26 maio 2010

As pranchas do livro


O texto da semana passada foi ilustrado com a imagem da capa do livro 20 anos de História, que está no prelo para publicação pela Loja Mestre Affonso Domingues. Hoje mostro a capa completa: frente, lombada e contracapa.

No texto da semana passada, referi que no livro se incluíam dezoito pranchas (trabalhos) de dezoito obreiros atuais da Loja Mestre Affonso Domingues. Hoje, decidi deixar aqui a informação dos títulos desses dezoito trabalhos. Não apenas para que os leitores deste blogue fiquem - espero - com vontade de o encomendar. Também como ilustração do trabalho que se faz numa Loja maçónica. Como se poderá verificar só pela lista de títulos, a variedade é significativa. Pertencer e trabalhar numa Loja maçónica também é aprender e partilhar com os demais o que se aprendeu.

Todos os trabalhos que agora a Loja Mestre Affonso Domingues agora partilha com quem ler o livro foram apresentados e debatidos em Loja. Alguns destes trabalhos foram elaborados por então inexperientes Aprendizes, que ainda estavam em processo de descoberta e interiorização do trabalho de um maçom. Alguns desses, hoje já Mestres Maçons que efetuaram outros trabalhos, de maior fôlego, entenderam que o trabalho que gostariam de divulgar fosse o seu primeiro, talvez o menos elaborado, mas seguramente o mais puro. Uns são mais extensos, outros mais curtos. Uns mais elaborados, outros mais simples. Todos ilustram igualmente uma parte significativa do trabalho que se faz na Loja Mestre Affonso Domingues. O que a Loja hoje é também decorre dos trabalhos que cada um ali elaborou e apresentou e que todos, ao longo do tempo, fomos ouvindo e discutindo. No fundo, a expressão da receita simples da Maçonaria: a melhoria do indivíduo pelo coletivo; a melhoria do coletivo pelos contributos dos indivíduos.

Eis, pois, os títulos das dezoito pranchas, pela ordem em que as mesmas aparecem no livro:

Mestre Affonso Domingues
Contra a indiferença
O silêncio dos Aprendizes
Êtes-vous maçon?
A união dos maçons
L'égalité est la base de toute liberté
A arquitetura no grau de Companheiro
Pensamentos, sensações e emoções de um Aprendiz - parte II
Irmandade e música
Intocáveis
Quantos compõem uma Loja justa e perfeita
Breves reflexões acerca do Tudo
A dúvida
Primeiro passo.
A Luz
Maçonaria e intervenção na sociedade
A identidade social
Maçonaria e Ambiente

Se está interessado em tomar conhecimento do trabalho de uma Loja maçónica, não precisa de grandes esforços: basta encomendar e ler o livro 20 anos de História da Loja Mestre Affonso Domingues. As encomendas podem ser feitas mediante o envio de mensagem de correio eletrónico para mestreaffonsodomingues@gmail.com, indicando nome, o número de exemplares pretendido e endereço postal para envio. Será acusada a receção da mensagem e fornecido o NIB da conta para onde deverá ser efetuada transferência do custo de aquisição e um código que deve ser mencionado na ordem de transferência (esta menção de código é importante para ajudar a determinar quem procedeu ao pagamento, em ordem a ser-lhe enviada a encomenda). A expedição da encomenda para a morada indicada será confirmada por envio de mensagem de correio eletrónico para a caixa de correio de onde partiu a encomenda. Em alternativa, pode também a encomenda ser feita mediante envio de cheque do valor correspondente ao número de livros encomendados e indicação de nome e endereço postal para envio para Apartado 22777, EC Socorro, 1147-501 LISBOA.

Rui Bandeira

20 maio 2010

7º Encontro Nacional da APNF

Ora desta vez apareço fora do período tradicional dos fins de semana.

Por razão óbvia.

Aqui faço divulgação de um encontro importante, para os que suportam a doença e para todos os que com ela contactam diariamente.
Limitar-me-ei a transcrever o texto que recebi, para Vosso conhecimento e participação.


