar a que quem errou se corrija. Devo reconhecer que, tal como o outro erra no seu pensamento ou na sua ação, também eu estou sujeito a errar no meu pensamento e na minha ação. Devo, portanto, tolerar sem rebuço entendimento diverso do meu que considero errado, até porque, no limite, só a realidade e o futuro demonstrarão se o pensamento errado era o do outro ou o meu…

Subjacente à Fraternidade e à Tolerância está a Igualdade. Todos somos iguais na essência, embora todos sejamos diferentes, porque cada um de nós é único. Cumpre-nos, assim, reconhecer a Igualdade essencial do outro, imanente na sua diferença pessoal. Mais. só porque somos todos essencialmente iguais é que nos logramos realizar individualmente nas nossas diferentes especificidades. Daí , dessa Igualdade essencial, inevitavelmente que resulta a nossa necessidade de Tolerância das diferenças imanentes às diversas individualidades e a Fraternidade que nos deve unir aos nossos essencialmente iguais que, afinal, são todos os demais.

Tudo isto, em última instância, deriva da Liberdade de que o Criador nos dotou. O livre arbítrio é caraterística intrínseca do Homem e só existe na medida em que exista a Liberdade para cada um se determinar.

O Criador arquitetou o Universo concedendo a estas criaturas o Livre Arbítrio, para que o exerçam em Liberdade, reconhecendo que todos estão em plano de Igualdade essencial, nas suas diferenças individuais, que devem ser, assim Toleradas, devendo todos manter um relacionamento Fraterno.

Os demais Antigos Deveres, genericamente, repetem a necessidade destes Valores havendo apenas que realçar, de novo, quanto à Conduta que devem adotar os maçons, a referência aos Valores do Respeito (Não organizareis comissões privadas nem conversações separadas sem permissão do mestre, nem falareis de coisas impertinentes nem indecorosas, nem interrompereis o mestre nem os vigilantes nem qualquer irmão que fale com o mestre; nem vos comportarei jocosamente nem apalhaçadamente enquanto a loja estiver ocupada com assuntos sérios e solenes; nem usareis de linguagem indecente sob qualquer pretexto que seja; mas antes manifestareis o respeito devido aos vossos mestre, vigilantes e companheiros e venerá-los-eis.), da Temperança (Podeis divertir-vos com alegria inocente, convivendo uns com os outros segundo as vossas possibilidades. Evitai porém todos os excessos…), da Cortesia (Deveis cumprimentar-vos uns aos outros de maneira cortês…) e da Prudência (Sereis prudentes nas vossas palavras e atitudes…).

Respeito, Temperança, Cortesia e Prudência são Valores sociais que os maçons adotam também como essenciais na sua conduta.

Em suma, os Valores maçónicos são a expressão dos Valores Sociais adotados pelos maçons, com especial grau de exigência para si próprios. A contínua e intransigente prática destes Valores conduz o maçom ao seu desejado aperfeiçoamento pessoal, moral e espiritual. Os Valores maçónicos são assim o meio, o caminho e as ferramentas para o maçom levar a cabo a sua construção de si.

Rui Bandeira

28 novembro 2016

Valores maçónicos (I)


Uma forma de determinarmos quais são os Valores maçónicos é verificar quais são os que encontramos referidos nos textos constitutivos e nos textos essenciais da Maçonaria.

Nas Constituições de Anderson de 1723, encontramos a compilação dos Ancient Charges, os Antigos Deveres. Lendo-a, deparamos com um significativo conjunto de Valores, que integram o cerne do que podemos considerar como a ideologia maçónica.

O primeiro capítulo dos Antigos Deveres trata de Deus e da Religião e nele pode ler-se:

Um Maçom é obrigado, pela sua condição, a obedecer à lei moral. E, se compreende corretamente a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino irreligioso. Mas, embora, nos tempos antigos, os maçons fossem obrigados, em cada país, a ser da religião desse país ou nação, qualquer que ela fosse, julga-se agora mais adequado obrigá-los apenas àquela religião na qual todos os homens concordam, deixando a cada um as suas convicções próprias: isto é, a serem homens bons e leais ou homens honrados e honestos, quaisquer que sejam as denominações ou crenças que os possam distinguir. Por consequência, a Maçonaria converte-se no Centro de União e no meio de conciliar uma amizade verdadeira entre pessoas que poderiam permanecer sempre distanciadas.

Deste texto resulta que um primeiro Valor a ser respeitado é o da Crença num Princípio Criador.

O Antigo Dever é claro ao estipular que um maçom nunca será um “ateu estúpido”, mas também que está apenas obrigado “àquela religião na qual todos os homens concordam, deixando a cada um as suas convicções próprias”.

Daqui resulta um segundo Valor a ser respeitado: a Liberdade de Crença Religiosa.

Um maçom deve ser crente, mas a natureza e os termos da sua crença só a ele dizem respeito e ninguém tem nada com isso.