É com grato prazer que convidamos para o 7º Encontro Nacional da APNF que se realizará no próximo dia 22 de Maio de 2010, a partir das 13,30 h., no INR - Inst. Nac. Reabilitação, sito na Avª Conde Valbom, 63, Lisboa .
O programa/convite e cartaz seguem junto.

Compareçam e façam a melhor divulgação.

Divulgar é ajudar!... Este é um momento importante para os nossos sócios, familiares e amigos que renovamos em cada ano.

No encontro, aberto a todos os interessados, para além da parte científica com a participação de médicos e outros técnicos, haverá ainda a possibilidade de serem divulgados testemunhos de sócios e/ou familiares que queiram, na primeira pessoa, partilhar a sua vivência com a NF. Para o efeito, poderão enviar até ao dia 20 do corrente mês de Maio, para a sede da APNF ou para o E-mail: info.apnf@gmail.com, um depoimento sobre o modo como têm vivido ou convivido com a NF, que será posteriormente preparado para ser exposto no local do encontro.

Para mais informações : 960 173 375 ou consulte a página www.apnf.eu
Ajudem, colaborem... Há quem precise de Solidariedade, de Fraternidade e de Igualdade.
JPSetúbal

19 maio 2010

Loja Mestre Affonso Domingues - 20 Anos de História

A imagem acima é a da (simples, como convém) capa do livro que a Loja Mestre Affonso Domingues tem já no prelo e vai publicar brevemente. A sessão de lançamento terá lugar precisamente no dia em que, dia por dia, se completam exatamente vinte anos sobre a emissão, pelo Grão-Mestre da Grande Loge Nationale Française, da carta-patente que marca a criação da Loja, o próximo dia 30 de junho, pelas 19 horas, no Grémio Literário, Rua Ivens, n.º 37, em Lisboa (gente fina é outra coisa...).

No livro, com bem preenchidas 152 páginas, consta a memória dos vinte anos vividos pela Loja. Os bons e os maus momentos, os êxitos e os fracassos, a participação, ao longo deste tempo, de quase duzentos obreiros. Regista-se e dá-se a conhecer os tempos de implantação, o primeiro crescimento, a grande crise de 1996/1997, a recuperação, os tempos mais recentes. São também evocados aqueles que, em qualquer momento, foram obreiros da Loja e já passaram ao Oriente Eterno. Publicam-se dezoito trabalhos (nós, maçons, chamamos-lhes "pranchas") de dezoito obreiros atuais da Loja - e apenas dezoito porque só isso o espaço disponível permitiu...

O livro é edição de autor - da Loja. É a Loja que paga os respetivos custos de produção, armazenagem e comercialização. Mesmo assumindo o risco destes custos, a Loja,confiante no bom acolhimento desta sua iniciativa de comemoração do seu vigésimo aniversário, abalançou-se a uma edição considerável, que ultrapassa a média das edições de autor, de poucas centenas de exemplares.

A comercialização desta primeira edição do livro vai ser exclusivamente feita fora do circuito comercial. Vai ser totalmente efetuada diretamente pela Loja. A sua divulgação vai assentar essencialmente na Internet.

O preço fixado para o livro é de 14 Euros. Porém, uma vez que a Loja assume o risco da publicação, decidiu privilegiar as compras e encomendas efetuadas até ao dia do lançamento. Assim, os livros vendidos no dia do lançamento e os livros encomendados e pagos até esse dia custarão apenas 12 Euros.

As encomendas podem ser feitas mediante o envio de mensagem de correio eletrónico para mestreaffonsodomingues@gmail.com, indicando nome, o número de exemplares pretendido e endereço postal para envio. Será acusada a receção da mensagem e fornecido o NIB da conta para onde deverá ser efetuada transferência do custo de aquisição e um código que deve ser mencionado na ordem de transferência (esta menção de código é essencial para determinar quem procedeu ao pagamento, em ordem a ser-lhe enviada a encomenda). A expedição da encomenda para a morada indicada será confirmada por envio de mensagem de correio eletrónico para a caixa de correio de onde partiu a encomenda.

Em alternativa, pode também a encomenda ser feita mediante envio de cheque do valor correspondente ao número de livros encomendados e indicação de nome e endereço postal para envio para Apartado 22777, EC Socorro, 1147-501 LISBOA.

Em qualquer dos casos, o envio será feito, a partir de 15 de junho, no prazo máximo de cinco dias após a receção do pagamento e, para as encomendas anteriores a esta data, entre 15 e 18 de junho. De onde resulta que quem fizer rapidamente a encomenda receberá o livro ainda antes do seu lançamento público!

Bom, e agora o aviso: a edição é grande, mas não é ilimitada. Este blogue é lido nos cinco continentes, a Loja Mestre Affonso Domingues é conhecida por muita gente, entre os maçons e os profanos. COMO É QUE É? ESTÁ À ESPERA QUE ESGOTE E NÃO CONSIGA O LIVRO? Toca mas é a despachar e proceder à encomenda do livro!!!!

Rui Bandeira

14 maio 2010

A Grande Máquina

Eis a GRANDE MÁQUINA !

Aí está ela tão bem explicadinha que até eu percebo.

E não é fácil conseguir esse resultado... (sou eu que digo !)

Quando estudei, com o saudoso Prof. Sedas Nunes, a revolução industrial e seus efeitos (há que anos...) nunca me passou pela cabeça que ao fim de tantos anos fosse levado a estabelecer estas analogias, chegando a conclusões bem conservadoras.

De facto continua mais ou menso claro como se mantem a máquina em funcionamento.
Um pingo de óleo aqui, um pouco de massa lubrificante acolá...
Talvez uma vez ou outra a substituição de alguma peçazita, uma reparaçãozita mais além...

Mas... quem deu à manivela a primeira vez ?
E o primeiro exemplar, mesmo pensando-o simplicado, quem o montou ?


Estamos com o anúncio de um campeonato, ou algo semelhante, de robôts e esses eu conheço, ou posso conhecer facilmente, quem os monta agora e quem os montou no passado.
É mesmo muito fácil saber quem construiu/montou e pôs a funcionar (o tal primeiro movimento da manivela) o primeiro dos primeiros robôts.

São elas, também, máquinas complexas, com muitos sub-sistemas que se organizam num conjunto harmónico com um único e comum objetivo à vista.

Mas aquele do boneco ?
Quem foi o primeiro ?
Qual foi o primeiro ?
Quando foi o primeiro ?


BUUUUMMMMMMMMMM.... e lá salta um daqueles... Pois, talvez...

Recorro à expressão de um outro professor, e desse dizia-se que era maluco (e devia ser já que foi o único 20 da minha carreira de estudante).

Diria ele neste momento da "conversa", "talvez sim, talvez não ou talvez talvez ?"

Nunca soube a resposta a esta pergunta que ele fazia continuamente já que a nossa insegurança nos faz muito pouco assertivos. Refiro a época dos 15 aos 18 anos na qual se misturam as certezas absolutas com as dúvidas sistemáticas.

É tudo... muito talvez !!!

Vocês já não se lembravam destas charadas para distração de fim de semana.

Deixo-vos esta. Entretenham-se.

video

Bom fim de semana.

J.P.Setubal

12 maio 2010

Loja Mestre Affonso Domingues: o sítio e o blogue


A presença na Internet da Loja Mestre Affonso Domingues processa-se em dois planos: o sítio da Loja (http://www.rlmad.net/) e este blogue. São dois espaços de comunicação diferentes, embora ambos expressamente pensados e organizados para serem lidos por maçons e por profanos.

O sítio da Loja assume um cariz mais institucional - embora não demasiado. Publica textos maçónicos e material de divulgação, que consideramos interessante. Em suma, procura espelhar a identidade coletiva da Loja.