Da conjugação destes dois Valores resulta que a Maçonaria respeita e considera todas as religiões, todas admitindo e a nenhuma concedendo especial privilégio. Paradoxalmente - ou talvez nem por isso… - esta posição da Maçonaria enquanto instituição de nenhuma crença religiosa privilegiar ou condenar, deixando o juízo concreto sobre o tema a cada um dos seus elementos, criou um ponto de conflito com algumas hierarquias religiosas (Igreja Católica, várias Igrejas Evangélicas, várias tendências do Islão), porquanto colide com o cerne de várias religiões, assente na consideração de que a Salvação tem como pressuposto a crença segundo a sua particular religião.  

Mas este Valor da Liberdade de Crença Religiosa vai mais além do que a igual aceitação das várias religiões organizadas. Admite e aceita que cada um siga  a sua convicção própria, integrando-se esta ou não numa religião organizada. Admite-se assim que seja maçom o deísta, o panteísta e mesmo o budista (cuja crença não inclui um Deus, mas indubitavelmente assenta num Princípio Criador, ao qual eventualmente o ser logrará fundir-se, atingindo o Nirvana).

De fora ficam apenas os ateus e os agnósticos, aqueles rejeitando a existência de Divindade, estes não crendo nem deixando de crer.

Mas clamam muitos que a Liberdade de Crença Religiosa inclui a Liberdade de crer, mas também a de não crer, ou de não saber se deve crer ou não. É o caso daqueles que integram a dita maçonaria Irregular ou Liberal.

Este argumento permite alertar para uma distinção, que se afigura necessária, entre Valores Sociais e Valores Maçónicos. Os Valores Sociais são aqueles que devem ser prosseguidos e exigíveis na sociedade humana. Os Valores Maçónicos são mais exigentes do que estes, na vertente do seu prosseguimento pelos próprios maçons.

Não há dúvida de que, enquanto Valor Social, a Liberdade de Crença Religiosa compreende, a liberdade de crer ou descrer e nenhum cidadão pode ser prejudicado ou beneficiado em virtude de professar uma religião, seguir uma crença, ser agnóstico ou ateu. Mas o conceito de Valores Maçónicos implica a consideração dos preceitos ou princípios que os maçons seguem na sua própria ação. Assim sendo, o maçom respeita e considera o ateu e o agnóstico enquanto elementos sociais válidos que, e bem, usam a sua liberdade de pensamento e de escolha, quanto à orientação religiosa. Mas exigem de si próprios e a si próprios que acreditem no Criador, qualquer que seja a sua particular conceção Dele, sigam ou não os preceitos de uma religião organizada. Quem for agnóstico ou ateu, não há qualquer razão para não ser um válido elemento da sociedade, deve reconhecer-lhe o direito de o ser e de não ser, por qualquer forma, prejudicado pela sua maneira de pensar, é de pleno direito um elemento integrante da Sociedade, no uso do Valor Social da Liberdade de Crença Religiosa, tal como deve ser entendida na sociedade, mas não é maçom, porque esta qualidade pressupõe necessariamente a crença no Criador.

Devemos assim estar atentos a que uma expressão pode ter significados diferentes, consoante se aplique à sociedade em que nos inserimos ou se aplique à mais restrita comunidade dos maçons. Só assim, aliás, faz sentido qualificar o conceito de Valores com o adjetivo maçónicos. Se os Valores Maçónicos fossem integralmente coincidentes com os Valores Sociais, não era necessária a adjetivação: utilizava-se simplesmente a denominação de Valores. O que nos permite a conclusão de que os Valores Maçónicos são os preceitos morais que os maçons utilizam para orientar a sua própria atuação e que são ou coincidentes ou mais exigentes que os Valores em uso na Sociedade.

Um terceiro Valor ínsito neste capítulo é o da Bondade. O maçom deve determinar a sua conduta no sentido de fazer e espalhar o Bem, criar, na medida do que lhe for possível, a felicidade à sua volta. Tratar bem todos aqueles com quem interage, facilitar a vida ao próximo, e não dificultá-la, deve ser apanágio do maçom.

Um quarto Valor descortinável neste capítulo é o da Lealdade. Ser leal para com os seus Irmãos, os seus colegas ou superiores no trabalho, a sua família e amigos é um requisito obrigatório para um maçom. Quem é desleal não é digno da confiança alheia, não é uma pessoa de bons costumes.

Os quinto e sexto Valores que surpreendemos neste capítulo são a Honradez e a Honestidade. Não são conceitos sinónimos. Entre eles existe uma relação de género e espécie. Todo o homem honrado é, necessariamente, honesto, mas nem todos os homens honestos são honrados.

A Honestidade afere-se relativamente à postura quanto a bens materiais e relação interpessoal. O homem honesto quer para si, recebe e apropria-se daquilo a que tem direito e entrega aos outros aquilo a que eles direito têm. Não prejudica ninguém. Cumpre a sua palavra. Pratica a verdade e recusa a mentira. Mas não tem a obrigação de se prejudicar em prol de compromissos que não tenha assumido ou em situações que não são de sua responsabilidade.

O homem honrado também tem essa postura, mas vai mais além. Honra implica sentimento do dever, da dignidade e da justiça. O homem honrado cumpre o que considera ser seu dever, o que acha deve ser digno de si, o que acha justo, mesmo que não tenha obrigação disso, mesmo que não tenha assumido ou prometido agir dessa forma. Vai além da mera honestidade. Se necessário, prejudica-se em prol da dignidade, própria ou alheia, ou da justiça.

Rui Bandeira