Este blogue procura ser mais coloquial, diversificado, subjetivo. O seu objetivo é mostrar como pensam, o que são, os maçons da Loja Mestre Affonso Domingues. Por isso, o subtítulo deste blogue afirma que este é feito por maçons da Loja Mestre Affonso Domingues - não pela Loja! Este blogue é a concretização de um dos princípios essenciais da Maçonaria: o respeito da identidade individual de cada um, a riqueza que constitui a integração da diversidade - de pensamento ou da simples opinião, da religião, de sentimentos, de estilos, de personalidades.

Com estes dois diferentes instrumentos (sítio e blogue), a Loja mostra a quem quiser ver duas diferentes facetas da Maçonaria: enquanto grupo, com um acervo de valores comuns (o sítio, cujo responsável sabe que tudo o que ali é publicado é visto, lido e entendido como manifestação da Loja) e (blogue) enquanto indivíduos, pessoas, maçons individualmente considerados, que espelham as suas opiniões, sentimentos, estilos, com a diversidade que cada um que aqui escreve mostra. O todo composto por indivíduos com um núcleo de valores comuns (sítio), os indivíduos que, na sua diversidade, contribuem para as caraterísticas específicas do grupo (blogue). Quem consulta o sítio, consulta a informação, as ideias do grupo, do todo, da Loja; quem lê o blogue, contacta com as ideias de quem escreve, assumindo-se como maçom e como integrante da Loja, mas sempre e principalmente posições individuais, independentes, pessoais. No sítio, tem-se o pensamento coletivo da Loja; no blogue os pensamentos individuais dos maçons que integram a Loja e que se dispõem a aqui os expressar, e quando a tal se dispõem.

Por isso, ainda que este blogue tenha tido, até agora, a maior parte dos textos nele publicados escrita por mim, sempre deixei bem claro e bem frisado que este blogue não é o blogue do Rui Bandeira e amigos, é o blogue dos Mestres Maçons da Loja Mestre Affonso Domingues. A maioria dos textos, até agora ter sido minha, haver períodos em que só se publicam textos meus, são apenas elementos circunstanciais, alteráveis a todo o tempo e, seguramente se, como espero, este blogue tiver longa existência e prosseguir enquanto a Loja existir, a médio ou longo prazo inevitavelmente alterados. Tempo virá - talvez mais próximo do que longínquo - em que os textos que eu aqui publico serão minoria; tempo se seguirá em que outrem assegurará o essencial deste blogue; tempo chegará em que este blogue prosseguirá sem novos textos meus, em que, na coluna da direita o meu nome não estará mais no rol dos que escrevem aqui - quando muito será porventura referenciado no número dos que aqui escreveram...

As caraterísticas que este blogue foi assumindo, individualidade de textos, interatividade com os leitores que decidem comentar, diálogo entre os maçons que escrevem e aqueles, profanos ou maçons, que comentam, os caminhos, quiçá anárquicos mas de uma riqueza e abertura gratificantes, que segue, à boleia da interação dos pensamentos de quem escreve e de quem comenta, podem, por vezes, fazer esquecer que este é um projeto executado por maçons da Loja Mestre Affonso Domingues, um meio, um tipo, uma forma específicos, de comunicação da Loja com o seu exterior. Mas é! Que isso por vezes não se note é a confirmação do êxito do projeto! O blogue A Partir Pedra espera merecer ser considerado um Hino à Liberdade de Pensamento dos Maçons da Loja, enquanto o sítio da Loja, desejavelmente, é a Sinfonia do Pensamento da Loja.

Aqui no blogue, vamos falando, debatendo, expondo ideias sobre de tudo um pouco, sejam matérias maçónicas, seja temas que nada têm a ver com a Maçonaria. O tema aqui é, afinal, a forma como os maçons pensam e vêem o Mundo, as coisas e os interesses que têm e que cultivam. O tema do sítio é o pensamento maçónico, que se divulga e mostra, para que quem quiser encontre, veja e leia. O responsável do sítio entende que alguns dos textos que se publicam aqui no blogue merecem estar incluídos também no sítio - e assim o sítio é também uma espécie de arquivo de textos selecionados do blogue. Isso mostra que o que os maçons da Loja Mestre Affonso Domingues aqui escrevem, sendo o produto do seu labor, do seu pensamento e da sua liberdade individuais, também integra o acervo do conjunto multifacetado de fontes que integram o pensamento institucional da Loja - e deixa-nos, aos que aqui escrevem, felizes.

A diferente natureza dos meios sítio e blogue é conscientemente utilizada em planos diversos. Que seja do meu conhecimento, a Loja Mestre Affonso Domingues é pioneira nesta utilização integrada e diferenciada das ferramentas proporcionadas pelas atuais Tecnologias de Informação. Procura utilizar rentavelmente os diferentes meios do século XXI para divulgar uma mensagem cujas raízes ideológicas provêm do Iluminismo e de mais além. E, com isso, procura desmontar dois mitos em relação Maçonaria: o seu secretismo e o seu poder oculto. Ninguém de boa fé pode acusar de secretismo uma Loja que põe à disposição de quem a ela quiser aceder dois meios de comunicação diferentes, com diferentes níveis e estilos de comunicação e com mais de dois milhares de textos sobre si própria, o seu pensamento, a forma como se organiza, o que faz, porque o faz, como o faz, etc., etc.. E quem ler e souber ler, atentar e souber entender, facilmente concluirá que o único poder que a Maçonaria busca é o de esclarecer, divulgar e, sobretudo, praticar os seus princípios.

A Loja Mestre Affonso Domingues está à beira e comemorar o vigésimo aniversário da sua criação. Esta comemoração envolve iniciativas internas e iniciativas pensadas e trabalhadas e colocadas à disposição de todas as pessoas, sejam ou não maçons. Nos tempos mais próximos, as duas diferentes dimensões do sítio e do blogue vão, temporariamente, aproximar-se. O blogue e o sítio, ambos, vão dedicar parte dos seus espaços à divulgação do vigésimo aniversário da Loja e às iniciativas por esta efeméride suscitadas.

Para já, fiquem atentos: a primeira iniciativa a ser divulgada é dedicada a todos, profanos e maçons. Mas só vou revelar o que é daqui por uma semana...!

Rui Bandeira

08 maio 2010


Ora meus Queridos Manos, Amigos, Curiosos e demais gente boa que vai lendo o que se passa neste "hemisfério discursivo" e "blogueiro".

Sei que têm dado muito pela minha falta, de tal maneira que tenho a caixo do correio cheia de mensagens de agradecimento pelo meu desaparecimento do circuito.

Mas desiludam-se... isto está a correr mal para o Vosso lado.

ESTOU DE VOLTA ! PIM !

E regresso porque a partir de hoje, 8 de Maio, arranca a Campanha do Pirilampo Mágico 2010.
E esta eu não perdôo.

É mais uma tradição do Maio português a que todos, novos e velhos, homens e mulheres, nacionais ou estrangeiros, costumam corresponder com entusiasmo comprando o boneco, este ano de côr “salmão”, lindo, amável e patusco como sempre, pelos 2 euros de sempre.
O resultado da venda vai direitinho para as Cerci’s, que bem necessitam de ajuda, com a certeza do agradecimento das “crianças” ali recolhidas e tratadas.
Comprem o Pirilampo, e/ou o PIN que sempre o acompanha, e contribuam para a alegria das “Crianças” das CERCI’s.

E não se demorem.
Não arrisquem a estragar a coleção dos Pirilampos anuais por falta de um exemplar.

Em caso de dificuldade deixem aqui um comentário com a V. indicação, porque tratarei de vos fazer chegar um Pirilampo, destes, lindos por todos os lados.

E tão fofiiiinhos......

JPSetúbal


05 maio 2010

Réplica e tréplica


Na sequência dos textos A viagem e Repto aceite, Diogo apresentou a seguinte réplica:

Confesso que no meu comentário anterior me desviei da alegoria de Charles Evaldo Boller para mergulhar de cabeça nos aspectos físicos da questão. Com isso ter-me-ei agarrado ao acessório científico e perdido o essencial do pensamento filosófico do autor. Peço desculpa ao Rui por isso. Li e reli de novo o artigo. Não consigo deixar de fazer um paralelismo entre a maçonaria e um misto de teísmo [O Grande Arquitecto, o Sol que tudo ilumina] e de Budismo – a constante procura da perfeição pessoal: Retirado de “O que é o budismo?” - «no entanto, o praticante Vajrayana iniciado nas instruções secretas, muitas delas dadas somente de mestre para discípulo oralmente, também denominadas, verdades sussurradas ao ouvido, iria pelo rio em busca das bagas venenosas, para as retirar directamente do rio, e assim todos poderem livremente beber a água o mais rápido possível.» Mas eu sou ateu. A minha filosofia de vida é aprender o mais possível (não num sentido moral) e fazer conscientemente o máximo de bem e o mínimo de mal. Bom, posto isto, vamos então ao debate: Rui: «E, desculpar-me-á o Diogo, mas a sua afirmação de que, na ausência de um terceiro ponto de referência nem sequer se pode afirmar que há movimento, não está certa: se variar a posição relativa entre o ponto A e o ponto B, é indesmentível que há movimento. O que pode desconhecer-se, na ausência de um terceiro ponto de referência, é se o movimento foi de A, foi de B ou foi de ambos...» Sem um terceiro ponto de referência não pode afirmar que há movimento. O movimento é sempre relativo. A move-se em relação a B em função de C. Mais, o movimento é uma função do espaço e do tempo. Pior, o tempo é uma função de um movimento em relação a outro movimento. Enfim, uma grande salgalhada. Evidentemente, estou a falar num sentido estritamente físico, o que não era a intenção do autor. Quanto ao ponto 4 – O que é o Tempo? Há algum relógio universal a medir o Tempo? Rui: «Esta pergunta, Diogo, tenho-a por retórica... Então o nosso céptico, hiper-racionalista Diogo esqueceu-se da teoria do Big Bang e de que ela postula que com o dito cujo se criou o Universo, o espaço e o tempo (conferir http://pt.shvoong.com/exact-sciences/496537-teoria-da-grande-explos%C3%A3o-big/)? Meu caro Diogo, essa sua pergunta deveria ter sido formulada ao Einstein, não ao Irmão Charles Evaldo Boller... Não lhe faço a injúria de considerar que estava a colocar esta objeção a sério... Assentemos em que estava só a testar se eu estava distraído...» Estou a falar muito a sério Rui. Tanto a teoria da relatividade como a do Big Bang estão muito longe de estarem confirmadas. Eu estou convencido que ambas estão erradas. Acredito num Universo infinito e estacionário, sem princípio e sem fim. Quanto ao ponto 5 – Mas haverá matéria sólida? Se continuar a diminuir de tamanho e entrar dentro dos núcleos dos átomos e dos electrões não irá perceber que afinal todo o Universo é apenas energia? «Meu caríssimo Diogo, está a objetar a quê? Esta sua afirmação é precisamente a afirmação do texto do Irmão Charles Evaldo Boller...» - estou de acordo consigo. Quanto 6 - «Será que legitima a expressão do penso, logo existo, de Descartes? » - também estamos de acordo. Rui: «Para cada argumento que se possa aduzir em abono de que Deus existe, existe um argumento com igual força que o refuta; para cada argumento que se apresente demonstrando que Deus não existe, existe um outro, de igual fortaleza que defende essa existência.» Onde é que o Rui foi buscar este postulado? Rui: «à pergunta quem criou o Mundo?, respondem os crentes que foi Deus; mas de imediato surge então a irrespondível pergunta de quem criou Deus?; similarmente, a tese da Ciência contemporânea de que o Universo teve origem num Big Bang é reduzida à sua dimensão de nada realmente explicar se se pergunta o que (ou quem...) criou, originou esse Big Bang, como e de onde surgiu essa tão fenomenal e extraordinária Força que do Nada fez surgir o Tudo. E, sendo postulado da Ciência que tudo o que existe pode ser reproduzido (e nisso se baseia a Ciência Experimental), como se explica que, desde há biliões e biliões de anos, só haja conhecimento de UM Big Bang, quando seria de esperar uma repetição do fenómeno?» Como lhe disse acima, a teoria do Big Bang está muito longe de estar provada. Eu não acredito nela. De qualquer forma, um Deus, qualquer Deus, teria de ser considerado um ser vivo por mais imaterial que o consideremos. Ele não pensa? Não age? Rui: «Respondendo directamente às suas perguntas, Diogo, o significado da Vida e da criação (ou da primitiva aparição) da Vida é o Grande Enigma. Uns, como eu, crêem só poder ter sucedido e existir pela intervenção de um Poder Criador (que eu designo por Grande Arquiteto do Universo); outros acreditam que a Vida surgiu de uma enorme e incalculável sucessão de acasos cumulativos, que superam em milhões de milhões de milhões (e ponha ainda mais milhões aí...) de vezes as probabilidade de ganhar o Euromilhões. Por mim, tudo bem: cada um acredita no que acredita. Mas, se eu sou crente, quem acredita nessa incalculável megassucessão de mega-acasos, o que é? Talvez... crédulo???» Curiosamente, eu também não sou darwinista e portanto também não acredito que a vida e a evolução sejam fruto do acaso. Mas o que é a vida? Entre as muitas dezenas de descrições que podemos encontrar aqui – http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:http://pt.wikipedia.org/wiki/Vida - uma diz que: «Vida é um sistema que reduz localmente a entropia mediante um fluxo de energia» Donde, será aquilo a que chamamos vida apenas um aglomerado relativamente vulgar no Universo de matéria e energia? Moléculas com um determinado comportamento? Algo, afinal, sem nada de mágico? Quanto ao ponto 9 - «O caminho para a liberdade e perfeição do maçom é dominar suas paixões com o objectivo de acabar com atitudes extremadas e fanáticas. E a vereda do espírito passa pela capacidade de sonhar, com grandes chances de converter a fera humana, apenas controlada pelas leis, em ser humilde diante da grandiosidade do que daqui divisamos. » Rui, aqui não vou discutir consigo. Você já sabe a minha opinião.

E eu formulo a tréplica que se segue:

Uma vez que Diogo reconhece que as suas primitivas críticas ao texto A viagem não tiveram em consideração o caráter alegórico do mesmo, tenho-as por retiradas.

De factual ou científico, a única diferença de opinião que, se bem ajuízo, resta entre Diogo e eu próprio é a questão da necessidade de um terceiro ponto de referência para a verificação se, entre um observador A e um ponto B, algum deles, ou ambos, se movimentam(m). Questão menor, convenhamos. E que, para a economia do debate das nossas ideias e do aprofundamento delas me parece perfeitamente lateral. Desde já declaro não ser um especialista da matéria (aliás, já o declarei neste blogue, considero que não sou especialista de nada, a não ser, hipoteticamente, um "especialista em ideias gerais"), pelo que a minha posição é meramente empírica. E como melhor ilusto as minhas ideias com imagens, procure o Diogo ver a razão da minha afirmação - de que discorda: imagine-se num comboio que, a certa altura, parou numa estação, e está a olhar pela janela. Do lado de lá dela, está um outro comboio, igualmente parado e, olhando pela janela, em sua direção, está uma bela mulher que chama a sua atenção, ao ponto de só a fixar a ela e nada mais. (Temos outra situação de observador A e ponto B e nada mais - que capte a atenção, pelo menos). A certa altura, a sua perceção é que a mulher que fixa se está movimentar para a sua direita. Dois pontos, um observador e o observado. O observador, sem necessidade de mais qualquer ponto de referência, regista a existência de movimento. Precisa efetivamente de um terceiro ponto de referência é para determinar se é o comboio "dela" que suavemente se movimenta, ou o "seu" (ou ambos, eventualmente). Dito isto, não procuro convencer o Diogo de nada, tal como certamente o Diogo não espera convencer-me do contrário do que afirmei. Fique cada um com a sua convicção - e felizmente que esta matéria é de irrisório interesse para nosso debate.

Diogo introduz a sua réplica com uma afirmação interessante e que eu não vejo motivos para rejeitar liminarmente: afigura-se-lhe que a Maçonaria será um misto de teísmo e budismo. É uma forma curiosa de pôr a questão. E é, no meu ponto de vista, irrespondível: a Maçonaria defende precisamente o máximo de liberdade da interpretação individual dos fenómenos. Certamente algumas pessoas partilharão facilmente da curiosa interpretação do Diogo, algumas outras dela discordarão, outras ainda tenderão a concordar, mais ou menos difusa ou parcialmente com a mesma. Em termos de ética maçónica a única reação a ter é registar a tese, respeitá-la e integrá-la como mais um elemento para a nossa própria análise. Ou seja: o Diogo tende a considerar a Maçonaria um misto de teísmo e budismo. Tudo bem, é a sua análise, que não é, de todo, inverosímil. E mais não há que comentar...

O outro aspeto da réplica de Diogo que considero merecer especial realce é o conjunto de proposições que começa com a sua afirmação de princípio (que é esclarecedora e que também só pode merecer uma atitude de respeito pela mesma) de que se considera ateu. Fica esclarecido. Nada a comentar ou objetar. Já na sua réplica especificada, Diogo formula ainda uma reveladora e (para mim) inesperada consideração: está pessoalmente convencido que, quer a teoria da relatividade, quer a teoria do Big Bang estão erradas. E prossegue declarando que acredita num Universo infinito e estacionário, sem princípio nem fim. Estas afirmações de princípio de Diogo abrem, creio, um campo de análise porventura interessante e que talvez o próprio Diogo não tenha ainda detetado.

Não vou tecer qualquer crítica ao entendimento expresso pelo Diogo - isso seria a violação daquilo que, como maçom, acredito dever-lhe: respeito e tolerância pela sua opinião. Nem vou procurar aproveitar-me para extrair conclusões porventura indevidas das suas proposições. Pretendo apenas contribuir para uma reflexão - de quem me ler e do próprio Diogo, em particular. Vou, portanto, formular apenas algumas perguntas. As respostas cada um as dará. O Diogo em particular, em especial no íntimo de si mesmo - onde não tem de temer reações, nem necessita de ninguém impressionar.

Já reparou o Diogo que as caraterísticas que atribui ao Universo que concebe (infinito, estacionário, sem princípio nem fim - portanto, eterno) são aquelas que os crentes atribuem à Divindade? Já reparou que eu poderia descrever o Grande Arquiteto do Universo nos mesmos termos? Será que o ateu que o Diogo se declara afinal se limita a transferir a resposta ao Grande Enigma da Divindade para o Universo? O que é então esse Universo infinito, estacionário, eterno? Não será afinal o ateu Diogo afinal um crente no panteísmo? Não andaremos afinal todos a falar da mesma coisa - só que chamando-lhes nomes diferentes?

Se assim o entender, pense o Diogo, calma e maduramente, nestas questões e nas que estas sugerem. Mas faça-o apenas perante si mesmo. Não com o intuito de refutar outrem ou de concordar com quem quer que seja. Apenas para aprofundar efetivamente as suas ideias, as suas dúvidas, as suas certezas,os seus desconhecimento. E tirar as suas conclusões. Que - se o Diogo for como eu - serão sempre provisórias. E serão suas. Que ninguém tem o direito de criticar ou pôr em causa. Que guardará para si ou partilhará com quem entender, quando entender, se entender.

É esta a felicidade e glória de ser Humano! Seja-se maçom ou profano, ateu ou crente, teísta, ateísta, budista, deísta, panteísta ou outro "ista" qualquer!

Rui Bandeira